Grandes reacendimentos no incêndio em Vila de Rei. Situação complicou-se na última hora

Três grandes reacendimentos estão nesta altura a preocupar os bombeiros que combatem os incêndios de Sertã, Vila de Rei e Mação, onde se vive a pior situação.

Casas da Ribeira, Cardigos e Freixoeiro são as piores frentes, num fogo que mantém cortada a estrada nacional 348. “Está a arder o que tinha escapado aos fogos de 2017”, avisam os bombeiros. Para além destes há outros cinco reacendimentos a preocupar o comando da Proteção Civil.

No local permanecem 16 meios aéreos, embora alguns estejam a proceder a reabastecimentos, e cerca de mil bombeiros. Operam ainda seis máquinas de rasto, que abrem aceiros para travar o fogo.

“As mudanças de vento, e o aumento da intensidade, ditaram estes reacendimentos que começaram a surgir perto das 16 horas e que estão a ser difíceis de debelar, sobretudo devido ao imenso calor que se faz sentir”, conta um dos comandantes de um grupo de socorro.

Em Mação, concelho reduzido a uma área de apenas 20% de floresta depois dos fogos de 2017, as chamas estão a consumir o que restou dos incêndios dos anos anteriores e encaminham-se para o concelho de Abrantes, embora estando ainda longe.

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: União Europeia diz estar disponível para ajudar Portugal
Próximo Marcelo em Mação, Vila de Rei e Sertã após o fim dos incêndios

Artigos relacionados

Comunicados

ADP Fertilizantes reúne profissionais da agricultura do Alentejo para debater a Fertirrigação na Olivicultura

A ADP Fertilizantes organizou, na passada semana, uma Reunião Técnica sobre Fertirrigação do Olival Superintensivo, na Herdade da Malhadinha […]

Sugeridas

Porque é que Portugal continua a arder assim? 7 respostas de especialistas

[Fonte: Observador] Floresta muito densa, falta de limpeza, despovoação, temperaturas altas e penas pouco dissuasoras. Porque é que Portugal continua a arder assim? […]

Nacional

Novos blocos de rega de Alqueva custam 235 milhões e já estão em construção

[Fonte: Tribuna Alentejo] Os 13 novos blocos de rega de Alqueva, que vão custar 235 milhões de euros e aumentar em cerca de 50 mil hectares a área regada pela aquela barragem, […]