CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural

CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural

[Fonte: ECO]

A Confederação dos Agricultores Portugueses alertou esta segunda-feira para a baixa execução do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020 e anunciou em Torres Vedras que está a fazer um levantamento das dificuldades para entregar um dossiê ao ministro da Agricultura.

“São muitos milhões de euros que estão por pagar ou por executar e por isso interessa ajudar os agricultores a melhorar a performance dos seus investimentos e ajudar o Ministério da Agricultura a perceber quais são os problemas que as pessoas estão a sentir no terreno”, afirmou à agência Lusa Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, à margem da reunião do concelho consultivo da CAP em Torres Vedras, no distrito de Lisboa.

O presidente da CAP afirmou que se os problemas não forem apontados e minimizados Portugal pode “chegar ao final do período [do atual quadro comunitário] com devolução de dinheiro para Bruxelas, o que não pode acontecer”, afirmou. “Em todos os quadros comunitários há dificuldades, mas neste quadro tem-se sentido um agravamento”, sublinhou, pedindo ao ministro uma “reavaliação da forma como o PDR tem estado a ser conduzido”.

Neste sentido, a CAP começou a fazer o levantamento dos problemas que, de acordo com o dirigente, podem explicar “a baixa execução do PDR”, para vir a entregar o dossiê ao ministro da Agricultura, Capoulas Santos. O presidente da CAP aponta “dificuldades na aprovação, mas também nos pagamentos” que se consubstanciam em atrasos nos processos.

A CAP quer também perceber se a desistência de muitos agricultores é motivada pelas “muitas mudanças a meio do percurso” ou se por falta de crédito bancário para assegurar a parte do investimento que não é financiada por fundos comunitários. “Nos casos em que a desistência é por causa de atrasos do ministério, pedimos ao senhor ministro o favor de reparar as causas que estão na origem desses atrasos”, insistiu o dirigente.

Já em relação aos agricultores que não desistiram, mas que não apresentaram despesas, a CAP pretende também saber “por que não apresentam pedidos de pagamento” dentro dos prazos estipulados. “Como se chegou ao fim de seis meses e se percebeu que havia muita gente que não estava a apresentar pedidos de despesa, foi dado um prolongamento até ao fim do ano e, chegado ao fim do ano, houve uma operação de limpeza e temos de perceber os motivos. Foi porque houve demora na aprovação ou foi porque houve outro tipo de problemas”, questionou.

A CAP alertou também para a necessidade de, na região Oeste, encontrar soluções de regadio para colmatar a falta de água, indispensável para os produtos hortícolas e para a pera rocha, que aí são em grande parte produzidos.

Comente este artigo

O artigo CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural foi publicado originalmente em ECO.

Anterior Exportações de calçado recuam pela primeira vez em oito anos
Próximo Oferta de Emprego - Técnico Comercial - Região Minho e Beira Litoral

Artigos relacionados

Cotações ES

El pollo se encuentra un 26,7% más barato que hace un año

[Fonte: Agropopular – Cotações]

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;}O artigo El pollo se encuentra un 26,7% más barato que hace un año foi publicado originalmente em Agropopular – Cotações. […]

Dossiers

Tremoço dos Andes- uma nova alternativa cultural com múltiplas utilizações

[Fonte: Lusosem] O consórcio europeu de investigação
LIBBIO reuniu-se a 10 e 11 de Abril em Bremen, na Alemanha, com a presença de
20 participantes dos 14 parceiros envolvidos, entre os quais Filipa Setas,
responsável de Desenvolvimento e Marketing da Lusosem. O LIBBIO estuda o
tremoço dos Andes (Lupinus mutabilis) como nova cultura agrícola
ecológica para a Europa e  […]

Últimas

Maior cooperação económica é um dos desafios futuros da CPLP – Secretária-executiva


Lisboa, 22 fev (Lusa) — Um dos maiores desafios da CPLP futuramente será aprofundar a cooperação económica do bloco, uma vez que é necessário cumprir vários requisitos para alcançar esse objetivo, disse hoje a secretária-executiva do bloco lusófono.
“Se quisermos aprofundar a cooperação, ter uma maior integração política e económica da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa é […]