Esvaziamento do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural para outros Ministérios é mau sinal para sector agroflorestal e para mundo rural

Esvaziamento do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural para outros Ministérios é mau sinal para sector agroflorestal e para mundo rural

Com o 25 de Abril de 1974, abriu-se a porta à criação de uma estrutura governamental especificamente vocacionada para a Agricultura, o Ministério da Agricultura, o que foi concretizado nos últimos Governos Provisórios 1974/1975 a partir dos quais se manteve até hoje juntando Florestas e Desenvolvimento Rural.

Tratou-se de uma valorização e dignificação do Sector Agroflorestal determinante para o mundo Rural e de importância crescente para a economia nacional.

Agora, na composição anunciada para o XXII Governo Constitucional saído das Eleições de 6 de Outubro, constata-se um enorme esvaziamento em funções e competências – pode considerar-se como um autêntico desmantelamento – da estrutura central mais responsável pelo até agora Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Assim, o “Desenvolvimento Rural” passa – com a gestão dos importantes PDR – Programas de Desenvolvimento Rural (investimento no Sector) – para o novo Ministério da Coesão Territorial e as Florestas passam para o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

Ou seja, o próximo Ministério da Agricultura fica espremido ao mínimo e praticamente reduzido à importância institucional, e prática, de uma discreta Secretaria de Estado.

Assim, é todo o sector Agroflorestal que é desvalorizado e desvalorizadas são também a sua importância económica e social bem como a sua influência positiva e directa sobre o Mundo Rural.

Por outro lado, é muito previsível o aumento da carga tecnoburocrática a recair sobre os Agricultores e as suas actividades e sobre as Organizações Agro-Rurais.

Receia-se pois que seja estendida por três Ministérios a “via sacra” do percurso institucional, e seus “complicómetros”, do Sector Agroflorestal e dos Agricultores, tantos são, agora, os Ministérios da tutela e, isto, sem considerarmos o Ministério das Finanças e que, pelo menos em termos financeiros, tudo vai “controlar”…

Portanto e já no âmbito no XXII Governo que se apresta para tomar posse, a CNA contesta este esvaziamento de funções e competências do até agora Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, e considera-o mesmo como um mau sinal para o Sector Agroflorestal nos tempos que se avizinham.

Novas políticas para o sector agroflorestal com medidas práticas de mais e melhor apoio à agricultura familiar e de melhor defesa da  soberania alimentar  do  nosso  país.

Mas, para além da avaliação negativa às grandes alterações institucionais na estrutura governamental para o Sector Agroflorestal, a CNA reafirma as suas propostas e reclamações que, se tidas na devida conta pelos próximos Governantes, muito podem contribuir para defender a Agricultura Nacional – com prioridade para a Agricultura Familiar – e a Soberania Alimentar do País.

Assim, estamos em tempos de negociar e operacionalizar a PAC pós 2020 e o período de transição previsível entre o actual quadro comunitário e o próximo. O novo Governo deve acautelar um período de transição sem sobressaltos para os agricultores, para isso a continuidade dos apoios tem de ser garantida para ambos os pilares da PAC. Ainda sobre o Orçamento da União Europeia para o pós 2020 o grande objectivo será no mínimo o de reverter todos os cortes previstos.

O escoamento, a melhores Preços à Produção Nacional, é outro objectivo central e permanente a que as políticas públicas também devem dar resposta favorável.

O mesmo é válido para a revitalização da Floresta e do Mundo Rural.

As necessárias alterações às condições de elegibilidade e concretização do Estatuto da Agricultura Familiar por forma a, também assim, fazer aumentar os rendimentos das Explorações Agrícolas Familiares, é assunto de grande importância estratégica e para o qual se reclama toda a atenção do Governo.

A melhoria dos Serviços Públicos em Meio Rural completa as nossas principais prioridades.

Para isso, a CNA mantém sempre abertas a via do diálogo e a via da reclamação.

Em defesa da Agricultura Familiar, do Mundo Rural e da Soberania Alimentar.

– CNA –  Sempre com os Agricultores ! –

Comente este artigo
Anterior Produção de gin com soro de leite de ovelha representa Portugal na Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia
Próximo Qualidade dos vinhos portugueses colocada à prova em Zurique e Genebra

Artigos relacionados

Nacional

Dos 3ºC aos 40.7ºC: Setembro foi quente e não travou o agravamento da seca em Portugal

O mês de Setembro deste ano caracterizou-se por uma elevada temperatura do ar e baixa precipitação. A temperatura média do ar em Portugal continental foi de 20.95ºC, […]

Nacional

Castelo Branco: Olivicultores iniciam processo de certificação da Azeitona Galega da Beira Baixa

A Associação de Produtores de Azeite da Beira Interior (APABI) reuniu em assembleia-geral no sábado passado, dia 20 de Junho, na sua sede em […]

Últimas

O seu carro é a gasóleo? Combustível é responsável pela desflorestação e morte de animais

O uso de óleo de palma em combustíveis usados em Portugal disparou desde o ano passado, lamentou esta quarta-feira a associação Zero, […]