Laboratório de Química da ACOS alarga capacidade com novas valências

Laboratório de Química da ACOS alarga capacidade com novas valências

Através da aquisição de novo equipamento, o Laboratório de Química da ACOS aumentou a oferta de análises possíveis ao azeite. As novas análises efetuadas no Laboratório da ACOS permitem avaliar a qualidade e a pureza do azeite de acordo com o regulamento comunitário que define as características das várias categorias de azeite (virgem extra, virgem, refinado, lampante). “Deste modo, no Laboratório da ACOS é possível determinar as características do azeite que vai sendo produzido e fazer análises que sejam obrigatórias para diferentes finalidades, como sejam concursos ou exportações. Neste momento estamos na fase de desenvolvimento de novos métodos, mas já conseguimos fazer em Beja a totalidade das análises que são obrigatórias nas exportações para o Brasil”, explica Helena Monteiro, responsável do Laboratório.

O Laboratório recebe amostras de qualquer entidade ligada ao sector da olivicultura, sendo que os seus principais clientes são olivicultores e lagares quer de cooperativas quer privados. O número de lagares que trabalha com o laboratório da ACOS tem vindo a aumentar ano após ano, tendo em conta que este serviço não se limita aos sócios. Assumindo-se como um serviço de proximidade, “permite atualmente aos vários intervenientes no sector da olivicultura, a disponibilização de um laboratório acreditado, onde fácil e rapidamente podem obter resultados analíticos de azeitona, azeite e bagaço de azeitona possibilitando assim tomadas de decisão mais fundamentadas”, sublinha Helena Monteiro. E prossegue que o Laboratório está aberto ao público das oito da manhã até às 20 horas para emissão dos resultados num curto espaço de tempo, como é necessário em campanha.

A ACOS está ainda a preparar, em articulação com o Instituto Politécnico de Beja, a criação de um painel de provadores de azeite para análise organolética. Esta é uma análise obrigatória na classificação do azeite e que contribui para a determinação da categoria como será comercializado. Sobre este propósito, Helena Monteiro explica que “a constituição de um painel de provadores de azeite é uma intenção da ACOS que tem vindo a tomar forma e a implicar investimento, principalmente em formação. O objetivo é constituir um painel de provadores que será posteriormente reconhecido pelo Conselho Oleícola Internacional”.

Comente este artigo
Anterior PME francesa procura fornecedores de leite em pó para bezerros
Próximo Madeira e Açores rejeitam cortes nas políticas europeias e mudanças no acesso aos fundos

Artigos relacionados

Últimas

Mais de 600 fogos registados na última semana

Na última semana a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou mais de 600 incêndios. Os distritos de Viana do Castelo, […]

Últimas

Açores. Ajuda do POSEI à produção de meloa cresce 22% em 2020

O apoio do POSEI Açores — Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultra-periféricas — à […]

Nacional

Enertech 2019 – IV Feira das Tecnologias para a Energia – 11 a 13 de outubro – Sabugal

A 4.ª edição da Enertech – Feira das Tecnologias para a Energia decorrerá no Pavilhão Multiusos ExpoSabugal, nos dias 11, 12 e 13 outubro, […]