Governo tem “a pior execução” dos fundos europeus, acusa Assunção Cristas

Governo tem “a pior execução” dos fundos europeus, acusa Assunção Cristas

“A execução dos fundos comunitários devia estar em muito melhores números do que o que está”, disse a líder do CDS, afirmando que “este é o pior quadro”.

A líder do CDS, Assunção Cristas, responsabilizou este domingo o Governo pelo “pior quadro de execução dos fundos comunitários”, nomeadamente quanto ao investimento produtivo.

Assunção Cristas falava em Talhadas, Sever do Vouga, no âmbito “do compromisso que desde sempre o CDS teve com o mundo rural”, mas também da preparação para as eleições europeias. “A execução dos fundos comunitários devia estar, agora, em muito melhores números do que o que está e este é o pior quadro, quando comparamos com os quadros anteriores, do ponto de vista da execução“, disse Assunção Cristas.

Segundo a líder centrista, “no PDR 2020, no número global de apoio ao investimento, a execução é apenas de 30%, o que é muito pouco”, e significa que “o Governo não utiliza os mecanismos que tem e não dá os incentivos que pode dar ao investimento produtivo”. A utilização dos fundos comunitários foi a abordagem escolhida por Assunção Cristas para falar da Europa na serrana povoação de Talhadas, procurando fazer a pedagogia do voto no CDS. “Queremos ser a voz de Portugal na Europa, a voz dos nossos territórios e dos nossos produtos”, disse.

Salientou que o CDS “tem vindo a defender a criação de um estatuto de benefícios fiscais para o interior do país”, nomeadamente uma redução do IRS, a começar com menos de 35% da taxa, até chegar a menos 50%” e mostrou-se solidária com os receios dos produtores florestais quanto à política de prevenção de incêndios.

“Criticamos desde a primeira hora esta medida do Governo que, em vez de incentivar e dar apoios aos pequenos produtores para se agregarem e poderem tirar mais rendimento das suas parcelas, fazendo uma gestão conjunta e profissional, o Governo opta por uma política de ameaça de retirada das terras, quando elas não estão produtivas”, disse.

Assunção Cristas não poupou nos adjetivos, falando mesmo de “uma política quase de terror” que “não vai conseguir ter as coisas de forma diferente, em vez de dar os incentivos certos”. Lembrou que o seu partido “há muito tempo” que vem propondo no Parlamento, sem sucesso, a criação de uma conta de gestão florestal, para apoiar os pequenos proprietários em investimentos produtivos na floresta”.

“Infelizmente, este Governo, não só não adota estas medidas de estímulo e apoio aos pequenos proprietários florestais, como resolve utilizar a técnica da ameaça e do terror que nós rejeitamos em absoluto”, concluiu.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Mais do que reciclar, é preciso produzir menos lixo”, diz ambientalista
Próximo Inventário florestal continua por fazer

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios. Governo promete reforço da vigilância e aposta em drones com maior raio de ação

O ministro do Ambiente adiantou que as ações de vigilância serão reforçadas com sete mil elementos no terreno e “seis equipas com dois […]

Últimas

É no Outono que os cogumelos nascem… como cogumelos

Pouco depois das primeiras chuvas de Outono, os cogumelos invadem o solo das florestas e dos jardins urbanos. Brancos, amarelos, esverdeados, […]

Últimas

Eleição e tomada de posse dos órgãos sociais da Federação Minha Terra

O Salão Nobre da Câmara Municipal de Águeda foi o espaço escolhido para a realização da Assembleia Geral que elegeu os novos órgãos sociais da Federação Minha Terra para o triénio 2020-2022, […]