Libertar o potencial da Alimentação Animal para uma Cadeia Alimentar mais eficiente, segura e responsável – Jaime Piçarra

Libertar o potencial da Alimentação Animal para uma Cadeia Alimentar mais eficiente, segura e responsável – Jaime Piçarra

Apesar de todo o fluxo de informação e conhecimento que temos à nossa disposição, é inegável que vivemos numa era de mitos e inverdades, uma era de desinformação alimentar. No entanto, quando em Portugal temos cerca de 30% dos jovens com obesidade e a diabetes e as doenças cardiovasculares são das principais causas de morte, é urgente refletir e atuar.

Existe a perceção de que o sal, o açúcar e a gordura são os grandes “culpados”, e os Governos tentam mitigar o problema pela via fiscal, com imposição de taxas aos produtos (como recentemente se confirmou com a proposta de Orçamento de Estado para 2018) e/ou recorrendo a estratégias de maior pedagogia, pela promoção de uma alimentação e estilos de vida mais saudáveis.

No mês passado comemorou-se o Dia Mundial da Alimentação e ficou a certeza, mais do que nunca, que necessitamos de uma educação alimentar que promova a saúde e a diversidade, com base na ciência, sem fundamentalismos, reconhecendo, ao mesmo tempo, o enorme esfoço que as empresas agroalimentares têm vindo a fazer para dar resposta às preocupações e necessidades dos consumidores e das autoridades. Num outro patamar, temos as questões relativas à resistência antimicrobiana, de segurança dos alimentos, ou as relativas ao ambiente, alterações climáticas, e ao bem-estar animal.

Por outro lado, temos já assumida uma cultura de gestão mais eficiente dos recursos (terra, ar, água), de sustentabilidade, e estão aí bem presentes os Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para o horizonte 2030 ou o Acordo de Paris.

Porque o futuro começa já hoje!

No entanto, nas suas contradições e incoerências, vivemos numa Sociedade que não aceita o risco alimentar, apesar da incerteza, instabilidade e imprevisibilidade na economia e no nosso quotidiano.

Seja como for, estamos num tempo em que a Alimentação é notícia, um tema da maior importância e que assume grande visibilidade junto da opinião pública, o que representa, para além da responsabilidade, um enorme desafio e oportunidade para o setor da alimentação animal.

Ao nível da qualidade e na produção de alimentos mais saudáveis, quer para os animais, quer para as produções de leite, carne e ovos, indispensáveis a dietas mais equilibradas e diversificadas, dirigidas aos diferentes tipos de consumidores; ao nível da competitividade e eficiência das explorações pecuárias, quer pelo recurso a uma alimentação de precisão, quer potenciadora de melhores condições de maneio, que promovam a saúde e bem-estar animal, a valorização dos recursos naturais e dos coprodutos, pela economia circular, tornando a pecuária e toda a Fileira, ecologicamente mais eficiente.

Temos aqui um outro papel e uma nova dinâmica da alimentação animal que vai muito para além do tradicional efeito dos índices de conversão, que permitiram ao longo das últimas décadas, “democratizar” a alimentação, tornando-a mais inclusiva e ao alcance de todos. Com um efeito direto na saúde e bem-estar dos animais e no meio ambiente e, indirecto, na qualidade das dietas alimentares para a alimentação humana.

Infelizmente, a situação na União Europeia tende a fragilizar-se em dossiers da maior relevância para a nossa Indústria e para a Fileira Agroalimentar, como a biotecnologia e os OGM, o glifosato, alimentos medicamentosos, zinco, cobre, resíduos de pesticidas…todos aqueles em que, pese embora as evidências científicas e os pareceres das Agências que foram criadas para ajudarem nos processos de decisão (caso da EFSA), não raras vezes são ultrapassados por razões políticas, pela emoção ou pelo ruído, por alguma ausência de racionalidade.

Para que esta nova função da Alimentação Animal seja plenamente realizada é necessário comunicar, preparar a Indústria para esses desafios e libertar todo o seu potencial, numa atitude que a todos respeita e que passa pela definição e implementação de políticas públicas, holísticas e coerentes, seja na revisão da PAC pós-2020, ou da Diretiva RED, com impacto nos biocombustíveis e na disponibilidade de proteína, ambientais, de alimentação, no plano interno da União Europeia e na componente nacional (Horizonte 2020 ou PDR 2020), seja nos mercados externos, no quadro dos múltiplos acordos comerciais que estão a ser negociados por Bruxelas.

Sem esquecer a componente de investigação, experimentação, inovação e desenvolvimento, essencial para que continuemos a ser competitivos, sem o qual nunca seremos, verdadeiramente, sustentáveis. De resto, o PEI e a excelente Conferência sobre Inovação na Agricultura realizada em Portugal na semana passada, a AIS 2017, irão certamente alavancar

Nesta perspectiva, recentrar e reinventar a alimentação animal deve ser o grande desafio coletivo para os próximos anos.

Um compromisso e uma cumplicidade, que todos juntos, Sectores, Alimentação Animal e Humana, Universidades e Administração Pública, temos de abraçar.

Este é um efeito mobilizador que apenas depende de nós!

Comente este artigo
Anterior La mantequilla, la gran apuesta del sector industrial español, agudiza su depreciación y cae un 20% en dos meses
Próximo Sabor dulce al inicio de la campaña citrícola aunque se reclama una mayor concentración de la oferta

Artigos relacionados

Últimas

Os efeitos da seca extrema no olival Português – Rita Braz Frade

O ano de 2016 foi seco. O ano de 2017 está a ser muito seco. No final do mês de Setembro cerca de 81% do território estava em seca severa e 7,4% em seca extrema, nomeadamente o baixo Alentejo, actual epicentro da olivicultura portuguesa.
Às baixas produtividades registadas em 2016, […]

Últimas

Em 2017 os resultados económicos da Agricultura portuguesa melhoraram significativamente em relação a 2016 – Francisco Avillez 

No passado dia 13 de Dezembro foi publicado pelo INE (consultar aqui) a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura (CEA) de 2017, da qual constam também alterações nos dados referentes aos anos de 2016 (substituição das estimativas por resultados provisórios) e de 2015 (substituição dos resultados provisórios por definitivos). […]

Últimas

Alho – Cânfora dos pobres – Bruno Estêvão

As origens do alho remontam a cerca de 6.000 anos. Há imprecisão e controvérsia na definição da sua origem, que pode ter sido a Europa mediterrânea ou o continente asiático. A maioria dos estudos indica a Ásia como local de origem do alho. Julga-se que tenha surgido no deserto da Sibéria, […]