Federação de regantes pede investimentos nacionais no setor

Federação de regantes pede investimentos nacionais no setor

A Federação Nacional dos Regantes (Fenareg) apelou hoje a investimentos nacionais no setor do regadio, além dos previstos a nível europeu, adiantou José Núncio, presidente da entidade, numa audiência no parlamento.

“Deve haver investimento, porque estamos a falar de questões de soberania nacional”, nomeadamente no que diz respeito ao abastecimento de alimentos, destacou, perante a Comissão de Agricultura e Mar questionando “porque é que se está sempre à espera que a Comissão Europeia resolva tudo”, e defendendo que “devia haver fundos nacionais para apoiar” a renovação deste setor.

Numa audiência em que alertou várias vezes para o estado da infraestrutura de regadio em Portugal e para os desafios do setor devido às alterações climáticas, José Núncio disse que “mais de 50% das infraestruturas de regadio público têm mais de 40 anos”.

A Fenareg apelou assim à modernização da infraestrutura, capacitação técnica ao uso de energias renováveis e à certificação, bem como a ações de eficiência energética.

Em termos de metas a mais longo prazo, para 2027, a Fenareg tem várias propostas, incluindo a conversão de regadios privados para coletivos, a revisão de tarifários e legislação e a sustentabilidade energética.

José Núncio apresentou ainda aos deputados os pilares dos eixos de desenvolvimento do setor, que passam por “aumentar a capacidade de armazenamento de água”, a expansão da “área infraestruturada para rega”, o reforço da “sustentabilidade ambiental do regadio” e a compatibilização do “ordenamento do território e conservação da natureza com a expansão das áreas regadas”.

Para levar a cabo as medidas que os regantes pretendem que sejam aplicadas no setor, a Fenareg voltou a pedir a um investimento de 1.700 milhões de euros.

No seu contributo para o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), disponível no seu ‘site’ a Federação apelou ao Governo “que aprove uma Estratégia Nacional para o Regadio, com visão de longo prazo para a sustentabilidade da capacidade produtiva nacional, e a inclusão de 1.700 milhões de euros nos diversos programas financeiros disponíveis, com destaque para o PRR da Economia para a modernização do regadio”.

Durante a audiência José Núncio rejeitou ainda que o regadio possa pôr em causa as gerações futuras, devido a problemas de sustentabilidade.

“Acho que pomos mais em causa as gerações futuras se não houver regadio”, rematou.

Comente este artigo
Anterior António Ventura quer Açores como Região produtora de agroalimentos
Próximo Governo dos Açores destaca investimentos na agricultura no Orçamento para 2021

Artigos relacionados

Nacional

Pêssego chega à gama natural da Frubis

Frubis Pêssego nova receita acaba de chegar ao mercado para se juntar às restantes variedades da gama natural Frubis já disponíveis: Pêra Rocha, […]

Últimas

Trovoadas, climas e maternidades

Troveja. Os relâmpagos iluminam a avenida da Boavista, como se a espaços aleatórios e curtos a noite abrisse em dia. Depois, […]

Dossiers

El inmovilismo se mantiene en los precios del vacuno


Los precios en el mercado de vacuno siguen invariables a la espera de que la reactivación de la demanda comercial y despeje la alta oferta de animales que soporta el mercado en estos momentos. […]