Fitossanidade. Comissão publicou a lista das 20 pragas de quarentena consideradas prioritárias

Fitossanidade. Comissão publicou a lista das 20 pragas de quarentena consideradas prioritárias

A Comissão publicou hoje uma lista de 20 pragas de quarentena regulamentadas consideradas como pragas prioritárias, incluindo a Xylella fastidiosa, o escaravelho japonês, o escaravelho asiático, o esverdeamento dos citrinos e o ponto preto dos citrinos, cujo impacto económico, ambiental e social no território da UE é de maior gravidade. Os Estados-Membros terão de lançar campanhas de informação junto do público, realizar prospeções anuais e preparar planos de contingência, exercícios de simulação e planos de ação para a erradicação destas pragas.

Na informação disponibilizada pelo Boletim Informativo da Representação da Comissão Europeia em Portugal, pode ler-se que a seleção de pragas baseia-se na avaliação efetuada pelo Centro Comum de Investigação da Comissão e pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, que tem em conta a probabilidade de propagação, o estabelecimento e as consequências dessas pragas para a União. Foram também tidos em conta os pontos de vista de um grupo específico de peritos e as reações do público transmitidas através do portal Legislar Melhor.

A nova metodologia mostra, por exemplo, que a bactéria Xylella fastidiosa, a praga com maior impacto nas culturas agrícolas, incluindo os frutos, poderia causar perdas anuais de produção de 5,5 mil milhões de EUR, afetando 70 % do valor de produção da UE das oliveiras mais velhas (com mais de 30 anos) e 35 % das mais jovens, num cenário de propagação da bactéria por toda a UE. Além dos impactos diretos na produção, as pragas têm efeitos indiretos significativos numa vasta gama de setores económicos a montante ou a jusante. Por exemplo, a eventual propagação por toda a UE do escaravelho asiático (Anoplophora glabripennis) poderia resultar na perda direta de mais de 5 % das árvores em crescimento de várias espécies florestais da UE, tais como o amieiro, o freixo, a faia, a bétula, o ulmeiro, o bordo ou o plátano. Estas árvores estão avaliadas em 24 mil milhões de EUR e o impacto económico no setor florestal a montante poderia ascender a 50 mil milhões de EUR.

Para Mais Informações

DG SANTE: Fitossanidade

Notícia web do Centro Comum de Investigação sobre os potenciais impactos das pragas prioritárias.

Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Um ano depois da tempestade Leslie, Mira ainda não recebeu o fundo criado pelo Governo
Próximo Ações de formação "Plano de ação para a vigilância e controlo da vespa velutina em Portugal "níveis básico e avançado"

Artigos relacionados

Últimas

Perguntas e respostas sobre o orçamento da UE: a política agrícola comum e a política comum das pescas

Para ajudar a reparar os danos económicos e sociais causados pela pandemia de coronavírus, impulsionar a recuperação da economia […]

Nacional

Bombeiros dos Açores recebem pela primeira vez formação no combate a incêndios florestais

O presidente do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) afirmou que o curso de Incêndios Florestais – […]

Nacional

O aviso dos cientistas: quase 300 milhões de pessoas podem ter de abandonar as suas casas devido à subida do nível do mar. Portugal também não escapa à “fúria” do mar

O aviso consta num dos relatórios, de 2019, do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) da ONU e é um de vários que têm sido dados pelos cientistas desde a assinatura, […]