Cada região terá um programa próprio de combate aos incêndios porque “a floresta e a vegetação não são iguais”

Cada região terá um programa próprio de combate aos incêndios porque “a floresta e a vegetação não são iguais”

Um dia depois de ter sido apresentado no parlamento, a AGIF faz hoje, em Santarém, um balanço da consulta pública do Plano Nacional de Gestão Integrada dos Fogos Rurais (PNGIFR) que durou dois meses e terminou em 05 de fevereiro.

Este plano, que tem como objetivo principal a redução para metade da área ardida até 2030, vai permitir que cada região tenha o seu próprio plano de ação, uma vez que a floresta e a vegetação não são iguais, disse à agência Lusa Tiago Oliveira.

O mesmo responsável traçou como “objetivo estratégico” a necessidade de existir uma floresta “mais valorizada do ponto de vista social”, passando o proprietário a receber dinheiro para a gerir e, com isto, ser capaz de “cuidar da floresta e investir”, tendo em conta que 95% da área é privada.

“Neste plano a novidade é colocar o problema, destacá-lo e ir à procura das soluções para resolver os problemas em corresponsabilidade com os detentores da terra e as entidades locais”, disse.

Com um horizonte temporal de uma década, o Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais prevê que em 2030 tenham sido limpos 1,2 milhões de hectares de floresta, correspondentes a “20% dos seis milhões de hectares que existem no território com risco de incêndio”.

As metas a atingir preveem ainda que dentro de 10 anos as áreas ardidas com mais de 500 hectares estejam totalmente geridas e com planos de recuperação executados, e que existam menos de 80% das ignições nos dias de risco de incêndio.

O plano prevê uma despesa total superior a seis mil milhões de euros, com um investimento expectável de 60% a ser direcionado para a prevenção e 40% para o combate.

Tiago Oliveira explicou ainda que, durante a discussão pública, foram realizadas mais de 75 sessões pelo país, nas quais participaram cerca de duas mil pessoas, e a AGIF recebeu, até agora, aproximadamente de 115 contributos.

No âmbito da consulta pública foram várias entidades que apontaram críticas ao Plano, nomeadamente a Liga dos Bombeiros Portugueses, o Observatório Técnico Independente sobre incêndios criado pelo parlamento e associação ambientalista Quercus.

Uma das críticas passou por não estar definido o papel dos bombeiros e de outros agentes de Proteção Civil, como os sapadores florestais.

Tiago Oliveira sublinhou que o Plano “não destaca o papel de nenhum ator em particular”, mas assegurou que o papel do bombeiro está previsto, sendo até reforçado na esfera do planeamento e no envolvimento com as populações na sensibilização.

O mesmo responsável disse que a AGIF vai agora integrar os contributos recebidos durante a consulta pública e fazer os ajustes que considera necessários para que depois o Governo aprove o plano até ao final de março deste ano.

Depois do PNGIFR ser aprovado em Conselho de Ministros, a AGIF vai ainda elaborar os programas de ação nacional e regionais, que devem estar concluídos no terceiro trimestre deste ano.

Segundo Tiago Oliveira, o PNGIFR que esteve em consulta pública “é um documento estratégico”.

O seminário de encerramento do processo de discussão pública do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais vai contar com a presença do primeiro-ministro, António Costa, e com os ministros da Administração Interna e do Ambiente e Ação Climática, Eduardo Cabrita e João Matos Fernandes respetivamente.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Cortiça: Exportações acima dos mil milhões de euros
Próximo Mecanização pode ser um fator de competitividade agrícola?

Artigos relacionados

Internacional

Vinho de talha promovido em Londres num evento em honra da rainha de Inglaterra

O vinho de talha, feito através de uma técnica ancestral descendente dos romanos e com mais de 2.000 anos, vai ser promovido num evento internacional em honra da rainha de Inglaterra […]

Nacional

Floricultores reclamam linha de 30 milhões de euros prometida pelo Governo

Os produtores nacionais de flores e plantas reclamam urgência na criação da linha de crédito que tinha sido anunciada pela ministra da Agricultura, para o setor. A pandemia afetou fortemente os […]

Últimas

A seca pode vir a ser a “próxima pandemia”, alerta a ONU

Relatório das Nações Unidas lança o aviso: a seca e a escassez de água estão na iminência de afectar o globo de forma sistémica. Entre 1998 e 2017, pelo menos 1,5 mil milhões de pessoas […]