Fileira da madeira contesta “suspensões recorrentes” impostas à exploração florestal

A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) contestou hoje as “suspensões recorrentes” impostas pelo Ministério da Administração Interna às atividades de exploração florestal em zonas afetadas por incêndios, considerando-as “inadequadas” e “desproporcionais”.

Em comunicado, a associação refere que em períodos de agravamento do risco de incêndio florestal o ministério “tem repetidamente emitido despachos que obrigam o Instituto de Conservação da Natureza e Florestal a notificar operadores para a proibição da utilização de equipamentos, incluindo os utilizados no abate, corte e transformação de árvores nos espaços florestais”.

Isto “sem qualquer ressalva nem exceções territoriais” e “impedindo o progresso dos trabalhos de exploração florestal, em particular nas áreas públicas afetadas pelos fogos de 2017, agudizando a perspetiva de zero aproveitamento do material lenhoso existente que, passados dois anos, ainda não foi retirado do terreno”, sublinha.

Continue a ler este artigo no Correio da Manhã.

Comente este artigo
Anterior Produtividades do milho e arroz próximas das respectivas médias quinquenais
Próximo LANÇAMENTO EM PORTUGAL DA INICIATIVA KEEP ME POSTED

Artigos relacionados

Últimas

Docente da ESAC é uma das cientistas selecionadas para o SoapBox Science Lisbon

Hélia Marchante, docente da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra (ESAC-IPC), é uma das cientistas que participa no SoapBox Science Lisbon […]

Dossiers

Incêndios: Concelho de Portimão no distrito de Faro em risco máximo

O concelho de Portimão, em Faro, apresenta hoje um risco máximo de incêndio e mais de 50 em nove distritos estão com um risco muito elevado, segundo dados do Instituto Português do […]

Últimas

Rui Rui diz que as conclusões do Tribunal de Contas sobre o Fundo Revita já se “adivinhavam”

“Pergunta se eu estou admirado, face às notícias todas que nós fomos vendo ao longo destes meses? Naturalmente que não estou admirado, […]