Hemisfério Sul com mais volume de citrinos na campanha de 2021

Hemisfério Sul com mais volume de citrinos na campanha de 2021

A previsão preliminar da Organização Mundial dos Citrinos (WCO) para a campanha de 2021 do Hemisfério Sul é de um total de 22,7 milhões de toneladas de citrinos, o que representa um aumento de 3,18% em volume face à colheita de 2020. Em comparação com o ano passado, a WCO assinala um incremento na produção nas várias categorias, em diferentes graus: 1,93% na laranja, 2,37% no limão/lima, 6,44% na toranja e 10,57% na mandarina/clementina (soft citrus).

«Na sequência da pandemia de covid-19, verificou-se uma tendência positiva de procura de frutas e legumes por parte dos consumidores, em particular de citrinos, amplamente reconhecidos pelo seu valor nutricional elevado, nomeadamente em termos de conteúdo em vitamina C. A disponibilidade de um grande volume é uma boa notícia, porque permitirá satisfazer o aumento da procura», afirma Philippe Binard, secretário geral da WCO. A propósito das exportações, Eric Imbert, do Secretariado Técnico da WCO, sublinha que «as exportações de citrinos do Hemisfério Sul continuam a crescer, em particular para o limão/lima e para a mandarina/clementina», e que «o Hemisfério Sul representa actualmente 27% do mercado global de citrinos».

De acordo com as previsões – que reúne dados fornecidos pelas entidades sectoriais da África do Sul, da Argentina, da Austrália, da Bolívia, do Brasil, do Chile, do Peru e do Uruguai e que foram apresentadas a 12 de Maio, durante a primeira Reunião Anual da WCO, na sequência da criação oficial da entidade em 2020 –, espera-se uma subida de 12,72% nas exportações de citrinos do Hemisfério Sul, para 3,8 milhões de toneladas. O acréscimo nas exportações deve ocorrer em todas as categorias: mais de 20% nos soft citrus (para um milhão de toneladas), 11,55% na laranja, 9,56% na toranja e 7.20% no limão/lima.

Na vertente do processamento, estima-se que 13,4 milhões de toneladas de citrinos sejam destinados ao mercado de sumos, o que significa um ligeiro aumento de 1,26% relativamente ao ano anterior. A WCO realça que os dados do Brasil incluídos nesta previsão são ainda preliminares, esperando-se que sejam actualizados nas próximas semanas.

Na Reunião Anual da WCO foi decidido criar um grupo de trabalho formal de Saúde e Nutrição, o qual vai ter a sua primeira reunião no segundo semestre de 2021. «O grupo de trabalho de Saúde e Nutrição vai permitir uma melhor troca de informação entre os membros sobre as vantagens nutricionais dos citrinos e também vai contribuir para uma melhor compreensão dos benefícios para a saúde dos citrinos», indicou Natália Santos, secretária geral adjunta da WCO.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Museu do Vinho de Alcobaça abre novas áreas após requalificação de 460 mil euros
Próximo Praga de gafanhotos já afeta cinco províncias angolanas e coloca em risco campanha agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Ponto.

À beira do Fluvial, debaixo das árvores densas, a gente anda no passeio e vai-se desviando das pratas. Estamos a escassos metros do rio, […]

Sugeridas

CDS questiona Governo sobre Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa

Numa pergunta enviada ao Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral querem saber se está já em curso alguma atualização ao «Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa e seus vetores» […]

Dossiers

Cotações – Suínos – Informação Semanal – 18 a 24 Fevereiro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais do porco classe E e do porco classe S registaram novamente um acréscimo em relação à […]