Exportação de pés de porco para a China pode valer 10 milhões de euros por ano

O Governo português assinou uma nova versão do protocolo que define os termos e condições para exportação de carne de suíno congelada de Portugal para a República Popular da China. Os produtores portugueses vão poder passar a exportar pés de porco, um negócio que pode valer mais 10 milhões de euros por ano.

A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária “congratula-se com o resultado da negociação do Protocolo, a qual resultou no alargamento da gama de produtos abrangidos, permitindo-se agora a exportação de extremidades podais da carcaça de suíno, produtos que poderão encontrar uma mais-valia no mercado chinês”.

Mudanças na China… Portugal pede mais

Como resultado da reforma governamental decorrida na China em 2018, a Administração Geral das Alfândegas (GACC), passou a ser a autoridade chinesa tutelar para as questões sanitárias e veterinárias, pelo que se tornou necessário rever o Protocolo inicialmente assinado em 2017, por forma ao mesmo ser assinado, da parte chinesa, pela nova autoridade competente.

“A parte portuguesa aproveitou para solicitar o alargamento do âmbito do Protocolo inicial, tendo da negociação resultado esta nova versão”, explica um comunicado daquela Direcção tutelada pelo Ministério da Agricultura, liderado por Luís Capoulas Santos.

“Ultrapassada a primeira fase que foi a abertura do mercado chinês para a carcaça do porco, estamos agora numa segunda fase que é a autorização para as miudezas, que foi conseguida parcialmente. Conseguimos autorizar, para além do que já tínhamos, os pezinhos do porco, que é de facto um mercado bastante importante”, revelou Nuno Correia da direcção da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores (FPAS), em declarações à agência Lusa.

De acordo com o responsável, isto vai permitir uma facturação anual superior a dez milhões de euros, ou seja, mais de metade do volume de negócios anual estimado para o total das exportações das miudezas

Produtos que podem ser exportados

Assim, a versão actual do Protocolo identifica os seguintes produtos como habilitados a exportar para a República Popular da China:

  • Para efeitos deste protocolo, a carne de porco refere-se à carne congelada proveniente da carcaça de suíno que foi abatido e sangrado com remoção das cerdas, vísceras/miudezas torácicas e abdominais, cabeça e cauda;
  • A parte inferior do membro (abaixo da rodilha e do jarrete), se atender aos requisitos chineses de inspecção e quarentena e aos requisitos do Protocolo, é elegível para exportação para a China.
  • A carne de porco moída, carne de porco picada, aparas, carne de porco separada mecanicamente e outros subprodutos não são elegíveis para exportação para a China.

Certificação para exportação

Para mais informação sobre a certificação para exportação, as empresas habilitadas devem contactar as Direcções de Serviços de Alimentação e Veterinária da sua Região (DSAVR/RA).

Esta nova autorização foi uma das novidades avançadas segunda-feira pelos suinicultores durante a apresentação da Gala Porco d’Ouro, em Porto de Mós, distrito de Leiria.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Fundação AIP leva uma dezena de empresas à Summer Fancy Food em Nova Iorque
Próximo Bridgepoint rejeita venda do negócio agroquímico em Portugal

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Governo apoia produtores de ovelha típica da região da Serra da Estrela

O Governo esclareceu esta segunda-feira que apoia os produtores de ovelhas típicas da serra da Estrela e que a Associação Nacional de Criadores tem em curso um projeto para melhoramento genético e proteção da raça. […]

Últimas

ADVID publica circular “Evolução da maturação: prestação de serviços 2020”

A ADVID – Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense divulgou a sua Circular 15 sobre a “Evolução da maturação: prestação de serviços […]

Nacional

Covid-19: Governo aposta na fiscalização para minimizar contágios nas campanhas da fruta

A fiscalização e a coordenação com autarquias, entidades locais e produtores são as apostas para minimizar os riscos de propagação da covid- […]