Grande Investigação: Os novos donos do Alentejo

Grande Investigação: Os novos donos do Alentejo

Seis grandes grupos, dominados por fundos internacionais, controlam a maioria dos olivais do Alqueva. Aí, o preço da terra disparou, os pequenos proprietários quase desapareceram e o olival intensivo mudou definitivamente a paisagem alentejana – com consequências ambientais imprevisíveis.

Cerca de 70% do território agrícola da região de Alqueva mudou de mãos nos últimos dez anos – e o Alentejo passou de celeiro a olival da nação. O antigo terratenente seareiro cedeu lugar a um novo megalatifúndio assente em fundos internacionais, com seis grandes grupos a deter ou a gerir mais de 65% dos olivais da região. São eles os grandes beneficiários do maior investimento público alguma vez realizado na agricultura portuguesa: 2,5 mil milhões de euros. Ao mesmo tempo que escasseia, a terra irrigada por Alqueva está a sofrer uma pressão sem precedentes, com o preço do hectare a crescer seis vezes em 15 anos. Neste período, graças aos novos olivais alentejanos, Portugal passou de importador crónico a quinto maior exportador mundial de azeite. E, segundo a Comissão Europeia, o olival português poderá aumentar 88% até 2030. Mas isso teve consequências sociais e ambientais. Este é o primeiro de três capítulos de uma reportagem realizada ao abrigo de uma bolsa de investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian.

O artigo foi publicado originalmente em Sábado .

Comente este artigo
Anterior Eurodeputado do PSD acusa Governo de “mentira descarada” sobre execução de fundos
Próximo “Estaremos seguramente num caminho de transferência crescente de mais-valias para toda a fileira”

Artigos relacionados

Últimas

Histórias de quem vive com receio da exposição a pesticidas no Alqueva

O Plano Director Municipal de Beja determina uma faixa de protecção sanitária que condiciona a intensificação de uso do solo no espaço circundante a perímetros urbanos, […]

Nacional

Florestas ripárias armazenam quantidades de carbono comparáveis às florestas de produção

Investigadores do Centro de Estudos Florestais, do Instituto Superior de Agronomia, concluíram, num estudo publicado na edição de março da […]

Nacional

Detida suspeita de atear dois fogos em Mortágua

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta terça-feira a detenção de uma mulher, de 47 anos, suspeita de ter ateado um incêndio florestal e outro urbano, […]