Fundo imobiliário vai financiar reabilitação de antigas casas florestais

Fundo imobiliário vai financiar reabilitação de antigas casas florestais

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros a criação de um programa para a promoção da recuperação de imóveis públicos devolutos inseridos em património natural, denominado “Revive Natureza”, cujos primeiros concursos serão lançados no próximo ano.

Este programa tem já 96 imóveis identificados, que serão integrados num Fundo Imobiliário Especial, e assume como objectivos cimeiros a reabilitação urbanística e posterior organização para exploração turística.

Perante os jornalistas, o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza, referiu que a lista inicial de imóveis é composta, na sua maioria, por “antigas casas de guardas florestais e antigos postos fiscais que se encontram dispersas pelo território, mas inseridos em localizações notáveis, quer pelas suas características, quer pelo património natural que dispõem”.

“Estes imóveis serão afectos a um fundo de uma sociedade gestora pública e que posteriormente os disponibilizará mediante concurso àqueles que pretendam explorá-los para a actividade turística. Está previsto que o fundo disponha de uma capacidade financeira para apoiar o financiamento da recuperação que seja levada a cabo por aqueles que venham a explorar estes imóveis”, apontou o governante.

No que respeita às condições para a exploração deste tipo de imóveis, Pedro Siza adiantou que se procurará “valorizar os interessados que possam ter projectos de dinamização de comunidades locais, da actividade turística e de desenvolvimento de recursos endógenos”.

“Este modelo já tem sido utilizado para imóveis com património cultural significativo e que agora vamos transpor para pequenos imóveis dispersos pelo território”, disse também o ministro Adjunto e da Economia, antes de destacar a vertente relacionada com a criação de emprego em pequenas comunidades.

Segundo o Governo, o turismo de natureza é um dos segmentos que regista um maior crescimento da procura internacional e enquadra-se nos objectivos de promoção de um turismo sustentável que aproveite as características ecológicas, geológicas e culturais de cada área natural.

Questionado sobre o calendário previsto para o arranque dos primeiros concursos, Pedro Siza afirmou que, a partir de agora, os primeiros passos passarão pela constituição do fundo e pela aprovação do regulamento para a atribuição de direitos.

“Estou convencido que nos próximos meses, que serão também meses de mudança de Governo, serão tempo importante para a preparação destes processos. Julgo que no próximo ano poderemos começar a ver os primeiros concursos a surgirem”, acrescentou.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior José Manuel Fernandes é relator para os fundos europeus 2021-2027
Próximo Feira da Dieta Mediterrânica arranca em Tavira maior e mais internacional

Artigos relacionados

Nacional

Feira Rural de Torres Vedras retorna à Cidade…

Depois de ter ido passear à praia em agosto, a Feira Rural de Torres Vedras regressa em setembro à cidade…
Assim, […]

UE - Instituições e EM

Conselho de Ministros de Agricultura e Pescas | 18 novembro de 2019

Na sessão do Conselho de Ministros da Agricultura e Pescas da UE de 18 de novembro, foi debatido o documento da Presidência […]

Nacional

Miranda do Douro investe meio milhão de euros em ecocentro para estudo de cogumelos

O município de Miranda do Douro investiu perto de meio milhão de euros num ecocentro dedicado ao estudo e produção de cogumelos e num guia de campo sobre estes fungos, […]