Governo investe mais 60 milhões de euros em regadio para todo o País

Governo investe mais 60 milhões de euros em regadio para todo o País

[Fonte: MAFDR] Está já aberto mais um novo concurso para apresentação de candidaturas ao Programa Nacional de Regadios (PNRegadios). São mais 60 milhões de euros, destinados a financiar projetos situados no Algarve e Sudoeste Alentejano, Litoral Norte e Centro e Interior Norte e Centro, que se juntam aos 93 milhões de euros para financiar projetos situados no Alentejo, cujas candidaturas já estão abertas desde dia 02. Trata-se da segunda fase do PNRegadios, financiada pelo Estado através dos empréstimos negociados com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e com o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB).

O novo concurso vai financiar projetos situados no Algarve e Sudoeste Alentejano, Litoral Norte e Centro e Interior Norte e Centro, conforme delimitação indicada no Programa Nacional de Regadios, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 133/2018, de 20 de setembro. Os projetos devem ser submetidos até ao próximo dia 31 de maio e deverão ser titulados pela Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), pelas Direções Regionais de Agricultura e Pescas (DRAP), ou por outros organismos da Administração Pública, designadamente Câmaras Municipais, em parceria com a DGADR ou com as DRAP.

O nível de apoio a conceder, a fundo perdido, é de até 100% do valor de investimento, sendo limitado a 40% para as instalações de produção de energia hídrica ou fotovoltaica. Serão valorizadas as infraestruturas de armazenamento já construídas e operacionais que tenham, ou garantam, a implementação de um regime de caudais ecológicos. Não há limite ao número de candidaturas apresentadas por cada beneficiário, isoladamente ou em parceria, sendo o valor máximo de cada candidatura 15 milhões de euros. São elegíveis despesas com estudos ligados à elaboração do projeto, expropriações e indemnizações decorrentes da implementação da obra e as obras de execução do projeto.

Todos os detalhes constam do anexo I à Portaria n.º 38/2019, de 29 janeiro, que regula o regime de apoio a conceder aos projetos previstos no PNRegadios e enquadrados nos contratos de financiamento celebrados entre a República Portuguesa, o Banco Europeu de Investimento e o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa.

O PNRegadios, cuja primeira fase está já em execução, visa a mitigação dos efeitos das alterações climáticas sobre a agricultura, dotando o país de mais reservas de água e de melhores e mais eficientes sistemas de aproveitamento. Outro dos objetivos deste Programa é o aumento da produtividade e da competitividade da agricultura nacional, contribuindo para o aumento das exportações e para a substituição de importações por produção nacional. Até 2023 deverá estar concluída primeira parte do PNRegadios, com a criação de 100 mil novos hectares de regadio, a que corresponde um investimento público de 560 milhões de euros e a criação de 10 mil novos postos de trabalho permanentes.

Comente este artigo
Anterior Em Destaque Agronegócio | 1º Trimestre de 2019
Próximo Segunda fase do Programa Nacional de Regadios tem mais 60 milhões para apoios

Artigos relacionados

Dossiers

Cereais – Projeto Convigna

Este projeto visa desenvolver uma metodologia para a produção de milho em consociação com feijão-frade, adaptada a diferentes regiões de Portugal, num contexto de alterações climáticas.

Comunicados

Governo avança com estudo sobre a população de javalis

[Fonte: ANPROMIS]

Foi
divulgado o Despacho do Ministro da Agricultura, Florestas e
Desenvolvimento Rural que determina a elaboração de um estudo sobre a
população de javalis em território nacional.

Segundo
o Despacho, o estudo deverá ser elaborado pelo Instituto de Conservação
da Natureza e Florestas (ICNF) e destina-se a determinar a real
dimensão e impacto de um alegado aumento da população de javalis e dos
eventuais prejuízos daí decorrentes. […]

Últimas

Inverno foi o 4.º mais seco deste século

[Fonte: Rádio Renascença]
O inverno 2018/2019 foi quente em Portugal continental e o 4.º mais seco do século, encontrando-se todo o território em seca meteorológica no final da estação, devido aos baixos valores de precipitação.
De acordo com o resumo do Boletim Climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), […]