Governo quer cobrar IMI mais elevado em terrenos sem uso

O Governo estabeleceu um novo método de avaliação de terrenos e cálculo do IMI, que deverá entrar em vigor já no próximo ano. Este irá basear-se na aptidão dos solos e no seu uso efetivo. Na prática, fará com que os proprietários que deixarem ao abandono os seus terrenos rústicos vão pagar Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) mais elevado, avança o “Correio da Manhã” esta sexta-feira.

O princípio geral da futura avaliação será este: terras com uso têm um IMI mais baixo, terras sem uso pagam um IMI mais alto, para incentivar a sua utilização, nota o matutino. A avaliação geral da propriedade rústica irá abranger, segundo dados da Autoridade Tributária, cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul de Portugal.

Pelo que o “CM” apurou, o Governo ponderou avançar com a avaliação geral dos terrenos rústicos no Orçamento do Estado para 2019, mas, devido à necessidade de afinar o modelo futuro de avaliação, acabou por deixar a iniciativa para a próxima legislatura.

A intenção do Governo é que o IMI seja utilizado como fator de incentivo ao ordenamento do território e à promoção da agricultura.

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior Pedrógão Grande: Dois anos depois ainda está longe o caminho para uma nova floresta
Próximo IQV Agro Portugal tem nova solução para a traça dos cachos e da piral da vinha

Artigos relacionados

Sugeridas

O PAN e a morte da competência

[Fonte: Observador] O PAN é o partido das falácias naturalistas, sentimentos quimicofóbicos e anti-sistema, faturando votos numa geração de pessoas preocupadas mas que ignoram ou negam a ciência que lhes mostra o caminho

O PAN é o grande vencedor das eleições europeias. […]

Últimas

Costa classifica como “gostoso” apoio da UE para Centeno concluir orçamento do euro

O primeiro-ministro, António Costa, classificou como “agridoce” o Conselho Europeu que termina esta sexta-feira em Bruxelas, pela falta de acordo nalgumas áreas, […]

Últimas

Portugal 2020 injetou, por semana, 50 milhões de euros na economia

A cada semana da atual legislatura (180 semanas), o Portugal 2020 injetou 50 milhões de euros na economia. A contabilização foi feita pelo ministro do Planeamento no encerramento da Mostra Portugal 2020. […]