Governo Regional apoiou com 323 mil euros agricultores afetados pelo Lorenzo

Governo Regional apoiou com 323 mil euros agricultores afetados pelo Lorenzo

Os dados foram avançados pelo secretário regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, que foi ouvido na Assembleia Legislativa Regional pelo grupo de trabalho que avalia os estragos provocados pelo Lorenzo, que passou nos Açores em outubro de 2019.

Segundo João Ponte, o executivo regional recebeu 210 candidaturas ao apoio destinado aos agricultores, sendo 22 provenientes das Flores, 31 da Graciosa, 34 do Faial, 25 do Pico, 31 de São Jorge e 67 da Terceira.

Dessas candidaturas, 171 foram aprovadas e “pagas num montante global de 323 mil euros”, disse.

“As restantes candidaturas que ainda não estão pagas referem-se a danos em infraestruturas físicas. Isso tem a ver com as regras do pagamento, ou seja, primeiro o agricultor tem de fazer as obras e depois apresenta os respetivos justificativos”, acrescentou.

João Ponte destacou também o investimento de 70 mil euros para apoiar a alimentação dos animais (933 toneladas de palha e feno) e o apoio extraordinário de 89 mil euros destinado aos agricultores que tiveram de atrasar a exportação de gado vivo devido à destruição dos portos.

“Eu diria que aquele foi o compromisso do Governo nesta matéria está integralmente cumprido”, afirmou, referindo-se à cobertura dos prejuízos do furacão Lorenzo no setor agrícola, que causou “estragos significativos” nas pastagens e infraestruturas.

O deputado do PSD/Açores, Luís Garcia, questionou o governante sobre o valor já pago aos agricultores, referindo que o partido recebeu um “mapa do Governo com os principais prejuízos” provocados, no qual o montante destinado à agricultura estava avaliado em 929 mil euros.

“A minha pergunta é [sobre] este diferencial entre os 929 e os 323 mil euros. Serão valores a atribuir a candidaturas ou este valor estimado estava muito elevado comparativamente aquilo que se veio a verificar depois?”, questionou.

Em resposta, o secretário da Agricultura e Florestas referiu que as estimativas acerca dos prejuízos foram “feitas numa fase muito inicial”, tendo-se verificado que as “candidaturas apresentadas ficaram aquém das estimativas iniciais”.

O deputado do Bloco de Esquerda António Lima perguntou o motivo pelo qual não se realiza com “maior intensidade” o abate de animais na ilha das Flores, em detrimento da exportação de gado vivo.

Sobre este assunto, João Ponte referiu que é o produtor que “escolhe em cada momento a alternativa que lhe garante maior rendimento”.

O furacão Lorenzo atravessou os Açores na madrugada de 01 para 02 de outubro de 2019, provocando 255 ocorrências, que obrigaram ao realojamento de 53 pessoas.

O executivo açoriano calculou os prejuízos em cerca de 330 milhões de euros, sendo 85% deste valor assumido pelo Governo da República.

Continue a ler este artigo no Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Estudo indica que cabritos devem ser tratados de forma diferente dos vitelos na descorna
Próximo Três anos depois de Pedrógão. Floresta continua sem ordenamento

Artigos relacionados

Nacional

Faixas de interrupção de fogos rurais em construção em todo o País

O Primeiro-Ministro António Costa afirmou que estão a decorrer em todo o País empreitadas para executar o plano nacional de construção de faixas de […]

Internacional

Apreendidas 1.200 toneladas de pesticidas ilegais em operação internacional

Mais de 1.200 toneladas de pesticidas ilegais foram retiradas do mercado durante a operação ‘Silver Axe VI’, liderada pela Europol, no âmbito da qual a Autoridade Tributária recusou a importação […]

Nacional

União Europeia. Um pacto verde cheio de boas intenções

UE quer voltar a liderar a ação climática com um novo Pacto Verde Europeu. Para o diretor para o Capital Natural na Direção-geral do Ambiente da Comissão Europeia, […]