Governo dos Açores mantém controlo aos voos com origem em países terceiros para evitar riscos fitossanitários

Governo dos Açores mantém controlo aos voos com origem em países terceiros para evitar riscos fitossanitários

A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através da Direção Regional da Agricultura, mantém o controlo aos voos com origem em países terceiros que chegam aos Açores, de modo a evitar riscos fitossanitários através da introdução indevida de plantas, produtos vegetais ou outros materiais.

Segundo explica nota do Gacs, para dar cumprimento à regulamentação comunitária em vigor para as questões fitossanitárias, referentes à minimização dos riscos inerentes à entrada de mercadorias provenientes de países terceiros através do aeroporto, no último ano os inspetores fitossanitários da Direção Regional da Agricultura estiveram presentes no Aeroporto João Paulo II, em São Miguel, à chegada de 335 voos oriundos de países terceiros.

Verificou-se que o maior número de interceções ocorreu nos voos com origem em Cabo Verde, seguindo-se o Canadá e os Estados Unidos da América.

Os produtos intercetados, por exemplo, no caso dos voos de Cabo Verde, foram, essencialmente, mangas e outros frutos tropicais, para além de sementes variadas (feijão, milho, outras hortícolas e ornamentais), bolbos e outros materiais de propagação vegetativa.

No último semestre de 2018 registou-se, no entanto, uma redução das interceções, resultado dos contactos estabelecidos com técnicos da área da fitossanidade de Cabo Verde, no sentido de sensibilizarem os viajantes sobre o risco de circulação das plantas, bem como fornecerem informações, designadamente através de afixação de cartazes nos aeroportos.

As autoridades cabo verdianas têm vindo a sensibilizar os viajantes para o risco de circulação de plantes e para as restrições à entrada no espaço da União Europeia, de modo a evitar o risco de introduções, que, quando detetadas, são apreendidas e destruídas.

Continue a ler este artigo no Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Governo cria grupo de trabalho para avaliar jogo online e apostas hípicas
Próximo Matos Fernandes admite restrições à utilização da água na agricultura

Artigos relacionados

Últimas

Produção Animal – NAT-OMEGA3 

O projeto NAT-OMEGA3 visa desenvolver uma gama de produtos lácteos, enriquecidos em ácidos gordos polinsaturados Ómega 3 (agpΩ-3), que promova o bem-estar animal, a sustentabilidade económica e ambiental das explorações leiteiras e consequentemente ofereça ao consumidor um produto diferenciado.

Dossiers

Cotações – Aves e Ovos – 22 a 28 de março 2021

Na semana em análise as cotações médias nacionais do frango, vivo (de 1,8 kg) e abatido (65% – de 1100 a 1300 g) e do peru, vivo (de 1,8 kg) e abatido (80% – de 5,7 a 9,8 kg), mantiveram- […]

Sugeridas

Manual de Boas Práticas de Fruticultura | Castanheiro

O Pólo de Alcobaça do INIAV está a cooperar com a revista Frutas, Legumes e Flores (FLF) na elaboração de um Manual de Boas Práticas de Fruticultura sob a forma de fascículos, onde são desenvolvidos os principais conteúdos técnicos para […]