Interiorizar esta ideia

Interiorizar esta ideia

Desenvolvimento rural, coesão territorial, agricultura, fixação de pessoas. Os dilemas do costume num país onde a desertificação de uma grande parte do território parece ser inevitável e sem solução à vista. Neste ponto não há fórmulas mágicas mas há, não duvidemos, muito a fazer para inverter esta marcha. No sul do país o fator água foi o propulsor para dinamizar milhares de hectares de agricultura moribunda ou inexistente em investimentos que trouxeram um inegável desenvolvimento agrícola à região. A garantia da autossuficiência no azeite, a instalação de pomares modernos, muitas e novas culturas hortofrutícolas, experiências falhadas, aprendizagens renovadas, e um novo olhar sobre o enorme potencial dos agronegócios. Mas também, uma nova geração que se revê numa agricultura moderna, tecnológica, organizada, orientada para o mercado, reconhecida e com notoriedade. Se a explosão ‘Alqueva’ conseguiu fixar populações e trazer desenvolvimento rural é outra questão que terá de ser analisada com seriedade. Mas o mérito de um investimento que tardou, mas foi o responsável por uma verdadeira ‘revolução agrária’, para citar o agricultor Joaquim Pedro Torres, tem de ser reconhecido.

Então e o resto do país, é paisagem? Parecia efetivamente ser, mas os últimos anos trouxeram boas notícias (notícias é obviamente força de expressão porque, na realidade, não se fala muito sobre a agricultura, muito menos no interior centro e norte do pais). Com o impulso de muitas autarquias, que é preciso ressalvar, a tónica foi a certa. Trazer empresas, porque sem empregos não se fixam pessoas, e criar condições de instalação para investimentos importantes, é apenas parte de uma estratégia que parece estar a dar resultados. Mas o interesse de muita gente em voltar às origens e uma nova geração de jovens agricultores que se identifica com tecnologia, sustentabilidade e não tem medo de parcerias e novos mercados está a ser decisivo.

A verdade é que deixamos de ter vergonha de dizer que somos agricultores. Deixamos de ter medo de arriscar no seguro e nas culturas e métodos de sempre. Deixamos de arranjar desculpas para não fazer. Mas é preciso agarrar com força esta oportunidade, eu diria, histórica, para dar a volta aos nossos agronegócios. E, já sabem, #agricultar com orgulho!

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Cotações – Aves e Ovos – Informação Semanal – 31 Dezembro 2018 a 6 Janeiro 2019
Próximo EDIA disponibiliza Carta de Aptidão ao Regadio

Artigos relacionados

Nacional

Afinal, o que querem os partidos dos próximos fundos comunitários?

Da esquerda à direita o próximo quadro comunitário de apoio gera consenso alargado. Os partidos querem um amplo debate sobre as prioridades que o país deve assumir para a utilização das verbas de Bruxelas entre 2021 e 2027 e todos destacam a importância da coesão, […]

Nacional

Serrão Santos pede Europa atenta a desafios sociais e ecológicos

O eurodeputado do PS Ricardo Serrão Santos, eleito pelos Açores, pediu este sábado que nas eleições europeias de maio se procure chegar a uma Europa de “agenda progressista”, […]

Últimas

Produção nacional do sector agroalimentar substitui importações

As exportações no sector agroalimentar cresceram mais do que as importações nos primeiros 7 meses de 2019. Os dados hoje, 10 de Setembro, […]