Investigadores de Portugal e Espanha inventam novo sistema experimental para estudos de impacto ambiental

Investigadores de Portugal e Espanha inventam novo sistema experimental para estudos de impacto ambiental

Seis investigadores do Centro de Ecologia Funcional (CFE) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), do Instituto de Ciencias Marinas de Andalucía (ICMAN-CSIC, Espanha) e da empresa Aquatic BioTechnology (Espanha) inventaram um novo sistema de experimentação para estudos de avaliação de risco ecológico.

A grande inovação do designado HeMHAS (Heterogeneous Multi-Habitat Assay), já com pedido de patente submetido, passa por proporcionar cenários de exposição não forçada aos contaminantes, nos quais os organismos podem escolher os habitats mais favoráveis, evitando, assim, as condições mais adversas.

Ou seja, é um sistema que avalia como os contaminantes podem afetar a movimentação dos organismos entre um ecossistema e outro, bem como processos de migração.

Enquanto a maioria dos atuais sistemas experimentais «se foca em avaliar o nível de toxicidade dos contaminantes sobre os indivíduos num sistema onde estão obrigados a estar em contacto contínuo com os contaminantes, este novo sistema foca-se em verificar o efeito repulsivo da contaminação num cenário com diferentes níveis de contaminação em simultâneo, em que os organismos podem migrar para os menos contaminados», esclarece Cristiano Araújo, um dos inventores do HeMHAS.

Com aplicação, por exemplo, em estudos que pretendam avaliar os efeitos da contaminação dentro de um ecossistema e a capacidade dos organismos em escolher ambientes menos contaminados, o novo sistema é formado por um conjunto de compartimentos interligados entre si, de modo a permitir simular a distribuição dos contaminantes na forma de gradientes contínuos ou como manchas de contaminação.

O HeMHAS, que contou com financiamento do Ministério de Economia e Competitividade de Espanha, apresenta um modelo com portas entre os compartimentos que no momento de preencher com as soluções teste podem estar fechadas ou abertas, permitindo a mistura dos contaminantes e a formação de zonas de contaminação de tamanho e ordenação variável, isto é, a simulação de diferentes cenários de contaminação e conetividade entre os habitats.

Além da inovação metodológica, «o HeMHAS traz um avanço conceptual aos estudos de avaliação de risco ecológico, pois permite testar, a partir dos diferentes cenários, efeitos sobre evitamento, preferência, recolonização e conetividade de habitats, além dos efeitos dos contaminantes sobre a dinâmica de metapopulações», destaca Cristiano Araújo.

Na prática, conclui o inventor, «procura-se oferecer uma ferramenta que integre os conceitos ecológicos determinantes na seleção de habitats nos estudos de impacto ambiental.»

Além de Cristiano Araújo, a equipa de inventores é constituída por Julián Blasco, David Roque, Rui Ribeiro, Matilde Moreira-Santos e Sergio Barro Peñalver.

Comente este artigo
Anterior Oferta de Emprego - Técnico de Produção Animal ou Zootécnico (M/F) - Évora
Próximo Apresentação de regadio de Óbidos

Artigos relacionados

Nacional

Depois do chá, Açores apostam na produção de café bio

Plantação de café está em expansão no arquipélago e conta para já com quase meia centena de produtores.Mais do que na quantidade, […]

Nacional

Incêndios: Portugal com menos 8.719 hectares de área ardida do que em 2018

Em comunicado, o MAI sublinha que o ano de 2019 apresenta, até ao dia 31 de agosto, o segundo valor mais reduzido em número de incêndios e o segundo valor mais reduzido de área ardida desde 2009. […]

Nacional

Centros de Competência marcam presença na Feira Nacional de Agricultura 2019

A inovação constitui, reconhecidamente, um dos principais desafios da agricultura e da floresta portuguesa para as próximas décadas.
Ciente desta realidade, […]