Fileira da madeira contesta “suspensões recorrentes” impostas à exploração florestal

[Fonte: Correio da Manhã]

A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) contestou hoje as “suspensões recorrentes” impostas pelo Ministério da Administração Interna às atividades de exploração florestal em zonas afetadas por incêndios, considerando-as “inadequadas” e “desproporcionais”.

Em comunicado, a associação refere que em períodos de agravamento do risco de incêndio florestal o ministério “tem repetidamente emitido despachos que obrigam o Instituto de Conservação da Natureza e Florestal a notificar operadores para a proibição da utilização de equipamentos, incluindo os utilizados no abate, corte e transformação de árvores nos espaços florestais”.

Isto “sem qualquer ressalva nem exceções territoriais” e “impedindo o progresso dos trabalhos de exploração florestal, em particular nas áreas públicas afetadas pelos fogos de 2017, agudizando a perspetiva de zero aproveitamento do material lenhoso existente que, passados dois anos, ainda não foi retirado do terreno”, sublinha.

Comente este artigo

O artigo Fileira da madeira contesta "suspensões recorrentes" impostas à exploração florestal foi publicado originalmente em Correio da Manhã.

Anterior Produtividades do milho e arroz próximas das respectivas médias quinquenais
Próximo LANÇAMENTO EM PORTUGAL DA INICIATIVA KEEP ME POSTED

Artigos relacionados

Últimas

Dos 3ºC aos 40.7ºC: Setembro foi quente e não travou o agravamento da seca em Portugal

[Fonte: Público]

O mês de Setembro deste ano caracterizou-se por uma elevada temperatura do ar e baixa precipitação. […]

Nacional

Vila Nova de Cerveira destruiu 135 ninhos de vespa asiática desde o início do ano

[Fonte: Rádio Renascença]

O serviço de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, […]

Últimas

Centro ‘InovMilho’ recebe oficina técnica de sistemas de automação em tratores agrícolas

[Fonte: Vida Rural]

O Centro Nacional de Competências das Culturas do Milho e Sorgo ‘InovMilho’, a Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e a Escola Superior Agrária de Elvas – […]