Incêndios. Portugal é o país que mais arde na zona do Mediterrâneo

Portugal é o país que mais arde na zona do Mediterrâneo, tendo na última década quase o dobro dos incêndios e a maior área ardida entre seis países desta região, revela um relatório da WWF esta quarta-feira apresentado.

O relatório “O Mediterrâneo arde”, lançado em Portugal pela ANP/WWF (Associação Natureza Portugal/Fundo Mundial para a Natureza), analisa a situação dos incêndios florestais em Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Turquia.

“Portugal é de longe o país mediterrânico que mais sofreu com incêndios florestais: nos últimos 30 anos, enfrentou o maior número de ocorrências de incêndio e teve mais hectares queimados. (…) As florestas portuguesas ardem anualmente uma média de 3%”, precisa o documento.

O relatório da WWF indica que em Portugal ardem, em média todos os anos, quase 140.000 hectares, em mais de 22.000 incêndios, significando o dobro do número de fogos dos outros países do Mediterrâneo, bem como a maior área ardida.

Depois de Portugal, os países com mais incêndios são a Espanha (12.174) e a Grécia (9222), com uma área ardida de 94.400 e 50.202 hectares, respetivamente, de acordo com os números da WWF.

Os países menos afetados pelas chamas e com menos área ardida são a França e a Turquia.

“Em 2017 e em Portugal, 540.000 hectares foram destruídos pelas chamas, 250% a mais do que área média ardida por ano. Em Espanha cerca de 180.000 hectares arderam, 70% a mais do que o habitual anualmente. Além disso, 119 pessoas perderam a vida em Portugal e quatro em Espanha”, refere o documento.

A WWF refere que, em junho de 2017, e pela primeira vez na Europa, “Portugal sofreu um novo tipo de incêndio, desconhecido até hoje pela comunidade científica”, mas que esteve claramente ligado às mudanças globais e que se tornou “incontrolável e letal”.

Este tipo de fogo repetiu-se novamente, no mesmo ano, em Portugal e em Espanha, e no ano seguinte na Grécia.

Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia e Turquia totalizam mais de 80% da área total queimada no continente europeu anualmente.

Em média, 375.000 hectares de floresta são queimados anualmente na região do Mediterrâneo, num total de 56 mil incêndios florestais, “com danos ambientais e económicos significativos e com sérios riscos para a vida humana”, salienta aquela organização ambientalista.

O relatório aponta que, apesar da tendência geral de queda no número de incêndios e na área queimada desde os anos 80 do século passado, há “uma tendência perigosa a ganhar peso”, que são os grandes incêndios florestais, que em Portugal são considerados aqueles que queimam áreas superiores a 100 hectares.

Segundo a WWF, na última década, este tipo de incêndios foi responsável por 68% do total de área ardida, apesar de apenas representarem 0,66% do número total de incidentes.

“Além disso, uma nova geração de incêndios apareceu na Europa Mediterrânea: superincêndios, que são muito rápidos, letais e impossíveis de extinguir apesar dos avançados dos dispositivos de combate”, frisa o mesmo documento.

Atualmente, refere o relatório, os incêndios representam perdas de cerca de três mil euros de euros por ano em todo a Europa, estimando a WWF para 2070-2100 um cenário “de crescentes emissões de gases de efeito estufa” e que o impacto económico dos incêndios em Portugal, Grécia, Espanha, França e Itália possa chegar aos cinco mil milhões de euros por ano.

A WWF refere que realizou, pela primeira vez, um relatório sobre os incêndios na região do Mediterrâneo, tendo em conta a “partilha de problemas comuns e o agravamento previsto da situação devido às alterações climáticas”.

No relatório, a organização alerta para o facto de estes seis países do Mediterrâneo enfrentarem a mesma emergência e pede aos governos para que unam esforços na criação de uma estratégia comum para a prevenção de incêndios com medidas a longo prazo e um sistema de acompanhamento e monitorização da implementação de políticas e fundos comunitários.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Seca: Ministro diz que não foi necessário decretar “medidas de contingência”
Próximo As 10 páginas da austeridade que Costa ainda não virou. E as 42 promessas cumpridas

Artigos relacionados

Nacional

Bruxelas pede explicações sobre caso das golas antifumo que tiveram apoio comunitário

A Comissão Europeia pediu esclarecimentos ao Governo português relativamente ao caso das golas antifumo, porque estas foram financiadas por fundos europeus e há […]

Nacional

Valorizar a floresta da região como sumidouro de carbono debatido em Boticas

Iniciou no dia 17 de setembro, em Boticas, no âmbito do
projeto TROCO 2, cujos parceiros da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega
são a Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega (ADRAT), […]

Últimas

Gestão agrícola, biodiversidade e serviços de ecossistemas – 22 de novembro – Évora

Gestão agrícola, biodiversidade e serviços de ecossistemas – 22 de novembro – Évora […]