Governo dos Açores e agricultores concordam com medidas para rejuvenescer o setor

Governo dos Açores e agricultores concordam com medidas para rejuvenescer o setor

O secretário regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, declarou, à margem de um encontro para apresentar o programa aos parceiros do setor, realizado em Ponta Delgada, que esta iniciativa pretende “tornar o setor agrícola ainda mais atrativo para os jovens”.

João Ponte referiu que, após um diagnóstico realizado pelo executivo açoriano, foi identificado um pacote de medidas que passam por apoiar e incentivar a fixação de jovens, por via de majorações, que já existem no setor, mas que agora surgem especificamente para esta faixa etária.

O titular da pasta da Agricultura avançou que o novo programa prevê também uma linha de apoio para os jovens surgirem com projetos de primeira instalação, que será alargada aos jovens que aderiram ao setor nos últimos cinco anos.

João Ponte avançou que a iniciativa vai contemplar ainda cursos de formação técnico-profissional em agropecuária, “com a envolvência e participação” da Federação Agrícola dos Açores e da Associação de Jovens Agricultores Micaelenses, tendo considerado que o programa “Jovem Agricultor” é “ambicioso e “visa a sustentabilidade do setor”.

Segundo o inquérito realizado pelo Governo Regional, 16% dos agricultores dos Açores possuem menos de 40 anos, sendo a expectativa do governante que o novo programa entre em vigor até final do ano.

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, subscreve a iniciativa do Governo porque contempla “muitas das reivindicações” das associações do setor, considerando que “vai proporcionar aos jovens agricultores alguns desafios” e majorações nas ajudas adicionais já existentes.

O presidente da Associação de Jovens Agricultores Micaelenses, César Pacheco, considerou que o programa “vai ao encontro do que são as revindicações dos jovens”, fornecendo um “maior apoio a nível da formação e arranque numa atividade que custa muito” em termos financeiros.

O dirigente afirmou que os jovens já existentes no setor estão “muito bem preparados” tanto na fileira do leite como da carne, enquanto os que vão surgindo estão “muito interessados” na vertente agrícola, perspetivando-se uma “boa adesão” ao programa.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Mais de 200 bombeiros e nove meios aéreos combatem fogo em Abrantes
Próximo Produção de cereais inferior a 200 mil toneladas

Artigos relacionados

Últimas

Florestgal espera gerir 120 mil hectares de floresta em 2060

Estimamos um aumento de três mil hectares por ano”, disse à agência Lusa o presidente da Florestgal, […]

Nacional

Candidaturas abertas ao Prémio ADVID 2019

Estão abertas até 31 de maio as candidaturas ao Prémio ADVID para os trabalhos publicados em 2019 em áreas científicas com relevante […]

Últimas

Lagoa “passa testemunho” de Cidade do Vinho em gala no Centro de Congressos do Arade

A Gala de Encerramento de Lagoa “Cidade do Vinho 2016” está marcada para o dia 18 de Fevereiro, a partir das 20h30, […]