GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

No passado dia 11 de junho, uma delegação do PCP, integrando o deputado Paulo Sá eleito pelo Algarve, reuniu com a Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, em Barranco do Velho, tendo tomado conhecimento do atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais da Associação.

No ano 2000, foi constituída uma equipa de sapadores florestais, com cinco elementos, gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão e financiada, parcialmente (cerca de 40%), pelo Fundo Florestal Permanente.

As verbas devidas pelo Fundo Florestal Permanente, de 40 mil euros por ano, têm sido entregues com atraso à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão. Por exemplo, em junho de 2018 a Associação recebeu a última tranche de 2017 e ainda não recebeu qualquer transferência relativa ao corrente ano. Esta circunstância cria, obviamente, problemas de tesouraria à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, devendo ser ultrapassada com a transferência atempada de verbas.

A atividade da equipa de Sapadores florestais é decisiva para a preservação, valorização e defesa da floresta, do espaço rural, da fauna e flora, bem como da atividade dos proprietários e produtores florestais.

Assim, o Grupo Parlamentar do PCP, por intermédio dos deputados Paulo Sá e João Dias, questionou o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, dirigindo-lhe as seguintes perguntas:

  1. Como justifica o Governo o sistemático atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão?
  2. Que medidas serão tomadas pelo Governo para garantir o fim destes atrasos?

→Leia aqui a pergunta do Grupo Parlamentar do PCP ao Governo←

 

Comente este artigo
Anterior MERCADONA já testa produtos de marca própria em Matosinhos
Próximo Fito-Entrevista: Os desafios à produção agrícola por Filipa Viana.

Artigos relacionados

Comunicados

Pedido de ajudas 2017 -Prazo de candidaturas prorrogado para 31 de Maio

No seguimento da decisão da Comissão Europeia, de permitir aos Estados Membros a prorrogação do prazo para aceitação de candidaturas ao Pedido Único 2017, o IFAP, em articulação com as Organizações protocoladas, decidiu prorrogar o prazo de receção, para o Continente e Região Autónoma da Madeira, […]

Sugeridas

BREXIT – exportação/importação vegetais e produtos vegetais – Informação

[Fonte: DGAV]
Enviamos para vosso conhecimento a informação, hoje recebida das autoridades inglesas, referente às condições de exportação de vegetais e produtos vegetais para o Reino Unido, na situação de não existência de acordo. De realçar que os produtos vegetais que atualmente circulam no território da UE sem exigências fitossanitárias particulares (sem exigência de passaporte fitossanitário), […]

Notícias florestas

Governo reforça defesa da floresta com 20 Milhões de euros

Estão já abertas as candidaturas aos apoios disponibilizados pelo Governo para reforçar a defesa da floresta contra danos causados por agentes bióticos (pragas e doenças). No valor de vinte milhões de euros, o concurso apoia investimentos na prevenção e controlo de agentes bióticos nocivos com escala territorial relevante, […]