Exportações de calçado recuam pela primeira vez em oito anos

Exportações de calçado recuam pela primeira vez em oito anos

As exportações de calçado terão recuado 2,85% para os 1,904 mil milhões de euros, de acordo com o gabinete de estudos da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado (APICCAPS). Esta é a primeira descida das exportações do setor em oito anos.

A associação considera que este terá sido um ano atípico, uma vez que as exportações aumentaram em volume, mas recuaram em valor. Segundo dos dados da APICCAPS, o setor terá exportado, o ano passado, 85 milhões de pares de sapatos, um crescimento de 2,4% face ao ano anterior.

“O abrandamento das principais economias mundiais para onde a indústria portuguesa de calçado exporta mais de 95% da sua produção terá afetado o setor e contribuído para o desempenho final”, justifica a APICCAPS em comunicado.

A associação diz mesmo que este mesmo “sentimento ‘agridoce’ foi vivido pelos dois grandes concorrentes de Portugal, respetivamente Itália (até agosto as exportações italianas de calçado recuaram 3,1% em volume para 143,6 milhões de pares e registaram um acréscimo em valor de 37% para 6,5 mil milhões de euros, e Espanha (recuos de 3,6% e 1%, respetivamente, em valor e volume para 122,7 milhões de pares no valor de 2.018 milhões de euros até setembro).

Ainda assim, a APICCAPS antecipa que “2019 deverá ser um ano de afirmação do calçado português nos mercados externos“.

Nesse sentido, serão investidos mais de 18 milhões de euros em atividades promocionais, com o apoio do Programa Compete 2020. A APICCAPS refere ainda que “a participação nos principais eventos internacionais da especialidades em mais de 15 mercados implicará um investimento de 16 milhões de euros” que deverão contar com a participação de mais de 200 empresas. Os restantes dois milhões serão aplicados na promoção das marcas.

Como grandes prioridades para 2019, a associação liderada por Luís Onofre destaca como grandes prioridades “aumentar as vendas no exterior, diversificar os mercados de destino e o leque de empresas exportadoras”.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Ovinos e Caprinos – Informação Semanal – 31 Dezembro 2018 a 6 Janeiro 2019
Próximo CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural

Artigos relacionados

Últimas

Marcas “Porto”, “Port” e “Douro” protegidos no Reino Unido após ‘Brexit’

O Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) anunciou hoje que as denominações de origem “Douro” e “Porto”, incluindo a designação “Port”, estão protegidas no Reino Unido, após um pedido […]

Nacional

Nuno Russo: “A nossa missão é assegurar a manutenção das melhores condições para a preservação do nosso património agrícola”

O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, marcou presença no Seminário “Ameaças fitossanitárias aos […]

Últimas

Queijo de Jorge Coelho vence prémio internacional. Empresário dedica galardão aos pastores e às queijeiras

O prémio foi atribuído pela primeira vez a um queijo Serra da Estrela DOP.
A queijaria Vale da Estrela foi reconhecida pelo queijo Serra da Estrela Velho, […]