ICNF abre inquérito por causa da marcação de árvores para abate na serra da Lousã

ICNF abre inquérito por causa da marcação de árvores para abate na serra da Lousã

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) anunciou hoje que o Conselho Diretivo decidiu abrir um inquérito para apurar as responsabilidades na marcação de centenas de árvores para abate na serra da Lousã.

A decisão surge na sequência do alerta, na quarta-feira, da associação ambientalista MilVoz para a marcação de “largas centenas de árvores” para abate na serra da Lousã por parte de funcionários do ICNF.

Num esclarecimento enviado hoje à agência Lusa, o ICNF afirmou que a marcação das árvores para abate é “indevida e extemporânea”, tendo por isso determinado a abertura de um inquérito.

O instituto explicou que o local onde ocorreu a marcação de árvores para abate “foi originalmente identificado para integrar a faixa de interrupção de combustíveis da rede primária”, mas que, face à identificação “das características ecológicas do local e dos valores em presença”, o próprio instituto propôs em janeiro de 2020 à Câmara Municipal da Lousã, no distrito de Coimbra, a alteração do traçado previsto, por forma “a proteger estes valores, designadamente os conjuntos arbóreos existentes”.

A proposta de alteração do traçado foi aprovada em maio na Comissão Municipal da Defesa da Floresta da Lousã, “estando nesta fase em conclusão o referido processo de alteração de traçado”, esclareceu o ICNF.

“Importa ainda esclarecer que a instalação e manutenção das redes de defesa da floresta contra incêndios são antecedidas de uma avaliação dos valores em presença, tendo em vista a sua preservação. Dessa avaliação decorrem os necessários ajustes aos traçados definidos, assegurando a necessidade de proteger esses valores sem colocar em causa a eficácia destas redes, uma vez que estas são também uma garantia da proteção dos valores ecológicos”, acrescentou o instituto.

De acordo com a MilVoz, a marcação de árvores autóctones para abate estava a decorrer no topo da serra da Lousã, da Catraia até ao Trevim, num local que é “uma das imagens de marca” da serra.

Segundo o presidente da associação, Manuel Malva, a envolvente florestal marcada para abate tem “um alto valor ecológico e alberga uma grande diversidade biológica”.

Entre as espécies marcadas, havia carvalhos-alvarinhos, carvalhos-negrais, castanheiros, bétulas, freixos ou pinheiros silvestres, entre outras, referiu.

Comente este artigo
Anterior Estremoz: O mundo rural e agrícola alentejano em exposição
Próximo A vinha não é teletrabalho, e até houve mais mãos. "É melhor aqui do que numa fábrica fechada"

Artigos relacionados

Comunicados

A Idai Nature lança em exclusivo “Orocide”, um inovador inseticida natural

Idai Nature e Oroagri chegaram a acordo para comercializar este pioneiro produto em exclusividade em Portugal; Trata-se dum produto […]

Últimas

“O Mundo do Vinho” regressa com exposições, provas e literatura em Coimbra

A 4ª edição da iniciativa “O Mundo do Vinho” vai decorrer em Coimbra, entre 03 e 16 de outubro, com exposições, provas de vinho, ‘show cooking’, lançamento de um livro […]

Eventos

Webinar: Eficiência Energética no setor Agroalimentar – Investigação, Impactos e Soluções – 18 de março

O Conselho Regional de Colégio de Engenharia Agronómica da Região Sul vai promover em 2021 um ciclo de […]