Flavescência dourada da videira. DGAV divulga zonas de intervenção prioritária

A A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária acaba de divulgar as listagens das freguesias que constituem as zonas de intervenção prioritária (ZIP) e das freguesias onde o Scaphoideus titanus Ball. está presente, bem como a respectiva classificação de risco de disseminação da doença da flavescência dourada da videira.

Scaphoideus titanus

Pode ver a lista das freguesias aqui.

A doença

O primeiro surto de Flavescência Dourada teve lugar no Sul de França, na década de 50. Actualmente está presente no Norte de Itália, de Espanha, na Sérvia e em Portugal.

A Flavescência Dourada (FD), uma das doenças mais temidas na cultura da videira, pode causar grandes prejuízos nas regiões vitícolas. É uma doença exclusiva da videira e provocada pelo fitoplasma Grapevine flavescence dorée MLO, o qual perturba o funcionamento das plantas, causando grandes perdas de produção e a morte das videiras, sobretudo em castas mais sensíveis, explica a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAP Centro).

A curtas distâncias, o fitoplasma é transmitido através do cicadelídeo Scaphoideus titanus Ball (ST), durante o processo de alimentação do próprio insecto. A longas distâncias, a dispersão faz-se através da utilização de material de propagação vegetativa infectado. Os porta-enxertos, embora normalmente não manifestem sintomas, podem, todavia, ser transmissores do fitoplasma e portadores de ovos do insecto vector.

Adianta ainda a DRAP Centro que em Portugal, o vector da doença Flavescência Dourada, o insecto Scaphoideus titanus Ball (ST), foi identificado em 2000, no Norte de Portugal. Hoje, e desde 2008, estende-se ao Centro de Portugal. Já o fitoplasma causal da doença foi oficialmente detectado em Portugal, em 2006, na Região do Entre Douro e Minho. Desde 2009, o fitoplasma está na Região Centro.

Medidas de controlo obrigatório

É uma doença economicamente grave, para a qual não existem meios de luta directa e, qualquer suspeita da presença da doença em vinhas em produção, viveiros ou vinhas de pés mães, deve ser comunicada aos serviços de Inspecção Fitossanitária.

O fitoplasma responsável é um organismo de quarentena da União Europeia listado na legislação fitossanitária (Directiva comunitária 2009/29/CE) e, como tal, sujeito a medidas oficiais de controlo e de erradicação, obrigatórias, e constantes da Portaria 976/2008 de 1 de Setembro. Sem a aplicação destas medidas destinadas a controlar a sua dispersão, esta doença pode causar a perda total de produção e, até, a morte parcial, ou total, das videiras.

Sempre que for necessário efectuar um tratamento fitossanitário para controlo do vector da doença este deve ser realizado com produtos homologados ou autorizados, e seguindo as indicações dos tratamentos a realizar dadas pelas Estações de Avisos da sua região, sob alçada do SNAA, Serviço Nacional de Avisos Agrícolas.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Cotações – Suínos – Informação Semanal – 8 a 14 Julho 2019
Próximo Portuguesa nomeada para prémios europeus de inovação

Artigos relacionados

Últimas

PDR 2020: Coimbra tem 200 mil euros para investimentos na transformação e comercialização de produtos agrícolas

O Grupo de Acção Local CoimbraMaisFuturo – CMF – Associação de Desenvolvimento Local de Coimbra, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020), […]

Nacional

Ataque de “cães vadios” mata rebanho de cabras em exploração de Viana do Castelo

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas apurou na análise feita no local que não se trata de um ataque de lobos e, por isso, os […]

Eventos

Lusoflora 2020 é nos dias 28 29 de fevereiro – Santarém

A Associação Portuguesa de Produtores de Plantas e Flores Naturais, vai levar a efeito a 33ª edição da Lusoflora nos dias  28 e 29 de fevereiro de 2020, […]