Falta de água preocupa o Algarve. Barlavento no nível vermelho

Falta de água preocupa o Algarve. Barlavento no nível vermelho

“É preciso pensar que agricultura é que o Algarve pode ter”, avisa o presidente da Comunidade Intermunicipal da região. Autarca de Silves mostra-se preocupada.

O nível baixo da água nas barragens algarvias está a preocupar autarcas e habitantes. O presidente da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve, António Miguel Pina, diz que a escassez água pode obrigar à seleção no abastecimento.

“Se não houver água, o esforço do investimento público que vamos ter é para garantir o abastecimento ao público, não fica garantido o que a agricultura consome”, afirma nesta quinta-feira. “Daí que seja preciso pensar que agricultura é que o Algarve pode ter”, sublinha.

De acordo com este responsável, “a agricultura representa 60%” do gasto de água. “O consumo 30% e o golfe 6%”, adianta à Renascença.
Nesta altura, o barlavento está já no nível vermelho, segundo os mais recentes dados revelados pelo Sistema Nacional de Recursos Hídricos.

Esta é a área geográfica onde, no final de agosto, havia menor disponibilidade de água: apenas 18,3%, quando a média ronda os 62,5%.

“Eficiência, novas captações de água e repensar que agricultura é que o Algarve pode ter, uma vez que não tem água”, são os três fatores a estudar, considera António Miguel Pina.

Silves é um dos concelhos com maior produção agrícola e a presidente da autarquia, Rosa Palma, mostra-se preocupada.

“Temos contacto direto com aquilo que é a falta de água”, afirma à Renascença. “Temos aqui um concelho que depende muito dessa água, temos uma grande produção agrícola e todas estas situações são bastante preocupantes”, admite.

A entidade que gere a distribuição é a Águas do Algarve que, contactada pela Renascença, escusou-se a dar mais esclarecimentos.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Parque Natural do Litoral Norte adere ao modelo de cogestão
Próximo ICNF "autorizado" a contratar 100 técnicos superiores e 250 sapadores florestais

Artigos relacionados

Últimas

As tecnologias de apoio ao combate aos fogos devem estar ao serviço dos portugueses

Em Portugal, em 2016, altura em que a equipa de futebol foi campeã europeia, em praças, em bares, em cafés, em estúdios, […]

Últimas

BEI financia investimentos de 463 mil milhões na UE. Portugal é um dos beneficiários

O Banco Europeu de Investimento (BEI) vai financiar com 84,6 mil milhões de euros investimentos na União Europeia (UE), que deverão mobilizar um total de 463 mil milhões, […]

Últimas

Motivos Campestres. Soluções e serviços também para a amendoeira

A MOTIVOS CAMPESTRES é uma empresa que foi criada há 12 anos, sediada em Mirandela, com o objetivo de preencher necessidades de mercado existentes na região, […]