GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

No passado dia 11 de junho, uma delegação do PCP, integrando o deputado Paulo Sá eleito pelo Algarve, reuniu com a Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, em Barranco do Velho, tendo tomado conhecimento do atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais da Associação.

No ano 2000, foi constituída uma equipa de sapadores florestais, com cinco elementos, gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão e financiada, parcialmente (cerca de 40%), pelo Fundo Florestal Permanente.

As verbas devidas pelo Fundo Florestal Permanente, de 40 mil euros por ano, têm sido entregues com atraso à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão. Por exemplo, em junho de 2018 a Associação recebeu a última tranche de 2017 e ainda não recebeu qualquer transferência relativa ao corrente ano. Esta circunstância cria, obviamente, problemas de tesouraria à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, devendo ser ultrapassada com a transferência atempada de verbas.

A atividade da equipa de Sapadores florestais é decisiva para a preservação, valorização e defesa da floresta, do espaço rural, da fauna e flora, bem como da atividade dos proprietários e produtores florestais.

Assim, o Grupo Parlamentar do PCP, por intermédio dos deputados Paulo Sá e João Dias, questionou o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, dirigindo-lhe as seguintes perguntas:

  1. Como justifica o Governo o sistemático atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão?
  2. Que medidas serão tomadas pelo Governo para garantir o fim destes atrasos?

→Leia aqui a pergunta do Grupo Parlamentar do PCP ao Governo←

 

Comente este artigo
Anterior MERCADONA já testa produtos de marca própria em Matosinhos
Próximo Fito-Entrevista: Os desafios à produção agrícola por Filipa Viana.

Artigos relacionados

Últimas

INIAV visita Smart Farm e reforça importância das boas práticas agrícolas

Encontro deu o mote para demonstrações sobre o uso seguro e sustentável de produtos fitofarmacêuticos […]

Comunicados

Pagamentos de Fevereiro 2018

No dia 28 de fevereiro de 2018 o IFAP procedeu a pagamentos, num montante total de cerca de57,0 milhões de euros*, […]

Sugeridas

PDR2020 em números: o PDR em 2020

Consulte ainda os mapas de monitorização do Programa […]