Finlândia quer UE a dar exemplo em mundo entre a desflorestação e o degelo

Finlândia quer UE a dar exemplo em mundo entre a desflorestação e o degelo

[Fonte: SAPO 24]

Promover o uso de transportes públicos, centrar eventos num único local para reduzir as emissões de dióxido de carbono com deslocações, recorrer a produtos locais e da época, usar as novas tecnologias para evitar a impressão de documentos e eliminar o uso de plástico foram algumas das medidas que a Finlândia adotou, no âmbito da presidência da UE, para receber no país eventos como reuniões ministeriais.

E o objetivo é só um: dar o exemplo para conseguir uma UE mais ‘verde’ e mais sustentável.

Meses depois de ter sido divulgada uma fotografia que retratou o impressionante processo de degelo no Ártico e alguns dias após o início de fogos de grandes dimensões na maior floresta tropical do mundo, a Amazónia, a presidência finlandesa da UE colocou na agenda dos ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros da União o tema das alterações climáticas, no âmbito das reuniões ministeriais que decorreram esta semana, exigindo medidas sustentáveis em torno da segurança e da diplomacia.

O combate às alterações climáticas e a criação de políticas mais amigas do ambiente é, assim, o principal objetivo da presidência finlandesa da UE, mensagem que está, desde logo, espelhada no mote para este semestre: “Europa sustentável, futuro sustentável”.

“Para responder às expectativas dos cidadãos, precisamos fazer mais para promover o crescimento sustentável e combater as alterações climáticas”, ecoa a presidência finlandesa no programa que criou para este período, entre julho e dezembro deste ano.

Para os finlandeses, “o denominador comum de todas as ações da UE deve ser a sustentabilidade, o que inclui a aplicação dentro e fora da UE da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, criada pelas Nações Unidas.

Ao mesmo tempo, “a União deve elevar o seu perfil de líder global em ações climáticas ao adotar uma estratégia climática de longo prazo que vise tornar a UE neutra em carbono até 2050”, considera a presidência finlandesa, que destaca ainda a necessidade de “proteger a região do Ártico”.

Mas as medidas finlandesas em prol da sustentabilidade não são novas, segundo disseram à agência Lusa portugueses que residem e trabalham no país.

Natural de Setúbal, Carlos Correia Alves, de 29 anos, é um ‘designer’ português que vive há cinco anos em Helsínquia.

Apesar de considerar que já “era sensível” às questões ambientais antes de aqui chegar, o jovem admite que foi na Finlândia que adotou um estilo de vida mais sustentável.

Para isso, contribuíram o “sistema de transportes fantástico”, o “acesso fácil à reciclagem”, que é obrigatória por lei, a “sensibilização” para a redução do consumo de carne e a “facilidade em conseguir [alimentos] substitutos”, assim como o facto de haver “bastantes lojas de roupa em segunda mão e a preços bastantes acessíveis”, bem como “muitas plataformas para troca de objetos”.

“Acho que a questão ambiental começa com uma componente cultural. […] A problemática ambiental está muito enraizada até nas gerações mais antigas”, conta Carlos à Lusa.

A nível profissional, este ‘designer’ colocou “a sustentabilidade no topo” das suas prioridades, indica à Lusa, referindo que, também por isso, a sua tese de mestrado na Universidade Aalto, na capital finlandesa, se centra na produção de peças de ‘design’ feitas de bioplástico, tendo como base o açúcar.

“Também faz sentido para mim porque há uma componente emocional presente no açúcar, enquanto pessoa diabética”, adianta.

Também a estudar no país está João Salazar, de 26 anos, natural do Seixal.

Depois de ter feito um mestrado em Biologia Marinha na Universidade do Algarve, o jovem português decidiu vir em junho para a Finlândia para fazer doutoramento na área das microalgas na Universidade de Turku, cidade localizada a 160 quilómetros de Helsínquia.

O objetivo é descobrir como “utilizar as microalgas com um outro propósito industrial, o de remover excesso de nutrientes de águas residuais, permitindo o seu aproveitamento”, explica à Lusa.

João garante que já tinha várias atitudes sustentáveis antes de chegar a este país nórdico, como reciclar e evitar a utilização do plástico, mas foi cá que deixou de usar o carro para começar a andar de transportes públicos, por “funcionarem muito bem” e “sem atrasos”.

A viver em Helsínquia desde 2012 está João Nunes, engenheiro informático de 32 anos, natural de Lisboa.

Notando ter comprado um carro elétrico para se mover no país, João aponta que uma das principais marcas da cidade é, ainda, a “consciencialização para manter as florestas e as ruas limpas”, o que é ensinado logo nas escolas às crianças.

Ricardo Farinha, lisboeta de 35 anos que vive na Finlândia desde 2007 e trabalha na área da tecnologia, conta à Lusa que “a sustentabilidade é um dos valores” incutidos nas empresas finlandesas, sendo ainda uma “forma de avaliação” de cada funcionário.

Conseguir uma pegada ecológica neutra é, então, o grande objetivo desta presidência comunitária finlandesa que, no documento que guia as suas prioridades, argumenta que a UE deve “continuar a trabalhar arduamente” para “evitar os graves impactos das alterações climáticas”.

* Ana Matos Neves, enviada da agência Lusa 

Comente este artigo

O artigo Finlândia quer UE a dar exemplo em mundo entre a desflorestação e o degelo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Espaço Visual lança novo curso: Wine Training Program
Próximo IFAP: apicultores devem fazer declaração anual de existências até 30 de Setembro

Artigos relacionados

Notícias apoios públicos incêndios

Incêndios – Apoios às regiões afetadas

Considerações que a ADACO, a CNA, a AMAVIM, e as Comissões Inter-Concelhias enviaram ao Senhor Ministro da Agricultura, via email, pelas não respostas ao Caderno de Reclamações apresentado aquando da Manifestação de 28 de Novembro de 2017 em Coimbra.

Exmº Senhor Ministro da Agricultura 

Agradecemos as respostas de V.Exª ao nosso caderno de reclamações apresentado em 28 de Novembro de 2017, […]

Nacional

Mais de 370 vinhos portugueses dão-se a conhecer em Angola

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

Mais de 370 vinhos e 44 produtores portugueses vão estar presentes na “Grande Prova Vinhos de Portugal” no próximo dia 27 de Junho, em Luanda. Dirigida a profissionais do sector, consumidores, líderes de opinião e jornalistas, […]

Nacional

Agricultores do Mondego exigem que Governo assuma realização de obra de regadio

[Fonte: Gazeta Rural]
A Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (ADACO) exigiu hoje que o Governo assuma a responsabilidade de executar uma obra de regadio, anunciada para a margem esquerda do Mondego, cujos trabalhos deveriam ter começado em 2018.
Em comunicado enviado à Lusa, […]