Extendido: Debate  sobre a governança comunitária de florestas nos países de língua portuguesa – até 23 de Dezembro 2017

Extendido: Debate  sobre a governança comunitária de florestas nos países de língua portuguesa – até 23 de Dezembro 2017

As florestas e sua gestão mudaram substancialmente nos últimos 25 anos. Embora globalmente, a extensão das florestas do mundo continue a diminuir à medida que as populações humanas e a procura de alimentos e terras continuam a crescer, a perda foi reduzida em mais de 50% (FAO, 2015).

Em alguns estados membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa  (CPLP), o manejo florestal tem levantado questões cruciais relacionadas com a adoção de políticas públicas mais eficazes para lidar com fenómenos como os incêndios (Portugal) ou uso do espaço pelas comunidades locais para a prática agrícola em regime de itinerância (PALOP) e ainda enfrentam enormes esquemas de corrupção associados ao desmantelamento de florestas primárias e corte de essências específicas para a indústria madeireira (Moçambique e Guiné-Bissau), em particular, para o mercado asiático.

Ao longo dos últimos 25 anos, alguns países adotaram modelos de gestão comunitária de florestas que atribuem mais direitos e responsabilidades aos atores locais,como é o caso de Brasil, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.

A Academia evidencia esse fato apontando para este fenómeno como a mudança mais significativa e visível nas políticas ambientais nacionais desde o final da década de 1980.

É objetivando a promoção de um debate virtual, que confira centralidade a esta temática, que a ACTUAR – Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento , em parceria com a Tiniguena – Associação Promoção do Desenvolvimento Participativo na Base e Gestão Durável dos Recursos Naturais,e com a Fundação Land Portal, facilitará uma discussão aberta aos participantes inscritos no Landportal (https://landportal.info/user/register) que terá como principais objetivos:

  • Fomentar o debate, intercâmbio de experiências, perspetivas e posições, relativas a políticas públicas de governança comunitária de florestas nos países-membros da REDSAN/ CPLP.;
  • Identificar, mobilizar e integrar atores da sociedade civil dos países-membros da REDSAN/ CPLP no subsídio às necessidades de formação e construção de capacidades de intervenção e gestão do parque florestal;
  • Sistematizar e publicar um relatório técnico com as principais conclusões do debate, em língua portuguesa.

O diálogo virtual , que se realizará entre 26 de Novembro e 23 de Dezembro de 2017,  será conduzido em língua portuguesa, de forma assíncrona, e os resultados serão sistematizados também em língua portuguesa. Serão realizados esforços no sentido de assegurar a participação de representantes dos países de língua portuguesa que participam da REDSAN-CPLP.

O debate será facilitado por Miguel de Barros da Tiniguena – Associação para a Promoção do Desenvolvimento Participativo na Base e Gestão Durável dos Recursos Naturais

Como participar?

  • O Debate estará aberto para qualquer pessoa, sendo possível seguir a discussão on-line. No entanto, apenas os participantes registados no Land Portal poderão contribuir com comentários e perguntas.REGISTE-SE NO LAND PORTAL 
  • Siga a discussão on-line e, como participante registado, tenha a oportunidade de colocar questões e fazer comentários.
  • Caso prefira, poderá enviar as suas respostas para geral@redsan-cplp.org
  • Aguardamos a sua inscrição e agradecemos que compartilhe este convite com outros e outras eventuais interessados e interessadas.

    Para esclarecer qualquer eventual questão, poderá contactar-nos (Sérgio Pedro) através do email:geral@redsan-cplp.org

Comente este artigo
Anterior CEPAAL mostra Azeite do Alentejo a bloggers e jornalistas estrangeiros
Próximo Forte queda nos subsídios penaliza rendimento agrícola em 2017

Artigos relacionados

Últimas

Cientista da Nasa desenvolve projeto para fazer vinho no espaço

[Fonte: Gazeta Rural]

Uma cientista da NASA que vem trabalhando no desenvolvimento de projeto para sistema de produção de vegetais na Estação Espacial Internacional (ISS), afirmou que a fabricação de vinho no espaço sideral está prestes a acontecer. […]

Nacional

Tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa? “Faria sentido”, diz o Governo

[Fonte: Jornal De Negócios]

“Faria sentido” tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa, considera Capoulas Santos, sem assumir compromissos. Porque o Governo tem vindo a compensar a retirada dos balcões concelhios “através das associações agrícolas”, alega o ministro.
“Sim, faria sentido” tirar o ministério da Agricultura de Lisboa, […]

Últimas

Campónio Startup ribatejana quer levar consumidores à produção agrícola

[Fonte: O Ribatejo]

A Campónio é uma das startups saídas do concurso de ideias dinamizado pela Nersant. esta empresa está sediada na Startup Santarém e foi oficialmente criada em fevereiro deste ano. A proposta de serviços é simples: proporcionais aos interessados uma experiência de ir ao campo ver como se produzem os alimentos e contatar diretamente com agricultores e produtores locais. […]