Luís Silva, diretor executivo da ASCENZA

Luís Silva, diretor executivo da ASCENZA

SAPEC AGRO agora é ASCENZA!

A Sapec Agro Business é um player internacional que atua sobretudo nos mercados da Proteção e Nutrição de Culturas. Fruto do reajustamento em relação ao seu posicionamento, neste momento, o Grupo está a viver algumas alterações, desde logo, com o lançamento da marca “ASCENZA” que passará a identificar o Grupo.

Serão sete as empresas na área da proteção das culturas sob a insígnia “ASCENZA”: ASCENZA Portugal; ASCENZA Espanha; ASCENZA França; ASCENZA Itália; ASCENZA Brasil; ASCENZA Macau e ASCENZA Moçambique.
Na área da proteção das culturas a ASCENZA expressa a nova visão do Grupo, global e diferenciada na área dos fitofarmacêuticos aportando constante inovação a um mercado cada vez mais vasto e em constante mutação, de acordo com as declarações do diretor executivo da empresa, Luís Silva. A ASCENZA coloca a tónica no futuro e na sustentabilidade e, dentro da sua dimensão e do seu core business, está especialmente vocacionada a trabalhar o segmento dos genéricos e/ou genéricos diferenciados (criado a partir de moléculas não patenteadas), fruto do seu know how nas áreas técnica, regulamentar e fabril.
O Grupo aposta forte em soluções dirigidas a todo o ciclo das plantas, tendo ultimamente reforçado os investimentos na área dos biopesticidas e dos bioestimulantes.

Preocupação em acompanhar a tendência dos mercados e assegurar complementaridade dos negócios
Existe, por parte do Grupo, a preocupação em acompanhar a tendência dos mercados mas também que haja complementaridade dos seus negócios. Isto significa que tem sido feito um investimento em formas de controlo complementares (bioestimulantes, biocontrolo,…) aos produtos fitofarmacêuticos de síntese química. Assim, na área “bio” o Grupo tem realizado importantes aquisições, como a OGT (empresa irlandesa coletora e transformadora da Ascophyllum nodosum, uma alga dotada de características muito específicas para a agricultura, e não só), a IDAI Nature (empresa espanhola especializada em biocontrolo), a SDP (empresa francesa especializada também em coadjuvantes numa ótica de otimização das formulações) e mais recentemente a Microquímica (empresa brasileira focada no desenvolvimento e produção de microrganismos inoculantes).
“Isto prova que a visão do Grupo é cada vez mais seguir a tendência dos mercados e procurar várias abordagens no que respeita ao controlo de doenças, pragas e infestantes”, sustenta o responsável da ASCENZA em Portugal.
A nutrição das culturas, que em Portugal tem como rosto a NutriSapec/Tradecorp Portugal, continuará sob o “chapéu” da ASCENZA, mas também passará a ter uma nova designação: TRADECORP, de forma a homogeneizar a designação do Grupo no que diz respeito à nutrição, para todo o mundo.
Nesta área, a nível mundial a TRADECORP INTERNATIONAL opera nos cinco continentes e está presente em mais de 60 países.
Esta é uma área de negócio particularmente cara a Luís Silva que a acompanhou desde a sua fundação em Portugal. “Uma área de negócio que cresceu, sempre sustentada num conjunto de serviços com uma grande proximidade ao produtor, o que lhe permitiu credibilizar-se. Hoje a empresa tem um portefólio alargado e adaptado às culturas, mas mesmo assim, como fabricantes, formuladores e sintetizadores é nossa preocupação apresentar mais e novas soluções, mas sobretudo que sejam adaptadas e tenham sentido para o mercado em que operamos”.
A comunicação das mudanças começou a ser transmitida gradualmente até porque no caso concreto de Portugal a marca SAPEC estava muito enraizada, fruto de décadas de presença assídua no terreno. No passado dia 13 de fevereiro deu-se o lançamento oficial da marca ASCENZA cujo posicionamento é estar o mais próximo possível do produtor, em conjunto com os parceiros de negócio, os distribuidores, que têm um papel fundamental porque é neles que assenta o modelo de negócio. A empresa coloca como fator diferenciador a relação com o distribuidor e com o agricultor, procurando o equilíbrio entre os produtos e serviços que oferece e o rendimento obtido pelos agricultores.
Em termos de nutrição a mudança de Nutrisapec/Tradecorp Portugal para TRADECORP ocorreu no passado dia 1 de março.
Pesando a nutrição e a proteção das culturas dentro do Grupo, o ano fiscal 2017/2018 totalizou um volume de negócios global de 248 Milhões de Euros (145 Milhões de Euros na área de proteção de culturas e 103 Milhões de Euros na área da Nutrição de Culturas).

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 224 (março 2019)

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo .

Anterior Empresas florestais defendem que sejam os contribuintes a pagar a limpeza de terrenos privados
Próximo Abriu-se o caminho para o Alho da Graciosa atingir outros mercados

Artigos relacionados

Nacional

Projeto em Cabo Verde quer utilizar águas residuais tratadas na agricultura

Um projeto piloto da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) vai permitir a utilização de águas residuais, […]

Últimas

Nova fábrica de queijos de última geração na Espanha

A Ornua abriu recentemente uma nova unidade de produção de queijos de última geração, um investimento de 30 milhões de euros, […]

Últimas

Apoios à monitorização de pragas florestais variam entre 70 e 150 euros

Os apoios financeiros para monitorização de pragas florestais no âmbito do Programa Nacional de Monitorização variam entre 70 e 100 euros por parcela e os 150 euros por armadilha, […]