Luso-americano produz vinho na Califórnia com métodos tradicionais portugueses

Luso-americano produz vinho na Califórnia com métodos tradicionais portugueses

O luso-americano David Teixeira, filho de pais que emigraram da Madeira para os Estados Unidos, criou a marca Lusu Cellars para produzir vinhos californianos feitos com métodos tradicionais portugueses.

“Tento manter a minha produção neo tradicional, no sentido em que pego nas práticas tradicionais portuguesas de fazer vinho, que aprendi com os meus pais e nas temporadas que passei em Portugal, e reaplico-as a variedades historicamente relevantes na Califórnia”, disse à Lusa o produtor.

David Teixeira salientou que “não é suposto ser vinho português, é vinho da Califórnia com um estilo português”, referindo que entre os seus produtos estão um vinho da Madeira da Califórnia e Rosé ao estilo vinho verde.

“Pego em velhas técnicas que se esforçam por ser minimalistas, sem muitas adições”, explicou. “É basicamente apenas o vinho, um pouco de enxofre e tomilho. Tento manter-me fiel às práticas históricas numa adega moderna”.

Depois de um ano 2020 em que foi obrigado a reduzir a produção e a procurar novos canais de venda, David Teixeira está em negociações para exportar os seus vinhos para fora dos Estados Unidos, registando interesse de importadores europeus e da Coreia do Sul.

“Vinhos americanos vendidos na Europa é um mercado difícil”, reconheceu, frisando que este é um objetivo eventual. Neste momento, os vinhos da Lusu Cellars são vendidos na Califórnia, Colorado, Flórida, Nova Iorque e Washington, D.C.

Teixeira cresceu com a família a aprender a fazer vinho como na ilha da Madeira. Depois, viveu um ano em Portugal e refinou o seu conhecimento e apreciação pelas várias técnicas ancestrais.

“Cada vinho é muito bom a estabelecer uma interpretação do local. Tento fazer sobressair o que é mesmo bom naquela região”, descreveu, referindo que a abundância de fruta na Califórnia se faz sentir nas notas dos seus vinhos.

O produtor disse que tem sentido o interesse e apoio da comunidade luso-americana, mas a maior parte das pessoas que visitam a adega e a área não são necessariamente ligadas à comunidade.

Com o encerramento dos restaurantes por causa da pandemia de covid-19, a Lusu Cellars perdeu repentinamente 60% das vendas. “Tentei abrir novas áreas de venda, como supermercados locais, lojas de vinhos e aqueles negócios que ainda estão abertos”, afirmou.

A atividade online, tal como com tantos outros negócios no último ano, também aumentou. A Lusu Cellars tem um clube de vinhos e um dos seus produtos faz parte do cabaz do serviço de subscrição de refeições pré-pedidas Blue Apron.

“As vendas diretas ao consumidor subiram, através do ‘website'”, disse Teixeira. “Estou a fazer entregas diretas e a mudar parte do modelo de negócio”, acrescentou o produtor.

Caracterizando a economia da pandemia como “uma montanha russa”, o lusodescendente disse esperar que 2021 seja melhor: “Planeei a minha produção a assumir que será melhor que no ano passado”.

A Lusu Cellars está sediada em Berkeley, na costa leste da baía de São Francisco, Califórnia.

Comente este artigo
Anterior CAP strategic plans
Próximo Porto de Sines aposta no potencial do agronegócio com o Brasil

Artigos relacionados

Nacional

Ensino Profissional Agrícola

Apesar dos preconceitos os jovens são dotados com as competências técnicas e transversais enquadradas no perfil do aluno para o séc. […]

Últimas

Estudo quer avaliar da Covid-19 impacto no consumo de vinho na Europa

O board da EuAWE – European Association of Wine Economists e a INSEEC – School of Business and Economics, da Universidade de Bordéus, […]

Últimas

Relatório analisa necessidades financeiras nos setores agrícola e agroalimentar em Portugal

A FI-Compass, da União Europeia, plataforma de serviços de consultoria em instrumentos financeiros no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de […]