Incêndios: BE quer audição urgente do presidente do ICNF sobre planos de defesa da floresta

Incêndios: BE quer audição urgente do presidente do ICNF sobre planos de defesa da floresta

O BE requereu hoje a audição urgente do presidente do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas para que explique as dificuldades do instituto e esclareça a situação dos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI).

O Tribunal de Contas considerou hoje que os PMDFCI contêm “fragilidades estruturais” sobre o modelo de desenvolvimento económico, dimensão do investimento e delimitação da atuação dos vários níveis de administração pública.

Num requerimento a que a agência Lusa teve acesso, o BE, através dos deputados Ricardo Vicente e Maria Manuel Rola, “considera necessário apurar e compreender as dificuldades do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e esclarecer os membros desta Comissão sobre a situação atual dos PMDFCI”.

Assim, os bloquistas requerem a audição com caráter de urgência do presidente do ICNF.

“No seguimento do trabalho realizado pela Comissão Técnica Independente e do Observatório Técnico Independente desde 2017, é importante identificar dificuldades e acompanhar a concretização das medidas de política florestal tomadas até ao momento. A resposta às dificuldades detetadas a nível municipal necessitam de medidas integradoras de âmbito regional e nacional, onde o “Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais” desempenha um papel essencial”, defende.

No requerimento a que a agência Lusa teve acesso é referido pelo BE que nas conclusões do Tribunal de Contas fica explicito que os PMDFCI e os respetivos Planos Operacionais Municipais “serviram essencialmente para ?suprir uma obrigação legal’ em vez de ser garantia para ?preparar e implementar uma estratégia municipal de defesa da floresta contra incêndios'”.

“Todos os PMDFCI só entram em vigor após emissão de parecer vinculativo do ICNF, entidade com responsabilidade de monitorização anual sobre o mesmo. Em declarações à imprensa, o Presidente do ICNF afirmou, a 04 de Dezembro de 2019 [hoje], que o relatório do Tribunal de contas se debruça sobre uma realidade que já não tem correspondência com a atualidade, pois reporta-se ao período entre 2015 e 2017”, contrapõe o mesmo texto.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24 .

Anterior Incêndios: GNR revela que oito distritos ficam com vagas de guardas florestais por ocupar
Próximo Incêndios: PSD pede audição urgente do presidente da ANMP sobre auditoria do Tribunal de Contas

Artigos relacionados

Últimas

Chamas consomem zona florestal em Loures

Um incêndio deflagrou esta quinta-feira num povoamento florestal em Fanhões, Loures.
De acordo com fonte oficial do CDOS de Lisboa, as chamas lavram numa zona de “difícies acessos”, […]

Nacional

Lucro da Bayer caiu 40,1%para 1.645 milhões de euros

O grupo químico e farmacêutico alemão Bayer viu cair em 40,1% o lucro líquido atribuído no primeiro semestre do ano, para 1.645 milhões de euros, […]

Nacional

Palestra sobre HLB na Universidade do Algarve

Realiza-se na próxima segunda-feira, dia 13 de maio, mais um seminário de Hortofruticultura, incluído no Mestrado com o mesmo nome, da Universidade do Algarve. […]