Governo quer cobrar IMI mais elevado em terrenos sem uso

[Fonte: Expresso]

O Governo estabeleceu um novo método de avaliação de terrenos e cálculo do IMI, que deverá entrar em vigor já no próximo ano. Este irá basear-se na aptidão dos solos e no seu uso efetivo. Na prática, fará com que os proprietários que deixarem ao abandono os seus terrenos rústicos vão pagar Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) mais elevado, avança o “Correio da Manhã” esta sexta-feira.

O princípio geral da futura avaliação será este: terras com uso têm um IMI mais baixo, terras sem uso pagam um IMI mais alto, para incentivar a sua utilização, nota o matutino. A avaliação geral da propriedade rústica irá abranger, segundo dados da Autoridade Tributária, cerca de 11,5 milhões de terrenos de norte a sul de Portugal.

Pelo que o “CM” apurou, o Governo ponderou avançar com a avaliação geral dos terrenos rústicos no Orçamento do Estado para 2019, mas, devido à necessidade de afinar o modelo futuro de avaliação, acabou por deixar a iniciativa para a próxima legislatura.

A intenção do Governo é que o IMI seja utilizado como fator de incentivo ao ordenamento do território e à promoção da agricultura.

Comente este artigo

O artigo Governo quer cobrar IMI mais elevado em terrenos sem uso foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Pedrógão Grande: Dois anos depois ainda está longe o caminho para uma nova floresta
Próximo IQV Agro Portugal tem nova solução para a traça dos cachos e da piral da vinha

Artigos relacionados

Nacional

Portugal é o país com mais zona queimada da zona mediterrânica

[Fonte: O Jornal Económico]

Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia e Turquia totalizam mais de 80% da área total queimada no continente europeu anualmente. A luta contra os incêndios na zona mediterrânea atinge custos de dois mil milhões de euros a cada ano. […]

Últimas

Excedente da balança comercial da floresta diminuiu quase 77 ME em 2016

Lisboa, 20 jul (Lusa) — O excedente da balança comercial dos produtos florestais diminuiu 76,7 milhões de euros em 2016, face a 2015, informou hoje o INE, recordando que a área ardida no ano passado foi superior em 55% à média do período 2012-2016.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_5 span,#wpdevar_comment_5 iframe{width:100% !important;} […]

Últimas

Passos admite mortes causadas por “problemas evidentes de comunicação” em Pedrógão Grande


O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou hoje que “problemas evidentes de comunicação” poderão explicar a morte de dezenas de pessoas durante o incêndio de Pedrógão Grande.
“As pessoas estavam a fugir porque se viram desoladas” e algumas “foram encaminhadas para uma situação que se revelou fatal”, […]