Esvaziamento do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural para outros Ministérios é mau sinal para sector agroflorestal e para mundo rural

Esvaziamento do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural para outros Ministérios é mau sinal para sector agroflorestal e para mundo rural

Com o 25 de Abril de 1974, abriu-se a porta à criação de uma estrutura governamental especificamente vocacionada para a Agricultura, o Ministério da Agricultura, o que foi concretizado nos últimos Governos Provisórios 1974/1975 a partir dos quais se manteve até hoje juntando Florestas e Desenvolvimento Rural.

Tratou-se de uma valorização e dignificação do Sector Agroflorestal determinante para o mundo Rural e de importância crescente para a economia nacional.

Agora, na composição anunciada para o XXII Governo Constitucional saído das Eleições de 6 de Outubro, constata-se um enorme esvaziamento em funções e competências – pode considerar-se como um autêntico desmantelamento – da estrutura central mais responsável pelo até agora Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Assim, o “Desenvolvimento Rural” passa – com a gestão dos importantes PDR – Programas de Desenvolvimento Rural (investimento no Sector) – para o novo Ministério da Coesão Territorial e as Florestas passam para o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

Ou seja, o próximo Ministério da Agricultura fica espremido ao mínimo e praticamente reduzido à importância institucional, e prática, de uma discreta Secretaria de Estado.

Assim, é todo o sector Agroflorestal que é desvalorizado e desvalorizadas são também a sua importância económica e social bem como a sua influência positiva e directa sobre o Mundo Rural.

Por outro lado, é muito previsível o aumento da carga tecnoburocrática a recair sobre os Agricultores e as suas actividades e sobre as Organizações Agro-Rurais.

Receia-se pois que seja estendida por três Ministérios a “via sacra” do percurso institucional, e seus “complicómetros”, do Sector Agroflorestal e dos Agricultores, tantos são, agora, os Ministérios da tutela e, isto, sem considerarmos o Ministério das Finanças e que, pelo menos em termos financeiros, tudo vai “controlar”…

Portanto e já no âmbito no XXII Governo que se apresta para tomar posse, a CNA contesta este esvaziamento de funções e competências do até agora Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, e considera-o mesmo como um mau sinal para o Sector Agroflorestal nos tempos que se avizinham.

Novas políticas para o sector agroflorestal com medidas práticas de mais e melhor apoio à agricultura familiar e de melhor defesa da  soberania alimentar  do  nosso  país.

Mas, para além da avaliação negativa às grandes alterações institucionais na estrutura governamental para o Sector Agroflorestal, a CNA reafirma as suas propostas e reclamações que, se tidas na devida conta pelos próximos Governantes, muito podem contribuir para defender a Agricultura Nacional – com prioridade para a Agricultura Familiar – e a Soberania Alimentar do País.

Assim, estamos em tempos de negociar e operacionalizar a PAC pós 2020 e o período de transição previsível entre o actual quadro comunitário e o próximo. O novo Governo deve acautelar um período de transição sem sobressaltos para os agricultores, para isso a continuidade dos apoios tem de ser garantida para ambos os pilares da PAC. Ainda sobre o Orçamento da União Europeia para o pós 2020 o grande objectivo será no mínimo o de reverter todos os cortes previstos.

O escoamento, a melhores Preços à Produção Nacional, é outro objectivo central e permanente a que as políticas públicas também devem dar resposta favorável.

O mesmo é válido para a revitalização da Floresta e do Mundo Rural.

As necessárias alterações às condições de elegibilidade e concretização do Estatuto da Agricultura Familiar por forma a, também assim, fazer aumentar os rendimentos das Explorações Agrícolas Familiares, é assunto de grande importância estratégica e para o qual se reclama toda a atenção do Governo.

A melhoria dos Serviços Públicos em Meio Rural completa as nossas principais prioridades.

Para isso, a CNA mantém sempre abertas a via do diálogo e a via da reclamação.

Em defesa da Agricultura Familiar, do Mundo Rural e da Soberania Alimentar.

– CNA –  Sempre com os Agricultores ! –

Comente este artigo
Anterior Produção de gin com soro de leite de ovelha representa Portugal na Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia
Próximo Qualidade dos vinhos portugueses colocada à prova em Zurique e Genebra

Artigos relacionados

Sugeridas

Tecnologia ARTESIAN da Syngenta conquista agricultores açorianos

A Syngenta e o seu distribuidor Agroútil reuniram 120 agricultores num dia de campo dedicado à cultura do milho, […]

Comunicados

Concentração na CCDR-C dia 24/05/2018 em Coimbra – Lesados pelos incêndios de Outubro

“LESADOS PELOS INCÊNDIOS DE OUTUBRO – CONTINUAM Á ESPERA DE APOIOS”
O Ministro do Planeamento e da Infraestruturas insiste em dizer que têm já habitações prontas de Outubro, […]

Nacional

Herdade do Cebolal coloca vinhos no fundo do mar de Sines para estudar evolução

Um total de 250 garrafas de vinho foram hoje colocadas no fundo do mar, em Sines (Setúbal), onde irão ‘estagiar’ durante um ano, numa operação que procura estudar a sua evolução, promovendo […]