Falar verdade a mentir – Duarte Marques

Falar verdade a mentir – Duarte Marques

Em dezembro de 2019, o Tribunal de Contas apresentou um relatório bastante critico sobre o incumprimento da limpeza das florestas por parte das autarquias que criticava a inexistência de Planos Municipais de Defesa da Floresta contra Incêndios em muitos concelhos e apontava o dedo à falta de fiscalização do Governo e à ausência de sanções. No fundo, dizia que o Governo tinha imposto regras cujo cumprimento era duvidoso.

O tom duro surpreendeu os mais distraídos, mas o Tribunal de Contas dizia o óbvio: “o facto de existirem Planos Municipais de Defesa das Florestas, não garante, por si só, a defesa das mesmas”, pois de pouco vale aprovar estes Planos se a sua implementação não for fiscalizada e garantida a execução dos trabalhos de gestão do combustível.

De imediato veio o Governo, através do ministro da Administração Interna, acusar este órgão de Justiça de estar “desatualizado”. Do alto da sua habitual arrogância e soberba, Cabrita investiu novamente acrescentando que “felizmente o Governo não ficou à espera do Tribunal de Contas para alterar a lei”. Questionado pelos jornalistas, o MAI bateu no peito e acrescentou que já tinham sido “aplicadas sanções pela primeira vez a concelhos que não tinham cumprido as regras de proteção da floresta contra incêndios”. Segundo os dados então revelados, 90% dos concelhos já tinham os tais planos.

Estranhando a resposta de Eduardo Cabrita, um conjunto de Deputados do PSD, onde me incluo, questionaram o MAI através de uma Pergunta Parlamentar para aferir da veracidade da sua resposta e saber quais os municípios sancionados. Apesar do Governo ter 30 dias para responder, Eduardo Cabrita respondeu que essa pergunta deveria ser colocada à sua colega da Administração Pública. Tendo em conta que as declarações eram suas, estranhámos mas enviámos a mesma questão a Alexandra Leitão. Entretanto, surgiu a oportunidade de confrontar a Associação Nacional de Municípios Portugueses em Comissão Parlamentar que disse não ter conhecimento de qualquer sanção a municípios por estas razões.

A resposta chegou ontem, fora de tempo é verdade (o Governo tem 30 dias para responder) mas foi sincera. A ministra da Administração Pública é claríssima e desmente categoricamente a “narrativa” que o colega da Administração Interna fez passar junto da imprensa. Relativamente à realização de trabalhos de gestão de combustíveis “esta área governativa e a DGAL não rececionaram, até esta data, qualquer informação das autoridades competentes”, (…) “motivo pelo qual não foi efetuada a avaliação prevista no nº 3, do artigo 163º da Lei 71/2018”. Ou seja, não houve qualquer sanção para os municípios que não procederam à limpeza de terrenos e à “gestão do combustível”. Houve sim sanções para três Municípios (Odivelas, Peniche e Paços de Ferreira) por não terem aprovado os respetivos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios. Mais uma vez, questionado sobre alhos, Cabrita respondeu sobre bugalhos e enganou os mais distraídos.

Nessa reação intempestiva Eduardo Cabrita só disse duas verdades: a realidade em 2019 é diferente de 2017 e algumas coisas já foram resolvidas; atualmente quase todos os municípios têm o tal Plano. No seu estilo habitual manipulou a resposta e fugiu à principal crítica do Tribunal de Contas: não há fiscalização sobre o cumprimento destas obrigações de limpeza.

Infelizmente o principal problema mantém-se, pois, o Governo anuncia medidas que raramente chegam ao terreno e que não são verificadas. De que serve ter um Plano aprovado no papel se ele na realidade não existe no terreno? A administração pública portuguesa está cheia de situações e burocracias como esta, parece ser mais importante ter um plano de limpeza do que fazer a limpeza e parece ser mais relevante ostentar um powerpoint e um conjunto de narrativas e números de circo do que implementar de facto as medidas no terreno. É o tempo mediático, é o tempo em que parece ser mais importante distribuir merchandising tipo “golas inflamáveis” do que proteger de facto as pessoas.

Apesar dos recorrentes anúncios do Governo, a verdade é que com os meios ao dispor era impossível cumprir ambas as missões: implementar todos os planos e fiscalizar. O MAI procurou ao máximo omitir esta realidade e não deu ao ICNF os meios necessários para o fazer. Talvez a estratégia fosse mesmo iludir os portugueses e transmitir uma sensação de segurança (esta parte impede-me de esquecer a resposta de uma antiga autarca que é hoje ministra, que confrontada com a falta de água nas bocas de incêndio de determinada urbanização do seu concelho respondeu, em plena Assembleia Municipal, que a ideia era transmitir “uma sensação de segurança às pessoas”).

Se alguns membros deste Governo merecessem o mesmo escrutínio que é feito a outros políticos por esse mundo fora, durariam pouco tempo em funções tal é a distância entre o que dizem e a realidade. Todo este enredo fez-me lembrar a peça de Almeida Garrett.

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Observatório diz que contexto do risco de incêndios para este ano é “preocupante”
Próximo Declaran “persona non grata” al vicepresidente de la CE por su intención de reducir la productividad de la agricultura europea

Artigos relacionados

Nacional

Região Centro quer acelerar execução do Portugal 2020 até 2023

Os incêndios de 2017 e a atual pandemia atrasaram em dois anos a execução do Portugal 2020, que importa acelerar até 2023, defende a presidente da Comissão de Coordenação e […]

Últimas

Portugal prepara lançamento de Centro Tecnológico de I&D para o setor da Suinicultura

A fileira da suinicultura está a preparar o lançamento de um Centro Tecnológico de Investigação e Desenvolvimento no campus descentralizado da Quinta do Bonito do IPSantarém/ESAS. Esta […]

Dossiers

Cuidados na colheita de Kiwi para prevenir a dispersão da PSA

Apesar de a colheita não ser para já, chamamos a atenção dos kiwicultores para os seguintes aspetos: […]