Lisboa mais verde até 2021 com aposta na água reciclada e em mais árvores

Lisboa mais verde até 2021 com aposta na água reciclada e em mais árvores

O programa da iniciativa Lisboa Capital Verde Europeia 2020 foi apresentado esta sexta-feira, no Lisbon Secret Spot, com o vereador do Ambiente, Estrutura Verde, Clima e Energia a mostrar-se otimista quanto aos avanços já feitos e os que estão para vir.

“A evolução é absolutamente esmagadora”, disse Ricardo Sá Fernandes, ao explicar que um dos principais compromissos da autarquia é a união do município através de espaços verdes até 2021. “Em 2021 vamos ter mais 347 hectares do que tínhamos em 2008. Conseguimos unir a cidade por verde. E estamos perto disso.”

Entre os objetivos já a serem trabalhados desde 2017 conta-se a plantação de 100 mil árvores por toda a capital portuguesa e, em breve, capital verde da Europa.

Na apresentação do programa, que arranca oficialmente a 10 de janeiro, Sá Fernandes indicou que um dos principais problemas de Lisboa é o ruído e que a Câmara quer reduzi-lo, a par das emissões de dióxido de carbono. Para isso, a autarquia quer apostar na mobilidade sustentável e promete melhorar a rede de transportes públicos e a rede de bicicletas partilhadas.

“Queremos ter uma mobilidade mais sustentável. Sete em cada dez viagens em transportes públicos até 2030, é este o objetivo. E claro, aquilo que se começou há uns anos e em que ninguém acreditava, que é a rede de bicicletas partilhadas por toda a cidade.”

Para além disto, a Câmara Municipal de Lisboa pretende continuar a reduzir os níveis de consumo de água. Como explicou Fernando Medina, presidente da autarquia, a ideia é aproveitar a evolução tecnológica para criar uma rede de água reciclada.

“Há uma questão central que se joga aqui na cidade, que tem a ver com os consumos fundamentais e com a inovação, que nós podemos promover, relativamente à criação de um novo sistema de água, que é água reciclada que pode ser utilizada para reduzir o consumo global de água.”

O investimento previsto para Lisboa Capital Verde Europeia é de 60 milhões de euros, de acordo com o orçamento camarário aprovado pela Assembleia Municipal na semana passada.

Sob o lema “Escolhe Evoluir”, a Câmara de Lisboa quer envolver nestes esforços todas as empresas, escolas e universidades, convidando-as a comprometerem-se com a proteção do ambiente. O grande desafio, indicaram os autarcas, é chegar àqueles que continuam indiferentes às alterações climáticas.

Na próxima sexta-feira, 6 de dezembro, a autarquia vai inaugurar um site e, a partir de janeiro, a Praça do Município contará com uma loja aberta aos cidadãos com informação diária sobre a agenda do Lisboa Capital Verde Europeia 2020, bem como uma zona de exposições.

“Nós queremos informar, queremos que haja grande participação, queremos valorizar, queremos debater e obviamente com isto tudo envolver todos e todas”, sublinhou Sá Fernandes.

“Não vamos usar o galardão para um passeio de vaidades, nós vamos usar o galardão para puxarmos por esta agenda”, acrescentou Fernando Medina.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior AlgaEnergy faz balanço positivo do Congresso Mundial de Bioestimulantes
Próximo Primeira versão do Green Deal de Von der Leyen alvo de críticas

Artigos relacionados

Últimas

MAI abre inquérito ao fogo de Oliveira de Frades onde morreu um bombeiro

O ministro da Administração Interna determinou hoje a abertura de um inquérito ao incêndio que deflagrou no concelho de Oliveira de Frades, no distrito de Viseu, onde morreu um bombeiro no […]

Últimas

Empresa em Portalegre inova na produção de inseticidas biodegradáveis

[Fonte: Tribuna Alentejo] Será instalado em Portalegre um centro de investigação, desenvolvimento e produção de inseticidas biodegradáveis e não tóxicos para outras espécies ou ambiente; […]

Últimas

Declaração de Existências de Ovinos e Caprinos (DEOC) – Período obrigatório de janeiro 2021

Os criadores de ovinos e caprinos estão obrigados a declarar em janeiro os animais que detêm, sob pena de receberem uma coima de, no mínimo, 100 euros, lembrou a Direção-Geral de Alimentação […]