A Hidro Ibérica aposta forte no Amendoal

A Hidro Ibérica aposta forte no Amendoal

O desenvolvimento de novos sistemas de cultivo e a nova geração de agricultores trouxe uma lufada de ar fresco às culturas mais antigas, pelo recurso às mais modernas tecnologias ou pela introdução de novas variedades, diversificando e modernizando a oferta de produtos nacional.

A preocupação com a saúde introduziu novos hábitos alimentares baseados, naturalmente, em produtos hortofrutícolas. Tudo isso se traduziu no aumento da procura de produtos agrícolas, por parte de um público mais informado e exigente, levando ao aparecimento de mais e melhores empresários agrícolas.

A amêndoa tem vindo a posicionar-se como o superalimento da actualidade: alimento nutritivo, inúmeros benefícios para a saúde, prevenção de doenças cardíacas, alternativa ao leite de vaca e como parte integrante das dietas recomendadas por nutricionistas.

A procura superou em larga escala a oferta, tornando a cultura de amendoal numa das maiores oportunidades de investimento da atualidade.

A rentabilidade da exploração do amendoal, considerando o preço do miolo da amêndoa a 3,50€/Kg, é cinco vezes superior à rentabilidade de outras culturas frutícolas. Considerando este valor, o tempo de recuperação do investimento é de cerca de seis anos, mas se considerarmos o preço de comercialização a 8€/Kg, o payback ocorre em apenas quatro.

O êxito das técnicas inovadoras de amendoal, intensivo ou superintensivo, está na sua simplicidade e no facto de ter sido concebido para ser totalmente mecanizado, desde a plantação à poda, tratamento e colheita. Para além de não ser necessária uma grande área, a agilidade deste sistema permite que, em média, esteja uma pessoa para cada 100 ha de amendoal.

Nesta nova cultura, intensiva ou superintensiva, procura-se obter o maior número de amêndoas por árvore provocando o crescimento de gomos ou gemas, através da poda, simples e sistemática, realizada pelos nossos parceiros viveiristas na Agromillora, ideal para este novo modelo de cultura, porque permite a mecanização total, desde o momento de plantação, com o objetivo de criar rapidamente uma sebe que seja eficiente e que permita uma redução de custos. As variedades que têm maior tendência para ramificar como a Soleta e a Penta, são as que melhor se adaptam. A Avijor, a Belona e a Mardía, com os cortes adequados, também se adaptam bem. A Guara precisa de mais poda, no entanto já se comprovou que tem produções muito elevadas e que a tendência para brotos se pode controlar.

Apesar da exploração de amendoal superintensiva mais antiga ter apenas 10 anos, a sustentabilidade deste sistema é comprovável através da experiência adquirida em olival intensivo e superintensivo, o que nos permite prever o sucesso do amendoal cultivado neste sistema. No olival superintensivo foram precisos entre dez a quinze anos para adquirir conhecimento sobre o desenvolvimento deste tipo de cultivo, no caso do amendoal a evolução do conhecimento tem sido mais rápida. Assim, mesmo sendo um modelo recente, já são muito claros os parâmetros que têm de ser tidos em conta de forma a obter uma cultura de amendoal sustentável, do ponto de vista agronómico e económico: Material vegetal adequado, formação adequada e mecanização da poda e colheita para minimizar o custo de produção do quilo de amêndoa.

A eficiência deste sistema é observável a partir de três pontos de vista distintos. Eficiência da transformação da amêndoa: é o sistema que menos recursos utiliza para produzir a amêndoa e a quantidade de amêndoas produzidas por unidade de volume total de árvores é a mais elevada de todos os sistemas. Eficiência dos tratamentos: tratar um muro/sebe de 2,70m de altura por 0,80m de largura é muito mais simples, para além de que permite um maior controlo e eficácia dos fitofármacos, com os benefícios ambientais e sanitários que isso implica. Eficiência no aproveitamento da mão de obra: apenas um trabalhador pode realizar inúmeros trabalhos.

A experiência da Hidro Ibérica em olival e amendoal intensivo e superintensivo é uma mais-valia visto que no Amendoal as técnicas de cultivo e regadio são as mesmas, o que significa que oferecemos ao cliente que deseja investir neste tipo de cultura toda a experiência e conhecimento que adquirimos nas últimas décadas. Apesar do investimento inicial ser significativo, o retorno é relevante e garantido, pela contínua popularidade da amêndoa e, para os nossos clientes que já cultivavam olivais, acaba por ser um investimento menor por se utilizarem as mesmas máquinas de plantação, poda e colheita.

Trata-se de uma alternativa válida, ou mesmo complementar, a outras culturas frutícolas que estão a viver momentos de maior dificuldade comercial.

Tal como já foi referido, a procura mundial de frutos secos é tendencialmente crescente e as modernas soluções técnicas actualmente disponíveis tornam esta cultura muito apetecível:

– Redução de custos de produção graças à redução da necessidade de mão-de-obra

– O sistema intensivo e superintensivo pressupõem um elevado grau de mecanização da poda e colheita.

O número de plantas (compasso) por hectare depende de inúmeros factores, entre eles, a vontade do empresário agrícola optar por um sistema intensivo ou superintensivo, a disponibilidade de água, a exposição solar, etc., razão pela qual a Hidro Ibérica concebeu o serviço Chave na Mão e, mais recentemente, o de Aconselhamento Técnico, justamente para podermos dar apoio antes mesmo da instalação da cultura e continuar após a mesma, com o objetivo de proporcionar ao cliente toda a informação e material de que necessita para ajudá-lo a planear uma exploração de amendoal, por exemplo. Sempre numa ótica de proximidade entre o cliente e a Hidro Ibérica, criando mais do que parcerias de negócio, parcerias para a vida.

 

Comente este artigo
Anterior Apoios aos agricultores afetados pelos incêndios entregues esta semana
Próximo Queijo da Ilha chega à McDonald’s

Artigos relacionados

Nacional

Festival Nacional de Gastronomia – 11 dias de boa mesa em Santarém

[Fonte: O Ribatejo]

O 37.º Festival Nacional de Gastronomia abre as portas esta quinta-feira, 19, e prolongar-se-á até dia 29, na Casa do Campino em Santarém. Em entrevista a O Ribatejo, Luís Farinha, o vereador do turismo com a responsabilidade da organização do Festival, […]

Eventos

Ciência & Vinho – do terroir para o copo – 7 de Setembro 2017 – Porto

O Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, I.P. (IVDP) anuncia a realização da Conferência Ciência & Vinho, em parceria com a Universidade do Porto.
– “Ciência & Vinho – do terroir para o copo”
– Data: 7 de setembro, 8h30 – 18h30 seguida de Porto de Honra até às 19h30
– […]

Sugeridas

179 milhões de euros para promover produtos agroalimentares em 2018

[Fonte: Voz do Campo]
Os produtores europeus disporão de um orçamento de 179 milhões de euros em 2018 para assegurar a promoção dos produtos agrícolas no exterior e no interior da União europeia e continuar à procura de novos mercados. O orçamento adotado ontem pela Comissão Europeia cofinanciará campanhas de promoção visando principalmente países terceiros com forte potencial de crescimento, […]