Há um ano, um incêndio em Santo Tirso mostrou que o “improviso não é favorável à causa animal”

Há um ano, um incêndio em Santo Tirso mostrou que o “improviso não é favorável à causa animal”

Passou-se um ano desde que um incêndio tornou impossível ignorar o problema do abandono animal. Desde aí, o bem-estar animal mudou de tutela e eles ganharam uma provedora. O que é que ainda falta fazer?

Um ano depois do incêndio florestal que engoliu dois abrigos ilegais na serra da Agrela, “continuam todos os dias” a deflagrar muitos pequenos fogos na protecção e bem-estar dos animais de companhia. “Podem não morrer queimados, mas morrem torturados”, diz Fátima Meinl, presidente da Associação dos Amigos dos Animais de Santo Tirso (ASAAST), que apanhámos a meio de uma denúncia de maus-tratos a um cão. Acorrentado, uma visão comum nas freguesias mais rurais da cidade no distrito do Porto, o cão “tentou saltar o muro e morreu enforcado”. “Ao anterior terá acontecido o mesmo”, diz.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Instituições do Douro assinam declaração pela sustentabilidade da região
Próximo Onde a perdiz é rainha há um mundo de biodiversidade que a caça ajuda a criar

Artigos relacionados

Nacional

Feira da Agricultura mostrou em Santarém setor “moderno e dinâmico”

A administração da Feira Nacional da Agricultura (FNA) salientou o seu “orgulho” pela forma como decorreu o certame e pela “vitalidade” […]

Nacional

Empresa do Douro investiu 3,5ME em adega que estreia nesta vindima

A Lavradores de Feitoria estreia nesta vindima uma adega, construída em Sabrosa, que representa um investimento de 3,5 milhões de euros, melhorou as condições de produção e representa […]

Últimas

Muita chuva no norte e centro!

Muita chuva no norte e centro deverá acabar com a seca nessas regiões em apenas 2 semanas!
Ao longo dos próximos 10-15 dias teremos muita chuva no norte e centro. […]