Farmacêutica recebe ‘luz verde’ do Infarmed para cultivo de canábis em Vila de Rei

Farmacêutica recebe ‘luz verde’ do Infarmed para cultivo de canábis em Vila de Rei

A farmacêutica internacional Cann10, que pretende instalar em Vila de Rei uma fábrica de produtos medicinais à base de canábis, recebeu um primeiro parecer favorável do Infarmed para cultivo, importação e exportação de canábis, anunciou hoje a autarquia local.

O Infarmed “deu parecer positivo ao pedido para cultivo, importação e exportação de Cannabis Sativa L por parte da farmacêutica Cann10-Portugal, que pode assim avançar para a implementação de uma unidade fabril em Vila de Rei”, com vista à transformação e produção de produtos farmacêuticos, informou o município do distrito de Castelo Branco.
Segundo um comunicado da autarquia, o Infarmed vai dentro de seis meses realizar “vistorias às novas instalações da farmacêutica, a instalar no Lote 1 da Zona Industrial do Souto, de forma a garantir o cumprimento das Boas Práticas Agrícolas e de Colheita (GACP) e demais requisitos decorrentes da atividade, para a concessão da autorização para cultivo, importação e exportação da espécie vegetal Cannabis Sativa L”.

No âmbito deste processo, e ainda em análise pelo Infarmed, encontra-se o pedido para a transformação de canábis em produtos farmacêuticos, a implementar igualmente na unidade de Vila de Rei.

“Com este último parecer a ser também aceite, a Cann10-Portugal vai efetuar em Vila de Rei um investimento total na ordem dos 10 milhões de euros, com previsão de contratação de 100 trabalhadores, sendo a maioria qualificados com título académico superior, no prazo máximo de quatro anos”, informa a nota da autarquia.

O presidente do município, Ricardo Aires, citado no documento, disse que “este primeiro parecer positivo do Infarmed é um passo importantíssimo naquele que será um investimento com enorme peso no desenvolvimento económico, atração de mão-de-obra qualificada e fixação de população no interior” do país.

Em declarações à Lusa no final de 2018, Yair Sayag, presidente da Cann10-Portugal, disse que o investimento a efetuar em Vila de Rei iria permitir “executar os serviços de produção, importação, exportação e transformação de ‘medical cannabis sativa’ com vista ao fabrico de produtos fitofarmacêuticos” a partir da zona centro do país.

“Temos muitos anos de experiência no que respeita à agricultura e às instalações de produção ‘chave na mão’, bem como tecnologia e pesquisa, e todos os produtos de canábis da Cann10 são fabricados por via de boas práticas de fabrico que atendem às especificações mais exigentes”, disse o gestor.

No âmbito deste projeto de investimento, o município de Vila de Rei e a empresa fitofarmacêutica Cann10-Portugal assinaram no final de novembro de 2018 os contratos alusivos ao arrendamento com opção de compra do antigo edifício da fábrica Frutinatura e à aquisição do Lote 1 da Zona Industrial do Souto, com 4,5 hectares.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Negócios.

Anterior COVID-19: As Cooperativas Agrícolas e os Agricultores não podem parar!
Próximo Não podem suspender a agricultura

Artigos relacionados

Últimas

Biotecnologia | bê-à-bá da edição e modificação genéticas

Em entrevista ao jornalista Hugo Séneca, da Exame Informática, o biólogo Pedro Fevereiro, presidente da Direção do CiB-Centro de Informação de […]

Últimas

Incêndios: Fogo em Nisa dominado em 90 por cento

O incêndio que deflagrou hoje numa área de mato no concelho de Nisa (Portalegre) estava dominado em 90 por cento do seu perímetro, […]

Sugeridas

Resumo Climatológico – Setembro 2019: Quente e Seco

O mês de Setembro de 2019 classificou-se como quente em relação à temperatura do ar e seco em relação à precipitação […]