Futuro mais seco obriga governos ibéricos a colaborar melhor na gestão de água – relatório

Futuro mais seco obriga governos ibéricos a colaborar melhor na gestão de água – relatório

O futuro adivinha-se seco na Península Ibérica, alertou hoje a organização ambientalista ANP/WWF, com um relatório em que defende mais colaboração entre Portugal e Espanha para gerir rios e disponibilidade da água.

“De um modo geral, os modelos (climáticos) confirmam uma redução da precipitação em conjunto com um aumento consistente de temperaturas médias, resultando em maior evapotranspiração”, refere a Associação Natureza Portugal, representante nacional da organização internacional World Wide Fund for Nature (ANP/WWF).

O resultado disso, com tendência para um agravamento até 2050, será “menos água no solo, nos rios e nos aquíferos à medida que avançar o século XXI”.

Os cenários possíveis decorrem de um aumento de temperatura no século XX e uma tendência de redução da precipitação, sobretudo mais a sul.

“No entanto, dada a alta variabilidade da precipitação, não há uma tendência clara para o século XXI”, salienta o relatório.

Daí, prevê-se irregularidade “no volume, sazonalidade e intensidade” da precipitação e mais frequência de tempestades intensas.

Mesmo sem mudanças nas exigências do consumo humano, as plantas e os animais terão mais dificuldade em satisfazer todas as suas necessidades de água. Para os humanos, será um desafio ter disponível toda a água para manter o estilo de vida atual”, indica a organização.

A ANP/WWF considera essencial que quem consome mais água pague mais por ela, defendendo que o Governo português aplique tarifas progressivas à exploração de água de furos na costa sul algarvia e que o executivo espanhol faça o mesmo nos aquíferos alimentados pelos rios Guadiana e Doñana.

Defende também que haja uma revisão dos caudais acordados nos rios internacionais pela Convenção de Albufeira e que se antecipem eventos meteorológicos extremos na gestão das bacias hidrográficas, prevendo-se as circunstâncias em que é preciso armazenar para as secas ou garantir fluxos mínimos para limitar os impactos nos cursos de água.

Em toda a península, o relatório defende que se “mude a relação com a água”, especialmente por parte “dos setores produtivos que consomem mais, principalmente para uso agrícola”.

A ANP/WWF aponta o aumento do uso de recursos em Portugal, como a irrigação intensiva a partir da barragem de Alqueva, e em Espanha, em Campo de Cartagena, como provas do “colapso provável da biodiversidade e a diminuição da segurança para a natureza e para as pessoas”.

Para a biodiversidade, o cenário é já de “crise evidente”, com uma descida de 84 por cento nas espécies de água doce entre 1970 e 2016.

No caso particular da Península Ibérica, 52% das espécies estão em categorias de risco de extinção, refere o relatório.

Comente este artigo
Anterior Live: Plano de Recuperação e Resiliência: Que futuro para a floresta multifuncional e de uso múltiplo?
Próximo Lançamento da Plataforma VINEAS - 30 Março 2021

Artigos relacionados

Internacional

GMO corn that tolerates temperature drops could help farmers protect crop yields

Around the world, each person eats an average of 70 pounds of the grain each year, with even more grown for animal feed and biofuel. And as the […]

Últimas

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo ou Florestal – Lisboa

Somos uma empresa com larga experiência na conceção, construção e manutenção de espaços verdes, equipamentos desportivos e de lazer. […]

Últimas

Conferência Laranja XXI – 16 de abril

A 5.ª Mostra Silves Capital da Laranja terá, no dia 16 de fevereiro, mais uma edição da Conferência Laranja XXI, este ano em formato online. Com início marcado para as 15h00, este […]