Há espécies de aves ligadas a habitats agrícolas em declínio, alerta SPEA

Há espécies de aves ligadas a habitats agrícolas em declínio, alerta SPEA

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) alerta para o declínio de algumas espécies associadas aos habitats agrícolas, e diz ser necessário monitorizar eventuais impactos para a biodiversidade.

O alerta faz parte do último relatório do censo das aves comuns em Portugal, um programa de monitorização de aves comuns iniciado pela SPEA em 2004, que tem como objetivo dar a conhecer as tendências populacionais das aves comuns reprodutoras em Portugal.

No relatório, a que a Lusa teve hoje acesso, salienta-se que de entre as espécies associadas aos habitats agrícolas há um declínio de espécies insetívoras como o picanço-real, o abelharuco e a andorinha-das-chaminés, mas também das espécies granívoras, com destaque para pintassilgo, milheirinha e pardal-comum.

“O declínio continuado de algumas espécies dos meios agrícolas, é um alerta para a necessidade de monitorizar eventuais mudanças que estejam a ocorrer no meio agrícola com impacto para a biodiversidade”, salienta a SPEA.

No relatório, a organização não governamental de ambiente diz também que há espécies com populações estáveis (como o cartaxo ou o verdilhão) e que outras apresentam um crescimento moderado, como o estorninho-preto ou o trigueirão.

Quanto às espécies florestais a maior preocupação da SPEA vai para o picanço-barreteiro, que “apresenta um declínio acentuado”, tanto em Portugal como em Espanha (pela degradação do habitat e pela intensificação agrícola), mas também para outras espécies (como a cotovia-dos-bosques ou o chapim-real), com um “declínio moderado”.

De destaque ainda, no relatório, que a rola-brava aparenta estar em declínio moderado ao mesmo tempo que há um aumento acentuado do pombo-torcaz. A carriça e o chapim-carvoeiro também estão a aumentar.

“Com as atuais mudanças de larga escala, que incluem a intensificação agrícola e as mudanças climáticas, é de extrema importância conhecer as tendências populacionais atualizadas das aves comuns e possuir indicadores robustos de alterações ao estado geral do nosso ambiente”, afirma a SPEA.

No documento, a SPEA dá ainda conta da análise a espécies de outros habitats (como as que vivem nas cidades), dizendo que foram consideradas 21 espécies das quais 10 mantém uma tendência estável, sete uma tendência positiva, uma está em declínio e três têm tendência incerta.

No relatório são apresentadas tendências demográficas atualizadas de 64 espécies comuns em Portugal.

A SPEA trabalha na conservação das aves e dos seus habitats em Portugal. Faz parte de uma rede mundial de organizações de ambiente, a BirdLife International, que atua em 120 países.

FP // ZO

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Anterior Feira de logística e frio para alimentos em paralelo com a Fruit Attraction - 20 a 22 de outubro - Madrid
Próximo Cotações - Ovinos e Caprinos - Informação Semanal - 23 a 29 Março 2020

Artigos relacionados

Últimas

SPEA pede à AR que proíba o fabrico, posse e venda de armadilhas para aves

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) entregou na semana passada na Assembleia da República a petição #ArmadilhasNAO.
Em nome dos mais de 4.000 cidadãos que assinaram a petição, […]

Nacional

Rangel meteu os sapatos pretos na “floresta negra” e viu “tudo ao abandono”

Depois do voo de helicóptero, na semana passada, sobre áreas ardidas em 2017, Paulo Rangel voltou hoje à questão da floresta e da prevenção de fogos, […]

Nacional

Curso breve on-line dedicado à Poda de Pessegueiros promovido pela Escola Superior Agrária de Castelo Branco

O Instituto Politécnico de Castelo Branco vai promover um curso breve on-line dedicado à Poda de Pessegueiros, o curso é gratuito e é […]