Incêndio no Pinhal de Leiria fica sem culpados

As silvas estão lá de novo, viçosas, a trepar o muro inacabado, de tijolo nu, que separa o quintal de Xana do início do Pinhal. A sua casa da Burinhosa, no concelho de Alcobaça, é a última de uma viela estreita. Basta sair da porta metálica azul-turquesa, virar à esquerda e logo os pés pisam areia e o corpo se embrenha na mata nacional. Ali foi sinalizado o ponto zero de um dos incêndios florestais (foram dois) que a 15 de outubro de 2017 reduziram a nada 9476 dos 11 mil hectares do Pinhal de Leiria. E a moradora, de 68 anos, foi acusada da autoria da “queimada dos silvados” que esteve na origem da tragédia. “Então eu lá ia pôr em perigo a minha casa? E às seis e tal da manhã? Estava a dormir, foram os vizinhos que me acordaram. O fogo entrou-me no terreno, olhe ali os pinheiros chamuscados, podia ter ido tudo. O que lhe conto a si disse-lhes a eles, mas mesmo assim fizeram-me arguida”, explica com desconsolo.

Eles, o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Leiria, constroem uma narrativa diferente do que aconteceu há quase dois anos. Na acusação, dá-se como certo que Xana “lançou fogo ao mato e silvas existentes num terreno baldio junto à sua residência” e que “sabia que a sua conduta era proibida pela lei penal”. Alimentadas pelo furacão “Ophelia”, as chamas mantiveram-se vivas cinco dias e percorreram mais de 50 quilómetros para norte, dali à Figueira da Foz.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso – iOS e Android – para descarregar as edições para leitura offline)

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior El mercado del vacuno sigue dependiendo de las exportaciones
Próximo Medidas para prevenção de contaminações por Salmonella

Artigos relacionados

Últimas

41ª Reunião de Outono da SPPF, “Sistemas silvo-pastoris na charneca do Tejo e Sado” – 26 de novembro – Alcácer do Sal

A 41ª Reunião de Outono da SPPF com o tema “Sistemas silvo-pastoris na charneca do Tejo e Sado” vai realizar-se no próximo dia 26 novembro de 2019, […]

Últimas

OE2020: Antecipação de fundos para financiamento da Política Agrícola Comum deve ser regularizada até 2021, mas há limites para os valores executados em 2020

A antecipação de fundos estruturais e de investimento para o encerramento do quadro comunitário de apoio, execução do Portugal 2020 e financiamento da Política Agrícola Comum deve ser regularizada até 2021, […]

Nacional

Barragens alentejanas voltam a recuperar níveis de armazenamento em Janeiro. Lucefecit já superou os 50% de armazenamento

No final do mês de janeiro, as bacias hidrográficas do Alentejo registaram um aumento no volume armazenado, segundo dados do SNIRH- Sistema […]