Incêndios: PSD quer que Governo explique falhas apontadas por relatório durante fogos de 2019

Incêndios: PSD quer que Governo explique falhas apontadas por relatório durante fogos de 2019

O PSD pediu hoje explicações ao Governo sobre o combate aos fogos de Mação e Vila de Rei no ano passado, apontando que o relatório do Observatório Técnico Independente conclui que o argumento do executivo “era mentira”.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, o deputado social-democrata Duarte Marques afirmou que este relatório, divulgado na segunda-feira, “vem confirmar tudo aquilo” para que o PSD tinha “chamado a atenção”, no qual se inserem “as tristes declarações do ministro da Administração Interna, que passou para os autarcas a responsabilidade por aquilo que aconteceu”.

O deputado lembrou que, “na altura, o PSD denunciou que parte dos meios aéreos pesados estavam fechados num hangar no norte do país quando deviam estar a atuar”, que “o Governo não tinha feito a sua parte na coordenação dos meios, e o Governo na altura acusou os municípios de não terem feito o seu trabalho, em particular o de Mação, na prevenção e no apoio aos bombeiros”.

Agora, o Observatório Técnico Independente refere que “os meios aéreos pesados que deviam ter estado no ataque inicial não estavam no terreno”, critica a “coordenação operacional do fogo” e “elogia a forma como o concelho de Mação, em particular, preparou o terreno para ajudar nos fogos, e a forma como as aldeias e as comunidades souberam defender-se”, destacou o social-democrata, apontando que estas conclusões vão ao encontro do que o PSD tinha dito na altura.

“No fundo, o que este relatório vem dizer que tudo o que o senhor ministro estava errado, era injusto e, sobretudo, era incorreto”, assinalou Duarte Marques, apontando que “tudo o que o Governo disse era mentira” e era “de muito baixo nível para quem são os responsáveis políticos do país”.

“Mais uma vez Eduardo Cabrita agiu mal, tentou dissipar a poeira sobre o seu mandato, culpando os outros, e mais uma vez, mais tarde, de forma independente, de forma técnica e construtiva, há um observatório que não lhe vem dar razão, que vem sim contrariar aquilo que foi a propaganda do Governo”, criticou.

Duarte Marques acusou igualmente o Governo “não fazer o seu trabalho” e ainda “tentar, de forma cobarde, culpar os outros por aquilo que é a sua responsabilidade”.

Por isso, o PSD manifestou a sua “solidariedade para com os autarcas de Mação e de Vila de Rei, vem pedir explicações ao Governo sobre esta matéria” e espera que “o Governo peça desculpa às populações por, depois de 2017, ter voltado a falhar na proteção das pessoas e no combate aos incêndios, sobretudo quando é sua responsabilidade que os meios estejam conforme o planeado no terreno”.

Notando que “o Governo vem à Assembleia na próxima semana apresentar o Plano de Gestão de Fogos Rurais”, o social-democrata espera que essa seja uma oportunidade para o executivo “se justificar, pedir desculpa ou comentar este relatório”.

“Até lá, vamos esperar por uma reação, quer do ministro, quer do primeiro-ministro porque, mais uma vez, há um relatório independente da Assembleia da República que desmente o Governo, que responsabiliza diretamente o ministro da Administração Interna e até iliba as autarquias, que até acabam por ser elogiadas”.

O relatório de avaliação do incêndio de Fundada, que ocorreu em julho de 2019 em Vila de Rei (Castelo Branco) e Mação (Santarém), considera que, na fase mais crítica de combate, foi “francamente notada” a falta de meios aéreos.

O relatório do Observatório Técnico Independente, hoje divulgado, incidiu naquele que foi o maior de todos os incêndios ocorridos em 2019, com uma área ardida estimada em 9.249 hectares (cerca de 22% da área total ardida o ano passado, que foi perto de 42.000 hectares), e também o que se destacou pela relevância dos impactos nos povoamentos florestais atingidos e na agricultura.

No combate ao incêndio, os técnicos concluem que “a mobilização de meios aéreos acabou por não corresponder à fase de maior necessidade”, estimando-se que “nas primeiras 16 horas do incêndio a área afetada foi cerca de 65% do total da área ardida deste incêndio, que durou três dias a ficar dominado e cinco dias até ser extinto”.

“Na fase mais crítica a falta de disponibilidade destes meios foi francamente notada”, sublinha.

O Observatório reconhece que no concelho de Mação existe, desde 1990, “um esforço que se pode considerar como exemplar a nível nacional, no sentido de uma prevenção geral do território”.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Extinto fogo que deflagrou na Calheta há três dias
Próximo Associação das vítimas de Pedrógão critica programa do Governo para o interior: “Atrai-se as pessoas e depois elas vivem de quê?”

Artigos relacionados

Notícias meteorologia

Previsão do tempo para a semana 11 – 17 Outubro

“Previsão do tempo para a semana – Tempo seco, algum vento e descida da temperatura.” […]

Sugeridas

Declaração de Situação de Alerta face ao risco de incêndio florestal

Face às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para um significativo agravamento do risco de incêndio florestal, o Ministro da Administração Interna e o Ministro da Agricultura […]

Nacional

João Ponte anuncia novo concurso do VITIS este ano no valor de quatro milhões de euros

O secretário regional da Agricultura e Florestas anunciou esta quarta-feira, na cidade da Horta, que vai ser aberto, ainda este ano, […]