Incêndios: Mais de 400 bombeiros e 14 meios aéreos combatem fogo na Pampilhosa da Serra

Incêndios: Mais de 400 bombeiros e 14 meios aéreos combatem fogo na Pampilhosa da Serra

Pelo menos 420 bombeiros, apoiados por 123 veículos e 14 meios aéreos continuam a combater, às 18:00, um incêndio que deflagrou ao início da tarde de hoje em Janeiro de Baixo, Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.

De acordo com a informação disponível na página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o incêndio que começou depois das 13:00, está a ser combatido por mais de 400 bombeiros, que estão a ser apoiados por 123 viaturas e 14 meios aéreos.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra, José Brito, disse que o combate ao fogo “está ainda muito complicado”, uma vez que o vento “está a levantar-se com grande intensidade”.

O incêndio deflagrou numa área “densamente povoada de pinheiro”, prosseguiu o autarca, acrescentando que “é mais uma perda enorme para o concelho”, mas “não há povoações em perigo”.

O Comando Territorial da GNR de Coimbra explicou que o troço da estrada municipal 546 entre Janeiro de Baixo e Janeiro de Cima está cortado devido ao fogo.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, em declarações à agência Lusa, às 14:35, disse não haver habitações em perigo e explicou que estão a ser mobilizados mais meios para o local.

A ANEPC emitiu na sexta-feira um aviso à população para o perigo de incêndio rural nos próximos dias, devido às elevadas temperaturas previstas e à baixa humidade.

Em comunicado divulgado na sexta-feira à tarde, a ANEPC refere que, “de acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se um agravamento das condições meteorológicas favoráveis ao incremento do risco de incêndio, devido ao tempo quente e seco”.

A ANEPC destaca que a humidade relativa do ar será inferior a 30% no interior e no Algarve durante a tarde e em geral com fraca recuperação noturna.

Quanto à temperatura máxima, estão previstos valores acima de 30°C na generalidade do território, “podendo rondar os 40°C no interior no domingo e segunda-feira, com possibilidade de ocorrerem noites tropicais no interior e no Algarve a partir de domingo”.

Face a estas previsões, é proibido fazer queimadas extensivas sem autorização, fazer queima de amontoados, utilizar fogareiros ou grelhadores em todo o espaço rural, salvo se usados fora de zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito, fumar ou fazer lume nos espaços florestais, lançar balões de mecha acesa e foguetes, usar motorroçadoras (exceto se possuírem fio de nylon), corta-matos e destroçadores nos dias de risco máximo e obrigatório usar dispositivos de retenção de faíscas e de tapa-chamas nos tubos de escape e chaminés das máquinas de combustão interna e externa nos veículos de transporte pesados e um ou dois extintores de 6 Kg, consoante o peso máximo seja inferior ou superior a 10 toneladas.

AFE (SSS) // MAG

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Comente este artigo
Anterior "As vacas não deixaram de existir e a poluição baixou"
Próximo Açores limpam 200 Km de caminhos rurais e reforçam abastecimento de água à agricultura na Ilha do Pico

Artigos relacionados

Sugeridas

Previsão semanal

Previsão semanal 20-27 de Outubro.
A semana que vem vai começar com tempo frio para a época e instabilidade.

A presença de uma perturbação deverá manter o tempo bem outonal, […]

Nacional

Jungheinrich com novas soluções para a segurança dos armazéns

A Jungheinrich lançou o zoneCONTROL e o addedVIEW, dois sistemas de assistência com vista a aumentar a segurança no armazém e a tornar mais eficiente a operação dos processos de armazenamento. […]

Últimas

Fraca carne – Henrique Pereira dos Santos

[Fonte: Observador] Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental. […]