MAI admite ajuste direto para assegurar meios áreos de combate a incêndios

[Fonte: Expresso]

O ministro da Administração Interna admitiu esta quinta-feira a realização de ajuste diretos para assegurar, em caso de necessidade, os meios aéreos de combate a incêndios rurais, tal como aconteceu em 2018.

“Certamente teremos a capacidade de, como no ano passado aconteceu, e face a qualquer indicação de risco acrescido, disponibilizarmos os mecanismos que permitam com caráter de flexibilidade a adequação do dispositivo. Fizemos num quadro de necessidade oito ajustes diretos que garantiram que tivessem, já no ano passado”, disse aos jornalistas Eduardo Cabrita, quando questionado sobre a falta de meios aéreos no dispositivo atual de combate a incêndios.

O ministro da Administração Interna falava no final da cerimónia militar, que assinalou o Dia da Unidade de Intervenção da Guarda Nacional Republicana.

Os meios de combate a incêndios florestais foram reforçados na quarta-feira, prevendo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para esta última quinzena de maio 38 meios aéreos, mas só 21 estão disponíveis.

O ministro sublinhou que os meios aéreos são “uma parte apenas” da resposta aos incêndios rurais, existindo também o restante dispositivo terrestre composto pelos bombeiros voluntários e profissionais, Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GISP) da GNR e as Forças Armadas enquanto agentes de Proteção Civil.

“Estamos num patamar que envolve a participação de cerca de 7.600 efetivos e temos o maior número de meios aéreos a 16 de maio que alguma vez existiu no nosso sistema”, precisou, referindo-se ao reforço de meios “nível II”, o primeiro aumento adicional do ano, iniciado na quarta-feira e que se prolonga até 31 de maio.

Eduardo Cabrita destacou a existência de “mais meios aéreos” e do “maior dispositivo”, que permitiram, durante os primeiros meses do ano, a consolidação “daquilo que foi um resultado auspicioso” em 2018, nomeadamente “uma redução em cerca de 68% da área ardida relativamente à média dos últimos 10 anos”.

Atualmente estão disponíveis 20 meios aéreos, cujos contratos de aluguer foram feitos em 2018 pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e que se prolongam até este ano, a que se adiciona um helicóptero da Força Aérea que é ativado em caso de necessidade para coordenação aérea, totalizando 21.

Os meios aéreos que ainda não estão aptos a voar para a época de fogos são os três helicópteros ligeiros do Estado e as 35 aeronaves adicionais alugadas este ano, cujos contratos plurianuais (2019-2021) aguardam o visto do Tribunal de Contas.

Este ano, a Força Aérea assume pela primeira vez a gestão e o comando dos meios aéreos de combate a incêndios rurais.

O dispositivo de combate a incêndios conta este ano com 61 meios aéreos, incluindo um helicóptero para Madeira, mais cinco do que em 2018.

Comente este artigo

O artigo MAI admite ajuste direto para assegurar meios áreos de combate a incêndios foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Porto espacial nos Açores terá impacto positivo na agricultura e na pesca
Próximo Manuel Heitor: porto espacial nos Açores é positivo para agricultura e pesca

Artigos relacionados

Últimas

Mais de 61 mil hectares de área ardida até 30 de junho

Os incêndios florestais consumiram 61.624 hectares nos primeiros seis meses do ano e 2017 foi considerado o ano com maior área ardida desde 2007 e o quinto ano com mais ocorrências desde essa data, comparando com os períodos homólogos.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;} […]

Últimas

Incêndios: Política de gestão florestal é “desastre” que prejudica proprietários

[Fonte: Expresso]

A política de gestão da floresta, desde os incêndios de 2017, tem sido “um desastre”, em que “o ónus cai todo em cima dos proprietários”, afirmou hoje o professor catedrático do Instituto Superior Técnico (IST) Clemente Vicente Nunes.
“O país está […]

Últimas

Portugal é o país com mais investimento do Plano Juncker

Portugal é o país que tem mais financiamento aprovado no âmbito do Plano Juncker. Até dezembro do ano passado foram aprovadas 28 operações, com um total de dois mil milhões de euros de financiamento aprovado, o que representa uma mobilização prevista de investimento de 5,5 mil milhões de euros. […]