CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural

CAP alerta para baixa execução no Programa Desenvolvimento Rural

A Confederação dos Agricultores Portugueses alertou esta segunda-feira para a baixa execução do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020 e anunciou em Torres Vedras que está a fazer um levantamento das dificuldades para entregar um dossiê ao ministro da Agricultura.

“São muitos milhões de euros que estão por pagar ou por executar e por isso interessa ajudar os agricultores a melhorar a performance dos seus investimentos e ajudar o Ministério da Agricultura a perceber quais são os problemas que as pessoas estão a sentir no terreno”, afirmou à agência Lusa Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, à margem da reunião do concelho consultivo da CAP em Torres Vedras, no distrito de Lisboa.

O presidente da CAP afirmou que se os problemas não forem apontados e minimizados Portugal pode “chegar ao final do período [do atual quadro comunitário] com devolução de dinheiro para Bruxelas, o que não pode acontecer”, afirmou. “Em todos os quadros comunitários há dificuldades, mas neste quadro tem-se sentido um agravamento”, sublinhou, pedindo ao ministro uma “reavaliação da forma como o PDR tem estado a ser conduzido”.

Neste sentido, a CAP começou a fazer o levantamento dos problemas que, de acordo com o dirigente, podem explicar “a baixa execução do PDR”, para vir a entregar o dossiê ao ministro da Agricultura, Capoulas Santos. O presidente da CAP aponta “dificuldades na aprovação, mas também nos pagamentos” que se consubstanciam em atrasos nos processos.

A CAP quer também perceber se a desistência de muitos agricultores é motivada pelas “muitas mudanças a meio do percurso” ou se por falta de crédito bancário para assegurar a parte do investimento que não é financiada por fundos comunitários. “Nos casos em que a desistência é por causa de atrasos do ministério, pedimos ao senhor ministro o favor de reparar as causas que estão na origem desses atrasos”, insistiu o dirigente.

Já em relação aos agricultores que não desistiram, mas que não apresentaram despesas, a CAP pretende também saber “por que não apresentam pedidos de pagamento” dentro dos prazos estipulados. “Como se chegou ao fim de seis meses e se percebeu que havia muita gente que não estava a apresentar pedidos de despesa, foi dado um prolongamento até ao fim do ano e, chegado ao fim do ano, houve uma operação de limpeza e temos de perceber os motivos. Foi porque houve demora na aprovação ou foi porque houve outro tipo de problemas”, questionou.

A CAP alertou também para a necessidade de, na região Oeste, encontrar soluções de regadio para colmatar a falta de água, indispensável para os produtos hortícolas e para a pera rocha, que aí são em grande parte produzidos.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários .

Anterior Exportações de calçado recuam pela primeira vez em oito anos
Próximo Oferta de Emprego - Técnico Comercial - Região Minho e Beira Litoral

Artigos relacionados

Últimas

La cotización de la almendra ecológica alcanza su máximo anual


La cosecha en almendra sigue avanzando, lo que contribuye al progresivo aumento de la oferta. Esto ha generado descensos en los precios en el mercado nacional, […]

Comunicados

Crédito Agrícola apoia modernização da produção e internacionalização do sector agrícola

[Fonte: Crédito Agrícola]
Lisboa, 28 de Janeiro de 2019 – Com o objectivo de reforçar o seu apoio ao sector primário, […]

Cotações ES

La demanda exterior sostiene los precios en vacuno


Las repeticiones predominaron a la largo de la semana en las canales de vacuno, en un mercado donde los machos van mejorando con pedidos nuevos para cargas hacia el exterior; […]