Kiwis de Portugal são mais apreciados do que os kiwis importados

Kiwis de Portugal são mais apreciados do que os kiwis importados

Um estudo sobre as qualidades sensoriais do kiwi português da variedade Hayward conclui que esta e outras variedades nacionais são mais apreciadas do que kiwis importados.

Esta investigação foi levada a cabo durante o ano passado pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto para a Associação Portuguesa de Kiwicultores (APK) e teve como objectivo a avaliação da qualidade sensorial do kiwi de produção nacional e comparação com o kiwi importado, pretendendo-se identificar um conjunto de marcadores sensoriais e químicos que permitissem destacar o kiwi português como um kiwi de qualidade superior, face ao kiwi produzido noutros países.

O estudo teve uma duração de 10 meses, tendo sido realizadas três amostragens: Dezembro de 2017, Fevereiro/Março de 2018 e Junho de 2018, permitindo uma percepção da qualidade dos frutos do ponto de vista dos atributos físico-químicos e sensoriais ao longo do período de comercialização.

Envolveu a avaliação de 28 amostras, 18 de origem nacional nacionais e 10 importadas. A amostragem, selecção, recolha e fornecimento das amostras foi realizada pela APK.

Os ensaios físico-químicos incluíram a determinação da cor, da firmeza, dos compostos voláteis, dos sólidos solúveis totais (°Brix), do pH, da acidez (AcidezT), da humidade, do teor em cálcio (Ca) e em potássio (K).

O estudo do perfil sensorial dos kiwis (aparência, aroma, textura e sabor) foi realizado utilizando 12 provadores treinados.

A avaliação da qualidade sensorial dos kiwis e da preferência/aceitação envolveu 168 provadores não-treinados, 59 profissionais ligados à produção e/ou comercialização de kiwis e 119 consumidores. Em todas as amostragens o kiwi melhor apreciado era de origem nacional.

Na primeira amostragem destacaram-se na avaliação da qualidade três kiwis, dois dos quais nacionais; na segunda amostragem destacaram-se na apreciação hedónica global pelo painel de consumidores quatro kiwis todos de origem nacional e na terceira amostragem destacaram-se também quatro kiwis, três de origem nacional e um importado.

A polpa dos kiwis apresentava a cor verde característica desta variedade em todas as amostras. A firmeza foi a característica que apresentou maior variação entre amostras e maior evolução ao longo dos 10 meses do estudo, apresentando-se, em média, os kiwis avaliados em Dezembro de 2017 mais firmes do que nas amostragens subsequentes.

A análise dos resultados dos kiwis menos apreciados mostrou que a insuficiente doçura e a firmeza são factores importantes de penalização pelos consumidores, neste último caso observando-se quer para os kiwis muito firmes quer para os muito moles.

A percepção de doçura, de acidez e a firmeza constituíram os parâmetros mais importantes de qualidade destes frutos, tendo sido possível correlacionar a sua medida física e ou química, com a avaliação sensorial pelos provadores e com as avaliações dos consumidores.

Os resultados da avaliação físicoquímica e sensorial das características do odor e da cor não indicam que estes atributos tenham tido um impacto significativo na apreciação hedónica dos kiwis pelos consumidores.

Notícias relacionadas

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Município de Pedrógão Grande apresenta Plano de Acção e promove Workshop sobre Vesta Velutina ou Asiática
Próximo M. Arroyo: “lo importante es que en la PAC 2021-2027 exista un programa específico para el sector del vino”

Artigos relacionados

Últimas

Câmara de Braga já destruiu 110 ninhos definitivos de vespa velutina em 2019

O município de Braga tem registado um aumento no número de ninhos de vespa velutina, também conhecida por vespa asiática, […]

Nacional

FATACIL a comemorar o seu 40º aniversário

A FATACIL, Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Indústria de Lagoa a decorrer em Lagoa-Algarve, está a comemorar os seus 40 anos. […]

Sugeridas

“Todas as indústrias do setor agroalimentar desperdiçam energia, principalmente térmica e elétrica”

Hugo Martins, especialista em eficiência energética na AXPOopi
É possível tornar o consumo mais eficiente, implementando algumas medidas simples e, deste modo, […]