FENAREG propõe estratégia de longo prazo para o regadio em Portugal

FENAREG propõe estratégia de longo prazo para o regadio em Portugal

[Fonte: FENAREG] Os regantes portugueses, representados pela FENAREG, apontam caminhos orientadores das políticas públicas de regadio até 2050, e propõem ações para modernizar o regadio em Portugal, estimando que será necessário investir 1.700 milhões de euros no período 2021- 2027.

A certificação ambiental das áreas regadas é uma das novidades do “Contributo para uma Estratégia Nacional para o Regadio”.

No cenário de alterações climáticas, cujos efeitos são já visíveis com períodos de seca cada vez mais frequentes, a agricultura de regadio é uma atividade estratégica para a economia portuguesa, e deve ser encarada como tal pela Sociedade e pelos decisores políticos. A produção de alimentos em quantidade suficiente para suprir as necessidades da população portuguesa e para manter o dinamismo das nossas exportações agroalimentares depende do regadio.

A FENAREG, entidade que representa mais de 90% do regadio organizado nacional, decidiu dar o seu contributo através de um estudo sólido e fundamentado para uma estratégia que enquadre um caminho a seguir em matéria das políticas públicas de regadio nas próximas décadas. Este estudo faz um diagnóstico estratégico e aponta objetivos a alcançar até 2050, com um plano de ação a executar entre 2021-2027 (período do próximo Quadro Comunitário de Apoio) e respetivos cálculos do investimento e origem do financiamento.

Os 7 eixos de desenvolvimento estratégico das políticas públicas de regadio propostos são:

1. Expandir a área infraestruturada para rega – criar novas áreas de regadio para mais 250.000 hectares de terrenos agrícolas, 50.000 até 2027.

2. Aumentar a capacidade de armazenamento de água e de regularização interanual – alteamento de algumas barragens e construção de novas nas bacias hidrográficas mais carenciadas, numa abordagem sustentada de fins múltiplos e de ligação em rede entre bacias hidrográficas.

3. Modernizar as infraestruturas públicas de rega – com intervenções prioritárias em construções anteriores a 1990.

4. Promover as melhores práticas de rega nas explorações agrícolas – aumentar eficiência em 200.000 ha.

5. Reforçar a sustentabilidade ambiental do regadio – desenvolver norma para certificação de “explorações de regadio sustentável”. Certificar 100.000 hectares, até 2027.

6. Compatibilizar instrumentos de ordenamento do território e de conservação da natureza com a expansão das áreas regadas – criar “acordos de responsabilidade” entre gestores das áreas protegidas/classificadas e os utilizadores da água para rega.

7. Rever modelos de tarifários e adequar legislação à nova realidade – criar sistema equilibrado e equitativo para a água de rega, premiando a eficiência e que incorpore as externalidades positivas (sociais, territoriais e ambientais) do regadio.

O Programa Nacional de Investimentos 2030, divulgado pelo Governo no início deste ano, estima 750 milhões de euros para investimento em regadio. No entanto, a FENAREG considera que será possível financiar o conjunto de ações propostas na sua Estratégia e atingir as respetivas metas, alargando os instrumentos financeiros a fundos para além do FEADER, nomeadamente o FEDER, do Fundo Social Europeu, o Fundo de Coesão, o Fundo Ambiental, empréstimos do Banco Europeu para o Investimento, Orçamento Geral do Estado e privados, articulados numa abordagem multifundos.

A proposta da FENAREG para uma estratégia de longo prazo do regadio em Portugal será formalmente apresentada, a 14 de Junho, na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém.

Comente este artigo
Anterior Governo aprova regime da estruturação fundiária
Próximo Governo marca ​Conselho de Ministros dedicado ao Ambiente

Artigos relacionados

Comunicados

O sector agrícola no OE 2019: apreciação global no debate na especialidade

Análise ao sector agrícola no OE 2019, de apreciação global no debate na especialidade, que poderá ser complementada com a visualização das intervenções da Deputada Patrícia Fonseca
Este OE é uma oportunidade perdida para o sector agrícola – parece que reforça as verbas mas afinal não é bem assim…
OE2019: CDS quer saber quando estará em funcionamento a empresa de gestão florestal
Alterações climáticas: Portugal tem necessidades de água para além do regadio
OE2019: CDS quer alterações ao regime contributivo para agricultores e incentivos ao trabalho de jovens
→Consulte aqui a Análise sobre OE2019←

Comente este artigo

#wpdevar_comment_2 span,#wpdevar_comment_2 iframe{width:100% !important;} […]

Comunicados

Productivity in EU agriculture: barely growing, and for the wrong reasons

[Fonte: Farm Europe]
Meeting the future demand for food will largely depend on the ability of the farming sector to increase its production by improving its productivity. Essentially, an improvement in agricultural productivity means that less input is needed to produce the same amount (or more) of output. […]

Comunicados

Incêndios no Algarve: Abertura de concursos ao Restabelecimento do potencial produtivo

[Fonte: PDR2020]
No dia 22 de agosto de 2018 é aberto concurso no âmbito da Ação 6.2.2 – «Restabelecimento do potencial produtivo», de acordo com o disposto no respetivo Regime de Aplicação aprovado pela Portaria n.º 199/2015, de 6 de julho, na sua redação atual, […]