Marcelo diz que Governo “percebeu a importância do que se passou” no Mondego

Marcelo diz que Governo “percebeu a importância do que se passou” no Mondego

“Saio daqui com a certeza de que o Governo percebeu a importância do que se passou e é isso que explica a presença continuada de governantes aqui.” Foi com esta confiança que o Presidente da República terminou a sua visita a uma das zonas mais afectadas pelas cheias da última semana, em Montemor-o-Velho, Coimbra. Depois de visitar a região do Baixo Mondego, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que as cheias no Baixo Mondego são “um problema nacional” que exige soluções diferentes das do passado. O chefe de Estado elogiou ainda a “capacidade de resistência” das populações e deixou um aviso aos governantes: os portugueses “estão mais exigentes”. 

Marcelo Rebelo de Sousa visitou a região no mesmo dia que o ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes. Para Marcelo Rebelo de Sousa, a presença de governantes no local mostra que “perceberam que [os estragos provocados pelas cheias] tinham um significado nacional e não apenas regional”. E “se o problema é maior, as soluções não são exactamente as mesmas do passado”, avisou o Presidente da República, também para responder à exigência acrescida das populações. “Isso é a democracia. A exigência subiu no tempo”, justificou.

Do lado do ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes, o balanço é igualmente assertivo, mas descarta que os estragos poderiam ter sido evitados com a construção da barragem de Girabolhos em 2016.

Para o presidente da secção regional da Ordem dos Engenheiros, Armando Silva Afonso, “sem [a barragem de] Girabolhos será muito difícil travar a repetição destes fenómenos”. Silva Afonso defendeu que se deixe de olhar para as barragens associadas à energia e se passe a olhar para as barragens “com todas as suas funções, de regularização, de armazenamento de água, de controlo de cheias e penso que isso vai ser cada vez mais importante no futuro”.

Mas o argumento não convenceu o responsável pela pasta do Ambiente. Matos Fernandes defendeu que não se pode “artificializar” o leito dos rios para travar cheias, respondendo assim às críticas e à tese de que a construção da barragem teria evitado o cenário das cheias no Mondego.

“A água não é só da espécie humana. A água é de todos os ecossistemas e de todas as espécies que neles vivem. E por isso, não podemos imaginar que vamos artificializar, para sempre, o leito dos rios e o seu curso”, defendeu o ministro do Ambiente. Em resposta à Ordem dos Engenheiros do centro, Matos Fernandes nota que existe já em curso uma intervenção no rio Ceira.

“Trata-se de um rio que corre livremente e que, com o apoio de fundos europeus, estamos a começar a regularizar, utilizando apenas métodos de engenharia natural. Trata-se do oposto daquilo que é fazer uma barragem e termos um rio com capacidade de diminuir afluência de caudais ao próprio rio Mondego”, explicou o governante.

Ao mesmo tempo, Matos Fernandes insiste que devem ser as populações a adaptarem-se aos rios e não o inverso. “É mesmo esta que deve ser a nossa acção, e não adaptar o rio ao nosso gosto e sermos, nós, espécie humana, a adaptarmo-nos e aos nossos hábitos a aquilo que os recursos têm para nos dar”, disse.

A visita de Marcelo Rebelo de Sousa estava planeada desde o início da semana quando o Presidente da República prometeu deslocar-se à região para “observar, ver e contactar com a realidade, conforme prometi, no tempo adequado, que é estabilizada a situação e não durante o período crítico”. “Entendo que ganho em perceber o que se passou e aquilo que está a ser pensado”, justificou à data.

A passagem das depressões Elsa e Fabien provocaram vítimas e inundações em todo o país. No total, morreram três pessoas, 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução. As inundações causaram condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede eléctrica, afectando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior Governo rejeita barragem no Mondego para controlar cheias
Próximo “Deslocalizar” Povoações por causa das cheias ou ministeriais “alucinações” ?... - João Dinis

Artigos relacionados

Nacional

Tribunal francês proíbe comercialização de herbicida à base de glifosato

O tribunal administrativo de Lyon, na França, acaba de anular a autorização de comercialização do herbicida Roundup 360, à base de glifosato. […]

Nacional

Cinco anos depois, Portugal 2020 ainda não executou metade do programa

Portugal não corre o risco de devolver verbas a Bruxelas, mas no final do ano passado, o Portugal 2020 encerrou com uma taxa de execução de 45%. […]

Últimas

“Não vai ser preciso abater vacas para reduzir as emissões de CO2”

José Romão Braz, presidente da Direção da Associação Portuguesa dos Industriais dos Alimentos Compostos para Animais (IACA)
Para algumas organizações e ativistas, […]