Manual para aplicação de herbicidas

Manual para aplicação de herbicidas

A utilização de produtos para controlo da vegetação infestante e de espécies invasoras na floresta de produção deve seguir indicações precisas.

A vegetação arbustiva lenhosa (vulgarmente designada por matos) e as invasoras no subcoberto dos povoamentos florestais de eucalipto são duas das principais causas na propagação dos incêndios, provocando anualmente perdas económicas, ambientais e sociais incalculáveis. Para além disso, este material vegetativo compete com a árvore por água, luz e nutrientes, podendo originar quebras de produção na ordem de 10 a 20%, em média.

Então, como controlar a vegetação infestante e de invasoras nos povoamentos florestais? A resposta está em técnicas menos impactantes no solo, como o destroçamento, a trituração, a gradagem ligeira, ou a aplicação de herbicidas. Se as técnicas mecânicas são fáceis de usar e, por isso, tradicionalmente utilizadas, já em relação aos herbicidas, com aplicações menos usuais, é necessário atender a todas as indicações técnicas. Deste modo é garantida a eficiência dos herbicidas e o cumprimento da legislação em vigor, em particular com a utilização exclusiva dos produtos homologados pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV/SIFITO).

Nota prévia: só é permitida a compra e a aplicação de herbicidas por quem tiver Cartão de Aplicador ou de Técnico Responsável, emitidos pela DGAV.

Herbicidas sistémicos homologados:

• Com 360 g/L de glifosato, de preferência sob a forma de sal de potássio. Dose máxima: 10 L/ha.

• Garlon, com 480 g/L de triclopir, para uso exclusivo nas silvas. Dose máxima: 3 L/ha.

Produtos e doses recomendadas (homologados pela DGAV):

• Para infestantes anuais (ervas): produtos à base de glifosato com 360 g/L, a 2% (colocar 2 litros de produto comercial para 100 litros de calda);

• Para matos e invasoras (acácias e háqueas): produtos à base de glifosato a 360 g/L, a 5% (colocar 5 litros de produto comercial para 100 litros de calda). (Exemplo: meio litro de produto em 10 L de calda);

• Para silvas: 300 ml de Garlon para 100 litros de calda.

Nota importante: aplicar nas ervas anuais antes da floração e nos matos e invasoras em estado herbáceo (de preferência com cerca de 20 a 50 centímetros de altura no mato e nas háqueas, e até dois metros de altura nas acácias). Quando estes tiverem uma dimensão superior, aconselha-se o seu corte prévio.

Como aplicar: molhar bem a maioria das folhas da planta a controlar, sem provocar escorrência da calda.

Preparação da calda para aplicação de herbicidas:

• Colocar água limpa de impurezas no depósito do pulverizador até cerca de metade da quantidade de calda pretendida. A seguir, colocar o herbicida e encher com água. Aplicar a calda logo após a sua preparação;

• Em alternativa, pode efetuar-se a calda numa barrica, procedendo da mesma forma (colocar água até meio, a seguir colocar o herbicida e encher com água até à quantidade pretendida) e, logo a seguir, aplicar o produto.

Épocas de aplicação mais aconselhadas:

• Na fase de maior crescimento ativo das plantas: entre fevereiro e abril, no Sul do país e no Vale do Tejo; e durante a primavera, nas regiões do Centro e do Norte;

• Quando a aplicação é feita no outono, esta deve ocorrer depois das primeiras chuvas.

Condições climatéricas para esta operação:

• Para os produtos à base de glifosato, aplicar em dias amenos e ensolarados (com a temperatura entre os 8°C e os 25°C), sem vento ou com vento fraco, e com as plantas não orvalhadas;

• No caso do Garlon, para as silvas, aplicar preferencialmente com tempo fresco, mas sem chuva, com a temperatura até 20°C, para reduzir os riscos de volatilização deste produto fitofármaco.

O manuseio destes produtos obriga a vários cuidados, inclusive após as operações. A embalagem vazia deve ser lavada três vezes, inutilizada e depois entregue no local de compra do produto.

Cuidados a ter na preparação da calda, durante e no final da aplicação:

• Utilizar sempre os EPI e não comer, beber ou fumar durante estas operações. Depois das aplicações, lavar os equipamentos com água corrente e retirar os EPI. A seguir, deve lavar bem as mãos e a cara, com água e sabão;

• Preparar a calda a, pelo menos, 50 metros de distância de fontes ou cursos de água;

• Verificar o equipamento, de forma a evitar fugas de calda – fazer os “apertos” necessários;

• Não aplicar herbicidas a menos de 10 metros dos cursos de água e a menos de 30 metros de lagoas e albufeiras;

• A embalagem vazia deve ser lavada três vezes, inutilizada e depois entregue no local de compra do produto.

Equipamentos aconselhados

Para uma correta aplicação de herbicidas, aqui ficam alguns conselhos que devem ser seguidos relativamente aos equipamentos a utilizar.

Equipamento de aplicação:

• Pulverizador de costas, manual ou de bateria, com capacidade para 12-16 L;

• Barra de pulverização com manete para controlo da saída da calda e bicos de aplicação;

• Bicos de pulverização anti-deriva (reduzem a perda de produto e a contaminação da área e das plantas adjacentes).

Equipamento de proteção individual (EPI) para preparação da calda e para a pulverização:

• Fato de proteção com capuz ou chapéu;

• Luvas de nitrilo;

• Botas impermeáveis;

• Viseira ou óculos, e máscara.

Equipamento de pulverização e EPI necessários nas operações de adubação
Equipamento de pulverização e EPI necessários nas operações de adubação

Nota: Este guia é da autoria de José Rafael, engenheiro florestal da The Navigator Company. As informações aqui contidas não dispensam a leitura atenta dos rótulos das embalagens.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Aves de capoeira lideram crescimento de preços de produtos agrícolas no produtor
Próximo Taking the EU's 'farm to fork' strategy forward

Artigos relacionados

Últimas

EIP-AGRI reflete sobre como o AKIS pode ajudar o setor agrícola

A Parceria Europeia para a Inovação para a Agricultura (EIP-AGRI) publicou um artigo intitulado “Catalisar a inovação em toda a Europa – […]

Comunicados

Projecto melhor eucalipto lança boletim sobre apoios disponíveis para melhorar valor económico das florestas

O Projecto Melhor Eucalipto acabou de lançar um boletim informativo sobre os apoios disponíveis para a melhoria do valor económico das florestas, […]

Últimas

Cotações – Ovinos e Caprinos – Informação Semanal – 11 a 17 Janeiro 2021

Na semana em análise verificou-se uma nova redução da cotação média nacional dos borregos de <12 kg em relação à semana anterior (-17 cêntimos / kg); estabilidade de cotações dos borregos de 22-28 kg e de >28 kg. […]