Fileira da madeira contesta “suspensões recorrentes” impostas à exploração florestal

A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) contestou hoje as “suspensões recorrentes” impostas pelo Ministério da Administração Interna às atividades de exploração florestal em zonas afetadas por incêndios, considerando-as “inadequadas” e “desproporcionais”.

Em comunicado, a associação refere que em períodos de agravamento do risco de incêndio florestal o ministério “tem repetidamente emitido despachos que obrigam o Instituto de Conservação da Natureza e Florestal a notificar operadores para a proibição da utilização de equipamentos, incluindo os utilizados no abate, corte e transformação de árvores nos espaços florestais”.

Isto “sem qualquer ressalva nem exceções territoriais” e “impedindo o progresso dos trabalhos de exploração florestal, em particular nas áreas públicas afetadas pelos fogos de 2017, agudizando a perspetiva de zero aproveitamento do material lenhoso existente que, passados dois anos, ainda não foi retirado do terreno”, sublinha.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Correio da Manhã.

Anterior Produtividades do milho e arroz próximas das respectivas médias quinquenais
Próximo LANÇAMENTO EM PORTUGAL DA INICIATIVA KEEP ME POSTED

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Colaborador (M/F) – Alcobaça

A empresa A. M. Carmo Lda procura colaborador/a.

Últimas

Penacova reforça combate à vespa velutina com instalação de 400 armadilhas

O município de Penacova, no distrito de Coimbra, “através do Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC), tem vindo a intensificar a prevenção e o combate à […]

Últimas

E o Primeiro-Ministro, quando assumirá as suas responsabilidades?

Depois de culpar as pessoas pelas enormes filas nos serviços públicos e Passos Coelho e o PSD por tudo o resto, […]