Incêndios: Seis famílias já têm casa em Monchique

Incêndios: Seis famílias já têm casa em Monchique

Pedro Nuno Santos falava aos deputados numa audição da Comissão de Agricultura e Mar sobre a reconstrução de casas e apoios aos agricultores e produtores florestais afetados pelo incêndio de Monchique, a requerimento do CDS.

“No início foram sinalizadas 52 famílias. Estamos a trabalhar sobre 29 famílias. Destes 29 casos, sete estão contratualizados [contratos de arrendamento]”, adiantou o ministro, considerando que “não é justo dizer-se que nada está feito”.

Para Pedro Nuno Santos, este é um processo que não é fácil.

“É um trabalho que é não fácil. É uma tarefa complicada. O acordo foi assinado em dezembro [2018]. A realidade às vezes é mais complicada do que aquilo que desejamos”, salientou o ministro, anotando que tem havido colaboração com o presidente da Câmara de Monchique.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação recordou que há um caso à espera de apreciação do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), dois que precisam de aditamento, 10 há espera de documentação, cinco que precisam de ajuda adicional na procura do projeto e quatro agregado familiares que não concordam com o programa Porta de Entrada.

De acordo com Pedro Nuno Santos, as preocupações das quatro famílias fazem sentido, garantindo que o Governo vai procurar soluções.

“Temos de arrendar outras casas. Estas pessoas não querem sair das casas onde estão. É uma situação complicada”, sublinhou o ministro, propondo que o orçamento que o Estado estava a usar para o arrendamento noutras casas, seja utilizado para financiar a reabilitação de uma casa de um outro proprietário.

O programa Porta de Entrada tem como objetivo dar respostas a situações de calamidade. As 29 famílias afetadas pelo incêndio de Monchique, agosto, são as primeiras abrangidas pelo processo de reabilitação.

Sobre o programa, Pedro Nuno Santos explicou ainda aos deputados que o principal foco do Porta de Entrada é apoiar as famílias e não as casas.

“O foco do programa é apoiar as famílias, não as casas propriamente ditas. Nós temos de assegurar que as pessoas tenham condições de habitabilidade dignas”, disse Pedro Nuno Santos, precisando que o financiamento feito através do Orçamento do Estado e não é comunitário.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Há dez empresas interessadas nas barragens da EDP
Próximo Eis a maior acumulação de macroalgas do mundo

Artigos relacionados

Dossiers
Nacional

Elvas recebe seminário sobre ‘A falha na transferência da imunidade passiva em vitelos de carne”

A Escola Superior Agrária de Elvas recebe, no próximo dia 6 de junho, o seminário ‘A falha na transferência da imunidade passiva (FTIP) em vitelos de carne’, uma das maiores causas de doença e mortalidade nos vitelos. […]

Últimas

Vinho enfrenta pandemia com provas à distância, cabazes e vendas online

Os produtores de vinhos portugueses estão a adotar soluções criativas e a abraçar a transformação digital para continuar a chegar aos consumidores […]