Investigadores do Porto em projeto para produzir novos ingredientes para aquacultura

Investigadores do Porto em projeto para produzir novos ingredientes para aquacultura

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto integram um projeto europeu que visa, ao longo dos próximos três anos, produzir novos ingredientes, recorrendo a recursos subutilizados, para a aquacultura.

Em comunicado, o centro da Universidade do Porto explica hoje que o projeto, intitulado SIDESTREAM tem como principal missão produzir “compostos de alto valor recorrendo a invertebrados e bactérias marinhas” para a aquacultura.

Ao longo dos próximos três anos, estes compostos serão produzidos em “fluxos de resíduos seguindo princípios circulares”, afirma o CIIMAR.

A aquacultura, que se tem vindo a afirmar como “uma importante alternativa às formas tradicionais de abastecimento de recursos naturais”, é o setor que mais consome ingredientes de origem aquática.

“Várias indústrias deste setor descartam subprodutos, em vez de considerá-los um recurso”, salienta o CIIMAR, acrescentando que o projeto permitirá desenvolver “processos inovadores” para a valorização destes subprodutos, por forma a “contribuir para cenários de desperdício zero”.

Ao responder a questões como “até que ponto de será possível reciclar nutrientes”, “quais os organismos e abordagens mais adequadas” e “estes organismos podem servir como ingredientes para a alimentação animal”, o projeto permitirá “dar o salto tecnológico”.

Paralelamente, o SIDESTREAM contribuirá também “para desenvolver soluções para estas questões” ao estar organizado em oito grupos de trabalho para responder ao objetivo comum de “produzir novos ingredientes para a aquacultura europeia”.

Ao valorizar os recursos até agora considerados “desperdício”, os investigadores vão contribuir para uma “aquacultura sustentável”, sublinha o CIIMAR, realçando também a abordagem de ponta que vai ser usada no projeto.

“A aquacultura desempenha um papel fundamental na produção mundial de alimentos, respondendo de forma crescente à sobre-exploração de grande parte dos recursos de origem aquática”, salienta o CIIMAR.

A nível nacional, o SIDESTREAM é coordenado por Luisa Valente, investigadora do CIIMAR, e Filipe Castro, professor do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP).

O projeto, que é liderado pelo Sintef Ocean (Noruega), envolve nove parceiros europeus: o CIIMAR, em Portugal, o Conselho Superior de Investigações Científicas, em Espanha, o AWI, na Alemanha, o Projecthub360, em Itália, e Nofima, Biokraft e Skretting, na Noruega.

Comente este artigo
Anterior Centros de Competência renovam a sua presença na Feira Nacional de Agricultura 2021
Próximo Cotações - Azeite - 17 a 23 de maio 2021

Artigos relacionados

Nacional

Quintas de Melgaço junta Alvarinho e Chardonnay para produção de novo vinho

O Quintas de Melgaço Alvarinho Chardonnay 2017 é o primeiro exemplar daquele que será um vinho raro para o produtor, já […]

Sugeridas

Arouca quer solução “a nível nacional” para as matilhas de cães abandonados que atacam ovelhas e cabras dos agricultores

A Câmara Municipal de Arouca reconheceu hoje que só “uma resposta concertada a nível nacional” permitirá eliminar as matilhas errantes que […]

Notícias fertilizantes

Estudo: Efluentes pecuários considerados alternativa sustentável aos adubos minerais

Um estudo do Instituto Superior de Agronomia (ISA), da Universidade de Lisboa, no âmbito dos projetos Nutri2cycle (EU-H2020) e CleanSlurry (Portugal – FCT), […]