GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

GP PCP: pergunta ao Governo sobre o atraso na transferência de verbas para os sapadores florestais da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão

No passado dia 11 de junho, uma delegação do PCP, integrando o deputado Paulo Sá eleito pelo Algarve, reuniu com a Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, em Barranco do Velho, tendo tomado conhecimento do atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais da Associação.

No ano 2000, foi constituída uma equipa de sapadores florestais, com cinco elementos, gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão e financiada, parcialmente (cerca de 40%), pelo Fundo Florestal Permanente.

As verbas devidas pelo Fundo Florestal Permanente, de 40 mil euros por ano, têm sido entregues com atraso à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão. Por exemplo, em junho de 2018 a Associação recebeu a última tranche de 2017 e ainda não recebeu qualquer transferência relativa ao corrente ano. Esta circunstância cria, obviamente, problemas de tesouraria à Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, devendo ser ultrapassada com a transferência atempada de verbas.

A atividade da equipa de Sapadores florestais é decisiva para a preservação, valorização e defesa da floresta, do espaço rural, da fauna e flora, bem como da atividade dos proprietários e produtores florestais.

Assim, o Grupo Parlamentar do PCP, por intermédio dos deputados Paulo Sá e João Dias, questionou o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, dirigindo-lhe as seguintes perguntas:

  1. Como justifica o Governo o sistemático atraso na transferência de verbas, por parte do Fundo Florestal Permanente, para a equipa de sapadores florestais gerida pela Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão?
  2. Que medidas serão tomadas pelo Governo para garantir o fim destes atrasos?

→Leia aqui a pergunta do Grupo Parlamentar do PCP ao Governo←

 

Comente este artigo
Anterior MERCADONA já testa produtos de marca própria em Matosinhos
Próximo Fito-Entrevista: Os desafios à produção agrícola por Filipa Viana.

Artigos relacionados

Comunicados

Operação 6.2.2 – Restabelecimento do Potencial Produtivo abre 8º Concurso

[Fonte: PDR2020]
Estão abertas as candidaturas  à Operação 6.2.2 – Restabelecimento do Potencial Produtivo (8º Concurso)
Reconhece como catástrofe natural, nos termos e para os efeitos do disposto na alínea b) do artigo 3.º e última parte da alínea a) do n.º 1 do artigo 6.º da Portaria n.º 199/2015, […]

Últimas

Portugal Fresh leva número recorde de empresas à Fruit Attraction 2017 em Madrid

A Portugal Fresh – Associação para a Promoção de Frutas Legumes e Flores vai levar à Fruit Attracion 2017, em Madrid, a maior delegação de sempre de produtores nacionais. Entre 18 e 20 de Outubro, 38 empresas e associações de produtores vão marcar presença naquela que é uma das principais feiras empresariais da Europa, […]

Comunicados

Dona Uva ganha prémio ‘Cinco Estrelas 2019’

Vila Franca de Xira, 10 de janeiro de 2019 – A Dona Uva, marca de uva de mesa portuguesa, venceu pela primeira vez o Prémio Cinco Estrelas, na categoria Fruta, com uma satisfação global de 77,5%. O sabor e a doçura da Dona Uva foram os preferidos dos mais de 1100 consumidores que participaram nos testes de experimentação e no amplo estudo de mercado que ajudaram a encontrar os produtos de excelência em cada categoria. […]