Incêndios: PSP detém em flagrante suspeito de fogo posto em Évora

Incêndios: PSP detém em flagrante suspeito de fogo posto em Évora

Um homem, de 25 anos, foi detido em flagrante delito pela PSP, na zona de Évora, por crime de incêndio florestal, revelou hoje aquela força policial.

O Comando Distrital de Évora da PSP, em comunicado enviado à agência Lusa, indicou que o suspeito foi detido na quarta-feira, por agentes da Esquadra de Investigação Criminal, quando “ateava fogo a uma zona de mato”, junto à Estrada Nacional 114, que faz a ligação entre Évora e Montemor-o-Novo.

Segundo a polícia, o homem é suspeito de ser o autor de mais dois incêndios que deflagraram no mesmo dia, em zona de mato, no Alto de São Bento, em Évora.

Ao suspeito foram apreendidos vários objetos relacionados com o ilícito, nomeadamente diversos tipos de acendalhas, isqueiro e maços de lenços de papel utilizados para proceder à ignição de incêndio.

No comunicado, a PSP adiantou que, relativamente aos fogos alegadamente ateados pelo homem, os bombeiros extinguiram as chamas, tendo os incêndios queimado cerca de um hectare de árvores e pasto.

O suspeito vai ser presente hoje a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação.

Comente este artigo
Anterior Projeto de investigação sobre regimes de certificação agrícola para a agricultura sustentável
Próximo Cotações – Produtos Hortícolas – 14 a 20 de junho 2021

Artigos relacionados

Eventos

Webinar: Desafios à Tomada de Decisão em Viticultura face às Alterações Climáticas – 10 de dezembro

Desafios à tomada de decisão em vitivinicultura face às alterações climáticas – perspetiva do setor na busca de soluções […]

Sugeridas

Ataques de cães a ovelhas preocupam população de aldeia de Penacova

Uma matilha de cães já terá matado mais de uma dezena de ovelhas, em Gavinhos, no concelho de Penacova, segundo […]

Nacional

Florestas: só mudança de ministério ou também mudança de política? – Américo Carvalho Mendes

O que é preciso que responsáveis políticos e cidadãos em geral compreendam é que organizar associativamente os produtores florestais numa floresta com a estrutura fundiária que temos é um passo insubstituível para se combater incêndios e outros problemas de que este sector enferma. […]